Estátua de 75 anos é furtada em reforma do Vale do Anhangabaú, em SP

Escultura 'Diana, a Caçadora' estava na praça Pedro Lessa desde 1944

São Paulo

Uma estátua que estava havia 75 anos no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, foi furtada durante as obras de reforma do local.

A escultura “Diana, a Caçadora” foi colocada na praça Pedro Lessa por volta de 1944, segundo o Inventário de Obras de Arte em Logradouros Públicos de SP. 

De acordo com o boletim de ocorrência, registrado por um técnico de segurança da empresa que faz a reforma do Anhangabaú, a obra foi furtada por volta das 18h de 19 de junho. Segundo ele, a base da estátua foi danificada.

O boletim, no entanto, só foi registrado mais de um mês depois do sumiço, em 23 de julho. O caso é investigado pelo 3º DP (Campos Elíseos).

A Prefeitura de São Paulo informou que acompanha as investigações, que são de responsabilidade da Polícia. A gestão Bruno Covas (PSDB) afirmou que só ficou sabendo do sumiço da estátua com o registro do boletim de ocorrência —um mês depois do furto. A reforma do Anhangabaú é feita pela empresa Consórcio Central.

Feita de bronze e cimento por alunos do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, a obra é uma réplica de uma escultura de 1790, do francês Jean-Antoine Houdon, em exposição no museu do Louvre, em Paris.

A escultura estava danificada havia anos (tinha perdido o antebraço esquerdo, o arco, e um dedo da mão direita) e figurava em lista da prefeitura de obras com recuperação prioritária.

O Vale do Anhangabaú passa por uma grande reforma desde junho, que deve durar um ano. De autoria do escritório de arquitetura do dinamarquês Jan Gehl, o projeto terá custo de R$ 80 milhões, e a prefeitura pretende conceder a manutenção dos equipamentos à iniciativa privada.

O enterramento da rede de energia e de telecomunicações é o primeiro passo. Depois, degraus devem dar lugar a novo piso, de superfície uniforme e acessível, para melhorar a circulação de pedestres.

Em referência ao córrego Anhangabaú que ali existia até 1906, serão instalados 850 pontos com jatos d’água no chão para refrescar os transeuntes. O projeto também prevê 1.500 lugares para sentar, além de bebedouros, sanitários, quiosques de comércio, floriculturas. A prefeitura vai plantar 125 novas árvores e instalar mais de 350 pontos de iluminação. 

As obras haviam sido suspensas pela Justiça no começo do mês, mas foram liberadas na última semana.

A reforma do Anhangabaú está incluída em um bloco de ações de requalificação no centro, como a reforma do largo do Arouche. O prefeito Bruno Covas (PSDB) disputará a reeleição à prefeitura no ano que vem.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.