Descrição de chapéu Coronavírus

Casos de Covid em crianças até 9 anos cresceram 50 vezes em SP no último mês

Doença avança nas faixas etárias mais jovens no estado; PE também vê alta

São Paulo

A Covid-19 avançou no Brasil em todas as faixas etárias entre abril e maio, mas um grupo que até o início de abril era pouco representado nas estatísticas teve um aumento mais significativo no período: o de crianças de até nove anos.

Levantamento de exames realizados em uma rede de laboratórios privada apontou que o número de crianças de até nove anos com teste positivo para Covid-19 aumentou sete vezes em um mês. A taxa de positividade foi de 1,4% até 3 de abril para 9,09% desta data até 14 de maio.

A maior concentração dos exames foi no estado de São Paulo (90%), mas foram levantados dados também de Pernambuco e Rio de Janeiro. Do total de exames realizados na rede —71.400, até o dia 14 de maio—, 5% englobavam a faixa de 0 a 29 anos.

Criança toma sol em varanda de prédio em São Paulo
Criança toma sol em varanda de prédio em São Paulo - Danilo Verpa - 26.mar.20/Folhapress

Em todo o estado de São Paulo, até o dia 3 de abril eram 15 os casos de Covid-19 na faixa etária de 0 a 9 anos. Já em maio, 755 crianças tiveram resultado positivo para o novo coronavírus, um aumento de 50 vezes.

Para comparação entre outas faixas etárias, até abril havia 40 jovens de 10 a 19 anos com confirmação do coronavírus e 580 casos entre 20 e 29 anos. Em maio, os casos entre 10 a 19 anos e de 20 a 29 anos tiveram um aumento de 25 e 13 vezes, respectivamente, em relação ao mês anterior, com 1.000 casos acumulados para o primeiro grupo e 7.682 casos para o segundo grupo.

O município de São Paulo também viu o número de casos em crianças e jovens aumentar. Até o dia 31 de março, eram dois casos confirmados de crianças de até nove anos, apenas um caso para adolescentes de 10 a 19 anos e 19 casos de jovens de 20 a 29 anos.

Já no balanço de 1˚ de abril a 8 de maio, o número de casos cresceu 39, 46 e 17 vezes nas faixas etárias de 0 a 9, 10 a 19 e 20 a 29 anos, respectivamente.

Pernambuco foi o estado que apresentou maior crescimento: crianças de 0 a 9 anos passaram de apenas um caso confirmado até 3 de abril para 234 casos no dia 17 de maio, um aumento de mais de 200 vezes. Esse número, porém, pode ser reflexo de um aumento na coleta de amostras, uma vez que no início da pandemia só eram testados pacientes com quadros graves e profissionais de saúde.

Em relação aos jovens de 10 a 19 anos, o número de casos até o dia 3 do mês passado era apenas três e aumentaram para 173 no boletim de 17 de maio, uma alta de quase 60 vezes.

Já no Rio de Janeiro, no mesmo período o número de casos confirmados cresceu por volta de 5, 7 e 6 vezes, nas faixas etárias de 0 a 9 anos, 10 a 19 e 20 a 29 anos, respectivamente. Essa taxa se manteve praticamente a mesma entre as demais faixas etárias até 59 anos.

As faixas acima de 60 anos tiveram crescimento maior no estado fluminense, com aumentos de 8 a 10 vezes no comparativo com o mês de abril.

A médica Denize Ornelas, integrante da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, relata que existe um viés nos dados, pois na rede privada qualquer paciente pode solicitar fazer o exame, enquanto na rede pública só são testados os pacientes internados com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em estado grave.

“Como estamos falando de testes RT-PCR, existe uma desigualdade no acesso de quem não está com sintomas graves, mais evidente nas regiões periféricas. Seria muito importante ter esses dados estratificados, pois a minha percepção é que as pessoas estão buscando mais e estão conseguindo fazer o teste”, avalia.

Segundo Ornelas, com o aumento de testes, é natural que exista um aumento de casos confirmados em crianças e jovens que são assintomáticos, uma vez que essas faixas etárias não apresentam sintomas e não são hospitalizados. Por outro lado, no SUS não há testagem de crianças e jovens assintomáticos.

Ornelas afirma também que outro viés é que até agora o governo federal não divulgou o número total e a taxa de positividade de todos os testes realizados no Brasil. “Só assim poderemos saber qual o significado dessa incidência”.

Na avaliação da médica, uma taxa de positividade em torno de 5% em crianças e jovens de até 29 anos estaria de acordo com o observado em outros países, onde esses grupos aparecem dentro da parcela de assintomáticos.

Não está claro ainda também como a doença se desenvolve nas crianças, que em geral apresentam menos sintomas, e se elas transmitem menos o vírus.

De acordo com Ornelas, internações de crianças por outras doenças respiratórias, como influenza e virose sincicial respiratória, são comuns nesta época, mas diminuíram em 2020.

“Vimos uma diminuição das internações em UTIs de São Paulo de crianças por esses vírus. Por estarem dentro de casa, a maior probabilidade é de contraírem o Sars-CoV-2 de um adulto que saiu para trabalhar. A etiologia das doenças respiratórias nas crianças nesse momento muda, e por isso estamos vendo casos de Covid-19 nas crianças.”

Nos jovens, no entanto, o contágio esta mais ligado à condição social. O aumento no número total de testados está associado à necessidade de sair para trabalhar, uma vez que esse grupo se expõe mais ao risco.

No entanto, as internações por síndromes respiratórias é que vão dizer se esses jovens representam ou não uma maior preocupação de agravamento de quadro e se o avanço da doença nessa faixa deve ser observado com maior atenção ou não, afirma Ornelas.

“Nos Estados Unidos, a hipótese que foi levantada para os jovens é de associação com comorbidades, como obesidade, diabetes e hipertensão. No Brasil, não estamos vendo essa associação com diabetes e hipertensão porque essas doenças são menos frequentes nos jovens, mas pode estar ligado ao sedentarismo ou ao tipo de condição social, e é isso que precisamos investigar”, completa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.