Gilead vai cobrar até US$ 3.120 por tratamento com antiviral remdesivir nos EUA

Droga mostrou benefícios modestos em alguns pacientes com Covid-19

Nova York | The New York Times

Depois de semanas doando o antiviral remdesivir a hospitais americanos com pacientes com Covid-19 em estado grave, a fabricante da droga, Gilead Sciences, anunciou que estabeleceu um preço —US$ 390 (R$ 2.107) por frasco, o que significa US$ 2.340 (R$ 12.646) por tratamento.

A Gilead também disse que cobrará mais das seguradoras privadas nos Estados Unidos: US$ 520 (R$ 2.810) por frasco, ou US$ 3.120 (R$ 16.862) pelo tratamento completo. Pacientes não segurados também terão de pagar esse preço.

Até recentemente, o remdesivir foi a única droga que demonstrou ajudar pacientes graves de Covid-19, mas os benefícios foram modestos, e o medicamento não melhorou a sobrevivência desses pacientes.

A companhia disse que esse preço, que cobrará em todos os países desenvolvidos, está muito abaixo do valor da droga. Um grande estudo federal descobriu que o remdesivir reduziu o tempo de recuperação de pacientes gravemente afetados em quatro dias em média. Quatro dias no hospital custariam cerca de US$ 12 mil (R$ 64 mil) por paciente, afirmou em comunicado na segunda-feira (29) o executivo-chefe da Gilead, Daniel O'Day.

O Instituto para Revisão Clínica e Econômica (Icer na sigla em inglês), grupo sem fins lucrativos que calcula preços justos para medicamentos, avaliou que a Gilead precisaria cobrar US$ 1.600 (R$ 8.645) por tratamento para amortizar seus custos, mas que até US$ 5.080 (R$ 27.450) por tratamento ainda traria uma boa relação custo-benefício, já que os pacientes poderiam sair do hospital mais cedo.

Os críticos há muito acusam a Gilead de cobrar demais por medicamentos inovadores, como o Harvoni, para tratamento de hepatite C, que custa até US$ 100 mil (R$ 540 mil). Em um comunicado, o Icer advertiu: "A Gilead tem o poder de apreçar o remdesivir à vontade nos Estados Unidos, e nenhuma seguradora do governo ou privada poderia pensar em sair da mesa de negociação".

Muitos analistas de Wall Street esperavam que a droga custasse cerca de US$ 5.000 (R$ 27 mil) por tratamento, e por isso o preço menor "pode ser visto como uma decisão responsável da Gilead", acrescentou o Icer.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS na sigla em inglês) disse na segunda que o governo Trump fechou "um acordo incrível" com a Gilead. A companhia fornecerá 500 mil frascos do medicamento até setembro, o suficiente para tratar 232 mil pacientes. Os hospitais pagariam o preço no atacado de US$ 520 (R$ 2.800) por frasco.

A última remessa da Gilead de 120 mil tratamentos doados está saindo nesta segunda (29).

O novo carregamento será distribuído para hospitais conforme a necessidade. Depois de setembro, porém, o HHS não participará mais da distribuição do remdesivir.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.