Descrição de chapéu Rio de Janeiro

PM reformado Ronnie Lessa nunca pesquisou por Marielle, diz advogado

Segundo a polícia e o Ministério Público, ele fez buscas na internet pelo nome da vereadora e políticos de esquerda

Rio de Janeiro

O sargento reformado Ronnie Lessa, preso sob suspeita de matar de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, diz que não tinha ouvido falar da vereadora e nunca pesquisou uma linha sobre ela, segundo seu advogado, Fernando Santana.

A declaração de Santana colide com versão dada pela polícia e pelo Ministério Público sobre o crime, que teria como autor um PM aposentado obcecado pela esquerda e que procurou na internet pelo nome de Marielle e também de outras personalidades ligadas à esquerda, como o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), antes da noite do duplo assassinato, que completa um ano nesta quinta-feira (14).

Segundo Santana, que conversou nesta quarta (13) com jornalistas na portaria da Delegacia de Homicídios do Rio, onde seu cliente está detido, Lessa "nega veementemente" participação no atentado, o que inviabiliza, por ora, a possibilidade de que vá fazer delação premiada.

O PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz - Reprodução

A Polícia Civil planeja uma segunda fase da operação que prendeu Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz, suspeito de dirigir o Cobalt prata usado na emboscada contra Marielle e Anderson. A intenção é buscar mandantes, e nesse sentido uma delação de qualquer um dos dois seria valiosa. 

O defensor de Élcio, Henrique Telles, também descarta a adesão ao instrumento jurídico, valendo-se do mesmo argumento: seu cliente é inocente, e "só faz delação quem deve alguma coisa, quer algum benefício". Sem especificar quem seriam, Telles afirma que Élcio tem álibis que podem provar sua ausência na cena do crime.
 
O Ministério Público sustenta que Lessa e Élcio têm relação próxima. Eles passaram o Carnaval juntos dias antes da prisão, numa casa de luxo em Angra dos Reis. Telles diz que eles são só "conhecidos" e, questionado pela Folha, acrescenta: "Conhecidos passam o Carnaval juntos e não necessariamente são amigos".

DEPOIMENTOS

Os dois suspeitos vão depor nesta quarta sobre um auto de flagrante após a polícia encontrar armas com eles. Élcio teve duas pistolas não legalizadas apreendidas em sua casa, em Engenho de Dentro (zona norte carioca). Já a Lessa são atribuídos 117 fuzis achados na casa de seu amigo Alexandre Mota de Souza, no Méier, também na zona norte.

A polícia encontrou na terça uma lancha no condomínio Portugalo, em Angra dos Reis. Acredita que a embarcação seja de Lessa, apesar de ela estar registrada no nome do amigo Alexandre —visto como potencial laranja.

A lancha, batizada Real 330, estava na marina do condomínio, onde o PM reformado tem terreno.

Embora o PM aposentado negue, a polícia está convicta que as armas são dele. Santana diz que seu cliente não só rechaça isso como diz não ter entendido por que Alexandre disse que os fuzis pertenciam a ele. 

Armas e munições apreendidas na casa de Alexandre Motta, amigo de Ronnie Lessa
Armas e munições apreendidas na casa de Alexandre Motta, amigo de Ronnie Lessa - Divulgação

​Lessa e Élcio estão em celas separadas na Delegacia de Homicídios. Devem ser encaminhados nesta quinta (14) para uma audiência de custódia (sobre as armas com eles encontradas), dali retornarão à DH.

A ideia é que sejam ouvidos sobre a suspeita de terem assassinado Marielle e Anderson e, depois, sejam levados para a penitenciária de Bangu 1.
 
O advogado de Lessa diz que vai pedir que o PM reformado seja encarcerado num Batalhão Especial Prisional, onde ficam policiais detidos. 

Lessa se aposentou após sofrer um atentado, em 2009, e perder a perna. Santana lhe levou uma muleta pois, disse, o suspeito está com a prótese frouxa, pois teria emagrecido.

Após 16 mandados de busca e apreensão realizados na véspera, a polícia cumpriu mais 16 nesta quarta. Pela manhã, três PMs, dois empresários e o bombeiro Maxwell Simões, todos alvos dessa operação, foram espontaneamente à delegacia prestar depoimento.
 
O defensor de Lessa disse que não lhe perguntou nada sobre Jair Bolsonaro. Ambos têm casa no condomínio Vivendas da Barra. Sobre o vizinho suspeito de matar Marielle, o presidente disse: "Não lembro desse cara". 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.