Bolsonaro não entendeu protestos pela educação, afirma reitor da USP

Para ele, cortar recursos da área é decisão política que países desenvolvidos não tomaram

Angela Pinho
São Paulo

À frente da universidade com a maior produção científica do país, o reitor da USP,  Vahan Agopyan, afirma que o presidente Jair Bolsonaro "não entendeu bem" as manifestações contra os cortes na educação que ocorreram em mais de 170 cidades do país na quarta-feira (15).

Para Agopyan, reduzir recursos em educação é uma "decisão política" que países mais desenvolvidos que o Brasil não tomaram.

Vahan Agopyan, 67, em sua posse para o cargo de reitor da USP em 2018
Vahan Agopyan, 67, em sua posse para o cargo de reitor da USP em 2018 - Rafael Roncato - 29.jan.2018/Folhapress

Segundo ele, embora as instituições estaduais paulistas não sejam tão afetadas pelo bloqueio de recursos, já há efeito sobre a pós-graduação, —300 bolsas da USP foram perdidas durante o bloqueio do sistema da Capes (agência de fomento ligada ao Ministério da Educação). Elas pertenciam a alunos que defenderam seus trabalhos e seriam destinadas a outros. 

Engenheiro, Agopyan lidera a USP após medidas para reduzir o aperto financeiro, como plano de demissão voluntária. À Folha ele comenta ainda a CPI das universidades recém-aberta na Assembleia Legislativa e declarações de Bolsonaro de que não devem ser priorizados recursos para a área de humanas.

Como o sr. avalia o atual momento de manifestações, cortes na educação e críticas a uma suposta doutrinação nas universidades?

É um momento um tanto inusitado. Há uma falta de informações sobre o que fazemos, quem somos e nossa importância para a sociedade. Acontece no Brasil, mas também é um pouco internacional. As universidades têm certa dificuldade de se expressar. Vejo não como um problema mas como um desafio para nós da academia nos apresentarmos melhor para a sociedade.

O sr. foi à manifestação?

Eu estava no Rio, prestigiando meu colega Vanderlei Bagnato, do Instituto de Física de São Carlos, que ganhou o premio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia.

O que achou de o presidente chamar os manifestantes de idiotas úteis e imbecis?

Eu diria que de novo o presidente, acho que ele não estava no país [estava nos EUA], não entendeu bem. Mas o importante é notar que uma parte da sociedade está preocupada com a educação e começou a se manifestar. Fico muito preocupado quando há uma incompreensão da importância da educação para o desenvolvimento. Todos os países desenvolvidos investiram bastante em educação, da pré-escola ao pós-doutorado.

Como os cortes afetam a USP?

Como universidade estadual, nosso principal financiador são os contribuintes de São Paulo. E, além disso, temos a Fapesp (agência estadual de fomento). No entanto, não prescindimos das agências federais e estamos muito preocupados como usuários delas. Cerca de 60% das nossas quase 8.000 bolsas de pós-graduação são da Capes. Só nesse período em que o sistema ficou fechado, perdemos quase 300 bolsas de mestrado e doutorado, e ainda não recuperamos. 

A USP passou recentemente por dificuldades financeiras. Como está hoje?

Nunca deixamos de honrar nossos compromissos trabalhistas, com fornecedores e com terceiros. Notamos que havia um descontrole financeiro e, se não tomássemos os devidos cuidados, estaríamos hoje em crise financeira. 

Como vê o argumento do governo federal de que é preciso cortar na educação porque a economia não vai crescer o esperado?

É uma questão de decisão política. Vou citar um contraexemplo. A Coreia do Sul teve quase três anos de guerra [1950-1953]. Fui lá recentemente e tem uma foto marcante no museu da guerra. Ela mostra um lugar destruído, paredes caídas, e um monte de crianças sentadas em carteiras improvisadas assistindo a aulas. Israel teve a Guerra da Independência [em 1948]. David Ben-Gurion [chefe de governo] duplicou o instituto de tecnologia e construiu um novo campus para a Universidade Hebraica de Jerusalém. É uma decisão política. Então minha resposta é: o governo decide o que acha importante.

O governo está tomando a decisão política de não investir em educação?

Você faz os cortes onde acha que é seu interesse. Estou dando exemplo de países que não cortaram em educação e hoje têm renda per capita muito melhor que a nossa. Por que São Paulo tem essa pujança em relação a outros estados? Tivemos governantes e uma elite paulista que acreditavam na educação. Na segunda metade do século 19, a província de São Paulo abriu escolas laicas. No fim do seculo 19, escolas profissionalizantes e faculdades. Em 1934, fundaram a USP. Trouxeram professores do exterior com dinheiro do estado. São Paulo era uma província muito pobre e, pouco a pouco, se firmou investindo recursos estaduais em educação.

O senhor é engenheiro. Acha que o Estado deve financiar as humanas?

No século 21, a multidisciplinaridade é uma realidade. Não é possível um projeto bom de engenharia sem discutir os aspectos econômicos com economistas, sociais com sociólogos, os aspectos culturais, éticos etc. Os grandes grupos de pesquisa da USP são multidisciplinares, e a maioria tem colegas com formação da área de humanas. As pessoas interagem de uma forma muito forte e isso há 50 anos é uma realidade. É impossível prescindir de uma área de conhecimento para reforçar outra.

Por que uma parcela expressiva da sociedade compartilha a visão de que a universidade doutrina?

São pessoas que talvez não conheçam como funciona a universidade. O pessoal acha que os colegas da área de humanas são todos mais esquerdistas. Não existe isso. Temos pessoas de todas as áreas com ideias diferentes que na universidade convivem, debatem e muitas vezes mudam seu ponto de vista. 
Falar em doutrinação é, primeiro, imaginar que nossos alunos não têm discernimento, o que não é verdade. E, em segundo, que os professores são de uma única corrente de pensamento, o que também não é verdade. O aluno vai conviver com professores que pensam de maneiras distintas e até antagônicas.

O sr. foi estudante durante a ditadura [1970-1974], depois professor e agora reitor. Em qual momento a universidade correu mais riscos?

Sem dúvida durante a ditadura. Em regimes autoritários, o problema não é tirano que está em cima, é o guarda da esquina. Uma vez falei para os nossos alunos. Eles imaginam que havia policiais na porta dos prédios. Não. Quem nos dedurava e criava histórias eram nossos colegas. Tive vários colegas que, sem motivo, nem pertenciam ao movimento estudantil, por alguma inimizade acabaram presos, alguns torturados. É um período extremamente triste, mas felizmente superamos porque vários brasileiros e brasileiras lutaram pela democracia.

Como se sente quando vê o presidente e alguns de seus seguidores louvarem esse período?

Naquela época, muitos que estão falando essas coisas eram muito jovens ou nem tinham nascido [Bolsonaro tinha 9 anos quando aconteceu o golpe de 1964 e 30 quando o último general da ditadura deixou o poder]. Eu vivi esse regime. As pessoas que não vivenciaram não têm noção do que é viver num regime de exceção.

Como vê a CPI das universidades na Assembleia Legislativa?

Para não ser pessimista, digo que é uma oportunidade de mostrar o que a universidade faz. Todos os nossos dados estão à disposição no portal da USP. Apenas lamento porque não era necessário ter uma CPI, sempre dá sensação negativa. 

As universidades públicas de São Paulo poderiam ter outras fontes de renda? O sr. já declarou que é contra cobrar mensalidade.

Essa questão independe de ideologia. A China, que é um país comunista, acha que quem mais se beneficia do ensino superior é o aluno, então cobra valores consideráveis. Já Alemanha, capitalista, cobrava um valor simbólico e, a partir deste ano letivo, vai cobrar menos ainda, por volta de € 700 por ano. Eu concordo com os países que avaliam que o grande beneficiário do ensino superior é a sociedade, porque um aluno bem formado de uma universidade de pesquisa restitui à sociedade o dinheiro investido nele em poucos anos. 
Sobre outras fontes, para a pesquisa recebemos de agências de fomento nacionais e internacionais e do setor empresarial, que não é desprezível. Em alguns anos, o investimento do setor privado chega a quase R$ 500 milhões. A USP incentiva ex-alunos a colaborar. Temos alguns fundos patrimoniais. Mas, em todos os países, universidade de pesquisa é dependente de recurso público. Mesmo nas universidades ditas privadas dos EUA, parte considerável dos recursos vem do governo federal.

O que o sr. diria a estudantes e professores preocupados com o momento atual?

A universidade sempre passou por dificuldades, sempre sobreviveu e vai continuar assim.


Quem é Vahan Agopyan

Nascido na Turquia e naturalizado brasileiro, tem 67 anos. É engenheiro civil formado pela USP com PhD pelo King's College, do Reino Unido. Professor da Escola Politécnica, assumiu a Reitoria em 2018

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.