Após quatro meses, viaduto que cedeu na marginal Pinheiros é liberado

Prefeitura fez testes de carga no sábado (16) e reabriu tráfego para carros e caminhões

Testes de carga no viaduto da marginal Pinheiros com 45 caminhões  neste sábado (16)

Testes de carga no viaduto da marginal Pinheiros com 45 caminhões neste sábado (16) Marcelo Goncalves/Sigmapress

São Paulo

O viaduto da pista expressa da marginal Pinheiros que havia cedido em novembro foi reaberto no início da tarde deste sábado (16). O tráfego de carros e caminhões foi liberado após a prefeitura realizar testes de carga na estrutura, que passava por obras desde a interdição.

O viaduto, em frente ao parque Villa-Lobos, cedeu em 15 de novembro do ano passado. A falha na estrutura criou um degrau de cerca de 2 metros que inviabilizou o trânsito de carros no local. 

“Os resultados estão dando de acordo com os modelos matemáticos elaborados, o que nos permite anunciar que nós não vamos liberar na segunda, vamos liberar no dia de hoje, dois meses antes do planejado inicialmente, que seria 15 de maio”, afirmou o prefeito Bruno Covas (PSDB), que esteve no local neste sábado.

Segundo Covas, parte das obras vão continuar, mas não são emergenciais. “São [obras] de requalificação do viaduto e podem ser feitas com ele sendo utilizado. Dia 12 sai a licitação dessa obra complementar”, afirmou. O custo total estimado das obras, incluindo a requalificação, de acordo com o prefeito, é de R$ 26,5 milhões.

Com a liberação, o rodízio veicular que havia sido suspenso no trecho da marginal também volta a vigorar a partir de 25 de março. Nas primeiras horas após a reabertura, o trânsito próximo ao viaduto estava livre, segundo a CET. 

Realizados pela empresa responsável pela obra de recuperação e acompanhados pela prefeitura, os testes de carga foram de dois tipos: o dinâmico, em que uma carreta com 60 toneladas se deslocou pelo viaduto, e o estático, em que 45 caminhões, cada um com 28 toneladas, ficaram parados sobre a estrutura em pontos determinados.

Foram instalados 49 sensores ao longo da pista e nos pilares para medir o comportamento da estrutura e captar a "movimentação da ponte fora do padrão", afirmou a prefeitura.

Desde o incidente com o viaduto na marginal Pinheiros, a prefeitura tem feito vistorias em pontes e viadutos da cidade para embasar a contratação emergencial de empresas para a elaboração de laudos de vistoria aprofundados. 

O TCM (Tribunal de Contas do Município) emitiu parecer favorável a pedido da gestão Covas para essa contratação emergencial.

Relatórios elaborados por engenheiros da prefeitura apontaram "risco iminente de colapso" em ao menos oito estruturas viárias.

Nos últimos dez anos, a Prefeitura de São Paulo realizou obras de manutenção em 12 das 185 pontes e viadutos que existem na capital. Outras quatro intervenções foram feitas no mesmo período, mas em caráter emergencial, para reparar estragos causados por incêndio ou colisões violentas de veículos. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.