Descrição de chapéu Agora

Imóvel de antiga fábrica e balada na Mooca vira invasão sem-teto

Ocupantes ergueram até paredes de alvenaria dentro do local, que é tombado

Elaine Granconato
São Paulo

Antiga fábrica e casa noturna, um imóvel particular tombado com 108 anos de história foi invadido por sem-teto na Mooca, zona leste de São Paulo.

Cerca de 300 famílias, segundo os ocupantes, dividem -se por uma área de 16 mil metros quadrados que, no início do século, abrigou a antiga fábrica de tecidos Labor e, nos anos 2000, a casa noturna Fabbrica 5, do apresentador Gugu Liberato e do ator Miguel Falabella.

No galpão principal do casarão onde, em 1913, funcionárias faziam tecidos de lã e algodão em máquinas a vapor, estão agora varais com roupas penduradas, barracos de madeira, lonas plásticas e até construções em alvenaria. 

Os sem-teto usam água e luz do imóvel desativado. O banheiro é coletivo. As famílias fazem a comida com fogareiros ou fogões —elas recebem doações de integrantes de uma igreja evangélica. Um tanque de plástico foi improvisado com mangueiras.

Mãe de sete filhos de 2 a 19 anos, Giovana de Oliveira, 35, identificou-se com uma das organizadoras da ocupação, que teve início há cerca de dois meses. Ela diz participar de invasões em São Paulo há 20 anos, mas afirma não estar vinculada a nenhum movimento de moradia

"Desocupamos outro prédio no Centro e viemos pra cá. É sempre assim, já que o governo não faz nada por nós", diz.

O haitiano Jonathan Charles, 33, é um dos que está no local, junto a outros estrangeiros vindos do seu país e da Bolívia. No Brasil desde 2014, ele conta que deixou o aluguel de R$ 600 para trás. 

Quando questionado se não era arriscado investir na compra de tijolos e cimento para construir no local, outro haitiano respondeu por ele. "Aqui não tem dono. Era tanta dívida que ficou tudo para o governo", afirmou, sem saber muito bem o que dizia —o imóvel, na verdade, pertence a quatro empresas de uma família de sobrenome Mahfuz.

Curiosamente, os haitianos são os únicos que constroem em alvenaria no local, em toda a área do primeiro andar de um dos prédios.

A entrada se dá pela rua da Mooca, 699, onde carretos param diariamente para descarregar os tijolos.

A Justiça já determinou a reintegração de posse do imóvel, tombado pelos órgãos de patrimônio estadual e municipal. A data ainda não foi definida, mas o mandado já foi expedido, afirma o advogado Franksnei Freitas.

Segundo a determinação da Justiça, os responsáveis pelo prédio terão de bancar o transporte dos mobiliários e roupas dos ocupantes.

Procurado, o Condephaat, conselho estadual de patrimônio histórico, disse que só fiscaliza imóveis tombados a partir de denúncias ou em vistorias por demandas de pedidos de aprovação.

O órgão, sob a gestão Márcio França (PSB), afirmou ainda que enviará ofício aos proprietários sobre as providências tomadas, a fim de garantir a integridade do bem tombado.

No local, a reportagem encontrou o prédio em estado de deterioração, com madeiras nos telhados e janelas consumidas por cupim.

Já o Conpresp, órgão municipal do patrimônio sob a gestão Bruno Covas (PSDB), disse que, como o imóvel é particular, cabe ao dono sua conservação e decisão sobre o uso.

Para o urbanista Ciro Pirondi, diretor e professor da Escola da Cidade, um projeto em parceria com o poder público seria uma boa saída para a antiga fábrica.

"As memórias da arquitetura são descontínuas, um exemplo disso é uma gare de trem virar o Museu da Língua Portuguesa [na Luz, região central]. É possível adaptar os locais para um novo uso", afirmou ele.

Pirondi lembrou ainda que na Holanda, por exemplo, regiões fabris foram ocupadas e, posteriormente, transformadas em locais de habitação popular.

Agora

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.