Edifício comercial em SP exigiu que chineses usassem apenas elevador de serviço

Comunicado do prédio também proibia entrada de asiáticos no prédio sem máscaras ou higienização das mãos com álcool gel

São Paulo

Em meio a epidemia do novo coronavírus no mundo, um condomínio empresarial na zona Sul de São Paulo divulgou um comunicado interno em que determinava "condições para que nossos 'irmãos' chineses possam acessar as dependências do prédio".

Entre as condições estava o uso obrigatório do elevador de serviço pelos chineses. Os asiáticos que trabalham no prédio também deveriam se submeter ao uso de álcool gel e máscaras cirúrgicas para que pudessem entrar no local. 

De acordo com o comunicado, fixado em todos os elevadores do Edifício Berrini 550, no prédio há uma "empresa oriental" que tem "vários funcionários chineses".

O texto ainda pede aos não asiáticos para que utilizem os outros elevadores, "deixando o privativo apenas para os chineses".

Em comunicado fixado nos elevadores do prédio, a administração do Edifício Berrini 550 exige que chineses utilizem apenas os elevadores de serviço devido à epidemia do novo coronavírus
Em comunicado fixado nos elevadores do prédio, a administração do Edifício Berrini 550 exige que chineses utilizem apenas os elevadores de serviço devido à epidemia do novo coronavírus - Reprodução

No Edifício Berrini funciona um dos escritórios da loja de moda e design japonesa Miniso, segundo informou a empresa em nota enviada à Folha. A Miniso diz que tomou providências assim que foi informada do comunicado e solicitou imediatamente à administração predial a retirada do comunicado.

 

"A Miniso Brasil não consente com qualquer tipo de preconceito e discriminação seja de cor, credo, raça ou etnia e atua sempre pelo bem-estar de todos os seus funcionários, independente de sua nacionalidade", diz a nota da empresa.

O comunicado do edifício empresarial foi mal recebido também por parte da comunidade chinesa em São Paulo. A Ibrachina (Instituto SocioCultural Brasil-China), entidade dedicada a promover integração entre brasileiros e chineses, enviou à Folha uma nota de repúdio após tomar conhecimento do caso. 

"O Instituto SocioCultural Brasil-China vem a público manifestar repúdio a todo e qualquer tipo de discriminação contra a comunidade chinesa e asiática. O combate aos crimes de racismo e xenofobia é um compromisso de todos que defendem uma sociedade justa e igualitária. Destacamos que estes crimes são imprescritíveis e inafiançáveis", diz o texto. 

Procurada pela reportagem, a administração predial do condomínio não respondeu até a publicação. 

 

O caso não foi o único registrado desde o início da epidemia do novo coronavírus.

Na centro da capital paulista, um outro o condomínio, o Meridian, divulgou na última semana um comunicado interno pedindo que os moradores que voltaram recentemente da China procurassem "evitar contato com outras pessoas durante duas semanas".

A medida foi tomada antes mesmo de a Embaixada da China no Brasil recomendar que cidadãos chineses que viajaram ao país fiquem em suas casas durante esse período, para impedir uma possível disseminação do coronavírus.

O comunicado havia sido escrito em português e em mandarim. "Esse foi um caso à parte, normalmente os comunicados são feitos em português", disse Gisele Guimarães Pires, gerente responsável pelo Meridian. 

O mundo assiste ao aumento no número de relatos de preconceito contra orientais. Há casos registrados no Canadá e na França, onde comunidades asiáticas criaram a hashtag #JeNeSuisPasUnVirus (eu não sou um vírus) para uso nas redes sociais. 

No Brasil, o número de casos de preconceito não para de crescer. Na página do Ibrachina, por exemplo, vídeos e publicações recentes estão repletos de comentários discriminatórios. 

"Vocês torturam animais e querem solidariedade? Que a China se exploda! [sic]", escreveu um usuário na área destinada a comentários de um vídeo do instituto sobre o coronavírus. Outra pessoa pede a deportação de chineses, "deveríamos deportar todos os xing ling do Brasil e cortar ralações internacionais com eles para sempre! [sic]".

Em nota, a Ibrachina afirma que vai cooperar com as autoridades brasileiras para identificar crimes contra a comunidade asiática no país. 

Não há casos confirmados de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no Brasil. O Ministério da Saúde investiga 13 casos suspeitos da doença. Outros 16 casos que estavam sendo investigados foram descartados. ​

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.