Descrição de chapéu Obituário Sandro Cipriano (1984 - 2019)

Mortes: Ativista LGBT, foi defensor dos direitos humanos desde a juventude

Ele desapareceu na quinta-feira (27) e foi encontrado morto dias depois na zona rural de Pombos (PE)

Cristina Camargo
São Paulo

Formado em Pedagogia, Sandro Cipriano, 35, era conhecido pela dedicação às causas sociais desde muito jovem. Aos 17 anos,  foi um dos primeiros agentes de desenvolvimento formados pelo Serta (Serviço de Tecnologia Alternativa), em Pernambuco. Nesta mesma organização, foi educador no módulo direitos humanos e no curso técnico em agroecologia. 

Sandro ficou conhecido como uma importante liderança da juventude rural pernambucana e liderou mobilizações em defesa de políticas públicas, principalmente para a causa LGBT.

Sandro Cipriano, ativista da causa LGBT, foi encontrado morto em Pombos (PE)
Sandro Cipriano, ativista da causa LGBT, foi encontrado morto em Pombos (PE) - Reprodução/Facebook

Em Pombos, na Zona da Mata de Pernambuco, coordenava o Grupo Sete Cores, criado para contribuir com a implementação e efetivação de políticas públicas para o segmento LGBT. 

Também era coordenador estadual e membro do Conselho Diretor Nacional da Abong (Associação Brasileira de Ongs) e ex-conselheiro nacional da Juventude. 

Sandro desapareceu na última quinta-feira  (27). No sábado (29) de manhã, o corpo dele foi encontrado com sinais de violência na zona rural de Pombos. Segundo a declaração de óbito, ele levou um tiro na cabeça e tinha outras marcas de violência.

A morte provocou comoção entre ativistas e amigos do professor. "Sua morte, motivada por ódio e homofobia, é o retrato do Brasil que exclui, estigmatiza e assassina pessoas que defendem direitos e LGBTs", afirma nota divulgada pela Abong. 

Para o teólogo e escritor Leonardo Boff, o assassinato de Sandro tem semelhanças com o da vereadora Marielle Franco, no Rio, no ano passado. 

"São muitos os que foram assassinados por defenderem direitos", escreveu em seu site. "A atmosfera de violência que marcou a campanha presidencial de 2018 ainda continua".  

"Estamos consternados, esse fato é profundamente doloroso", afirmou o diretor do Serta, Abdalaziz de Moura.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.