Brasil tem mais de 210 milhões de habitantes, aponta IBGE

Roraima registrou o maior aumento populacional entre os estados; SP continua como o mais populoso

São Paulo

O Brasil ultrapassou a marca de 210,1 milhões de habitantes em 1° de julho deste ano, segundo estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ao todo, somos 210.147.125 brasileiros que moram nos 5.570 municípios.

A taxa de crescimento da população brasileira foi de 0,79% em relação à mediação do ano anterior, quando o instituto estimou em 208,5 milhões o número de habitantes do país. Os dados foram publicados nesta quarta-feira (28) no Diário Oficial da União. 

A estimativa leva em contra  tendências observadas da mortalidade, da fecundidade e da migração em nível nacional e regional, com as componentes sempre ajustadas. O Brasil tem apresentado rápido envelhecimento da população e queda acentuada na taxa de fecundidade, que passou de 2,54 filhos por mulher em 1996 para 1,73 em 2016 —abaixo da taxa de reposição, o que tem preocupado especialistas.  

São Paulo mantém a liderança como o estado mais populoso do país, com 45,9 milhões de habitantes —no ano passado eram 45,5 milhões. Minas é o segundo, com 21,1 milhões, seguido pelo Rio de Janeiro, com 17,2 milhões.

Roraima foi o estado que registrou o maior aumento populacional, com 5,1%. Com 605,7 mil pessoas, o estado da região norte teve acréscimo oficial de mais 29,1 mil pessoas.

Uma das causas para o aumento populacional de Roraima está no grande fluxo migratório de venezuelanos. Apesar disso, Roraima continua sendo o estado menos populoso do país.

As estimativas populacionais são fundamentais para o cálculo de indicadores econômicos e sociodemográficos nos períodos intercensitários e são, também, um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União na distribuição do Fundo de Participação de Estados e Municípios. ​

Segundo estimativas da ONU que levam em conta as tendências atuais, a população brasileira deve atingir um pico de 233 milhões por volta de 2050 e, depois, tende a encolher até o fim deste século  ​para 190,4 milhões. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.