Promotores investigam ligação de massacre em Suzano com radicais

Conduta de assassinos em escola estadual sugere tática de crimes de ódio, diz promotor

Mariana Zylberkan
São Paulo

Promotores de São Paulo investigam a possibilidade de o massacre ocorrido na escola estadual de Suzano, nesta quarta-feira (13), ter ligação com organizações radicais que promovem crimes de ódio ao redor do mundo. 

Segundo a investigação, a conduta dos jovens durante ataque a estudantes e funcionários, como o uso de capuzes, os diferentes tipos de armas e o fato de terem disparado contra uma pessoa fora da escola, sugerem táticas adotadas por grupos de ódio. A investigação corre em sigilo. 

"Não podemos descartar nenhuma área de investigação, e devemos traçar medidas preventivas para que esse tipo de crime não volte a ocorrer", disse o procurador-geral do estado, Gianpaolo Poggio Smanio.  O massacre deixou oito mortos e 11 feridos.   ​

Os computadores de Luiz Henrique de Castro, 25, e Guilherme Taucci Monteiro, 17, foram apreendidos e estão sendo analisados por promotores do Gaeco, grupo do Ministério Publico dedicado a investigar o crime organizado. "No Gaeco temos quadros especializados em investigações cibernéticas que estão atuando nesse caso", disse o procurador-geral. 

A investigação abordará se os dois jovens participavam de grupos de discussão ligados a grupos terroristas na chamada internet profunda, em que a troca de mensagens ocorre sob pesada criptografia, sem acesso por meio de sites de busca e com monitoramento mais difícil.

Por causa dessa linha de investigação, o Ministério Público tem usado o termo "terrorismo doméstico" pela primeira vez para se referir ao tipo de crime praticado pelos jovens na escola estadual em Suzano. 

O uso do termo "terrorismo" é defendido pelo procurador-geral, apesar de significar atos de destruição em massa em associação a uma causa política e/ou religiosa, o que não parece ter sido o caso na escola, ao menos neste primeiro momento das investigações. 

O massacre deixou ao menos oito mortos: cinco estudantes, duas funcionárias da escola e o tio de um dos atiradores, morto em um lava-jato pouco antes de eles seguirem para o colégio. O velório foi realizado na manhã desta quinta-feira em um ginásio da cidade da Grande São Paulo. Milhares foram ao local prestar homenagens, formando uma grande fila do lado de fora. Alguns familiares chegaram a passar mal, sendo atendidos em ambulâncias

A polícia investiga também o envolvimento de uma terceira pessoa no crime.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.