Descrição de chapéu Coronavírus

Hospital referência de coronavírus do AM colapsou, diz funcionário de plantão

Governo diz que só responderá sobre assunto em coletiva neste sábado (11)

Manaus

A UTI e a sala de emergência lotados, duas mortes e a família de uma idosa orientada a levá-la para morrer em casa. O relato, feito ao longo da madrugada desta sexta-feira (10), é de um dos trabalhadores de plantão no hospital Delphina Aziz, a unidade de referência para o novo coronavírus no Amazonas.

Segundo ele, é a primeira vez que o hospital na zona norte de Manaus, reservado apenas para casos de Covid-19, entra em colapso. Com a taxa de incidência de coronavírus mais alta do país (19,1 por 100 mil habitantes), o Amazonas é uma das cinco unidades da federação com indícios de transição para a fase de aceleração descontrolada de casos.

A descrição indica que o Delphina Aziz foi o primeiro hospital público de referência do país a colapsar em razão da epidemia. Há pacientes infectados por coronavírus em outras unidades hospitalares de Manaus, que também atendem a outras doenças.

A capital do Amazonas é a única cidade com UTI do maior estado do país, com um território um pouco maior do que a soma das regiões Sul e Sudeste.

De acordo com o funcionário, que falou com a reportagem sob a condição do anonimato, os 50 leitos da UTI lotaram na madrugada, enquanto o governo do Amazonas se apressa para instalar mais 19 leitos até o final desta sexta-feira.

A unidade perdeu a capacidade de atender pacientes que chegam em estado grave, relata ele. A família de uma octagenária foi orientada a levá-la para casa para se despedir. Só houve a abertura de vagas na UTI após dois óbitos.

As outras alas do Delphina, como a sala rosa (que abriga casos leves e moderados) e as enfermarias, estão perto de atingir sua capacidade total. Os mortos já estão sendo levados a dois contêineres refrigerados, instalados ali na semana passada.

Por volta das 9h locais, a Folha entrou em contato com a diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Rosemary Costa Pinto. Ela informou, via WhatsApp, que só responde sobre questões de vigilância.

Questionada então sobre os dois óbitos, ela afirmou que só poderá confirmar a informação na próxima entrevista coletiva, marcada para o sábado (11). Rosa Pinto não forneceu o contato de ninguém do governo estadual responsável por responder sobre a situação do Delphina Aziz.

Na segunda-feira (6), o então secretário da Saúde do Amazonas, Rodrigo Tobias, disse que 95% dos leitos públicos de UTI estavam ocupados. Dois dias depois, ele foi demitido e substituído pela biomédica paulista Simone Papaiz. A mudança foi criticada pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, por ter sido feito no meio da crise.

Desde a declaração, o número de casos confirmados de Covid-19 no Amazonas saltou de 532, nesta segunda, para 899, na quinta-feira (9). Os óbitos subiram de 19 para 40.

Em uma tentativa de suprir a falta de leitos, o governo do Amazonas alugou o hospital da Universidade Nilton Lins, que está sendo adaptado para atender exclusivamente casos de coronavírus. O hospital tem 400 leitos clínicos.

Já a Prefeitura de Manaus anunciou nesta semana a construçao de um hospital de campanha, com capacidade inicial de cem leitos.

O governo do Amazonas prevê que o pico de contaminação no estado ocorrerá entre o final deste mês e o início de maio.

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, Rosa Pinto exortou os moradores a não saírem de casas. Ela atribuiu o alto número de mortos ao fato de os pacientes buscarem os hospitais quando o quadro clínico já está irreversível.

Em declarações reproduzidas pelo portal G1, o governador Wilson Lima (PSC) disse nesta quinta que dois hospitais da rede privada de Manaus estão com as UTIs lotadas.

Ele afirmou que 55% dos respiradores do estado estão em uso, mas, com o ritmo atual de avanço da doença, há o risco de todo o sistema de saúde do estado colapsar.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.