Descrição de chapéu Dias Melhores

ONG quer criar primeiro centro de convivência para idosos LGBT em SP

Solidão e isolamento social são comuns no grupo, diz médico; iniciativa tem inspiração nos EUA

São Paulo

A professora aposentada Dora Cudignola, 67, se assumiu lésbica na década de 1980, época em que, como ela conta, poucas mulheres tinham coragem de sair do armário. 

“Havia poucos lugares para encontros, para dançar, para beijar. Se eu pegasse na mão de uma namorada, não sabia o que poderia acontecer”, diz. “Se hoje há violência contra homossexuais, imagina lá atrás.”

Cudignola havia acabado de se separar do marido, com quem ficou por dez anos e teve uma filha, que também veio a se assumir lésbica. Recebeu apoio de outras mulheres engajadas na causa LGBT e, de forma bem mais discreta e menos pública, de familiares. 

Mais de três décadas depois, a professora fala abertamente sobre a sua sexualidade, inclusive nas redes sociais. A aceitação da sociedade, contudo, não teria avançado na mesma velocidade. E ela agora tem que lidar com um elemento a mais: “Já existe um preconceito por ser lésbica. E, de repente, aparece outro, por ser idosa”. 

É para acolher e criar uma rede de apoio a idosos LGBT como Cudignola e estimular atividades e a troca de experiências entre o grupo que o administrador de empresas Rogério Pedro, 29, quer criar um centro de convivência e referência para o público na região central de São Paulo. 

Ele, que é presidente da ONG EternamenteSOU, focada em idosos LGBT, acaba de iniciar uma campanha de financiamento coletivo para tirar a ideia do papel e continuar os trabalhos da organização (lançada em 2017) em uma sede fixa. 

Rogério Pedro (centro) com Maria Tereza Cebalus Aguilar, 62, Ana Beatriz Ruppelt dos Santos, 64, Márcia Barros, 53, e Ângela Fontes, 67, atendidas pela ONG EternamenteSOU
Rogério Pedro (centro) com Maria Tereza Cebalus Aguilar, 62, Ana Beatriz Ruppelt dos Santos, 64, Márcia Barros, 53, e Ângela Fontes, 67, atendidas pela ONG EternamenteSOU - Karime Xavier/Folhapress

A proposta é ser o primeiro centro do tipo no país, inspirada em iniciativas internacionais como a Sage, sediada em Nova York, e a Openhouse, em São Francisco

“Envelhecer já é um desafio, por falta de políticas públicas para idosos. Quando se é LGBT, o desafio vai para outro patamar”, diz ele. “A ideia é ter um espaço para que possam estar com os seus e ser exatamente o que sempre quiseram ser”, diz. 

Ou, como ele diz, para deixar de ficar só no papel do tio ou da tia que vive no quarto dos fundos e fica encarregado dos cuidados de algum parente. 

O preconceito, ainda que em menor grau, é visto mesmo entre pessoas mais jovens da comunidade LGBT e organizações focadas no grupo, segundo Pedro.

A expectativa de vida de um transexual no Brasil é de 35 anos, segundo estimativa da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais)a do brasileiro é de 76,3 anos, segundo o IBGE. Não há dados sobre população LGBT no geral. 

Bailes, eventos culturais e artísticos, assistência social, psicológica e jurídica, atendimento médico em domicílio e cursos de formação para profissionais que lidam com o público (como da área da saúde) são algumas das atividades e trabalhos que planeja oferecer no lugar. Não tem a proposta, por ora, de ser uma instituição de longa permanência. 

Nos últimos anos, a ONG realizou atividades semelhantes, como a criação de um grupo de canto coral, a realização de um café da tarde mensal para a troca de experiências entre os idosos e o lançamento do Seminário Velhices LGBT, que já teve como participante a cantora Daniela Mercury. O próximo está previsto para junho deste ano. 

Cerca de 300 pessoas a partir de 50 anos já foram atendidos pela ONG desde que foi criada, segundo o presidente. O mais velho tem 87 anos. Já a equipe de voluntários conta com 72 pessoas.

O ator Celso Rabetti, 58, participou de algumas das atividades. Soube da ONG por meio de um panfleto que recebeu enquanto estava em um bar no Largo do Arouche, na região central de São Paulo, com dois amigos. 

“Quais são os espaços onde posso ser eu mesmo e me sentir seguro, sem medo de sofrer violência?”, diz. “Encontrei lésbicas, homens e transexuais trocando ideias. Você vê que não está sozinho e tem força para continuar.” 

As atividades ajudam a enfrentar duas questões que costumam afetar os idosos LGBT, a solidão e o isolamento social, que podem levar à depressão e, em último caso, ao suicídio, diz o geriatra Milton Crenitte, que trabalha no Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo) e escreve uma tese de doutorado sobre o grupo. 

O rompimento com a família biológica, a ausência de filhos e histórico de violência ao longo da vida são alguns dos fatores que podem contribuir para o quadro, diz o médico. 

O grupo também sofre com a invisibilidade, afirma o especialista, o que se reflete em poucos dados e políticas públicas voltadas para ele. Mas Crenitte vê progresso, como na área da gerontologia. “Avançou-se muito nos últimos anos em relação ao mito da velhice assexual. Não se falava da sexualidade dos idosos”, diz. 

Para Dora Cudignola, falta uma barreira pessoal a ser superada. “Sabe o que eu tenho vontade? Andar de mãos dadas e dar beijo, como fazem os jovens de agora. Ainda tenho vergonha”, diz. “Quando os vejo fazendo isso, tenho vontade de dizer: isso mesmo! Lutamos para que vocês conseguissem.”
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.