Descrição de chapéu Coronavírus

Promotor da Sputnik V no Brasil nega influência política e diz que coincidência ajudou a vacina

Político do PSD, Rogério Rosso conta que União Química tinha fábrica pronta para fazer o imunizante russo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Para o responsável pela oferta da Sputnik V ao Brasil, Rogério Rosso, foi um fato aleatório, a existência de uma fábrica com equipamentos iguais aos usados para fazer o imunizante, que aproximou a vacina russa do país —e não seu trânsito político.

Com o interesse do governo de Jair Bolsonaro pela vacina e a mudança de regra da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) permitindo a adoção sem ensaios de fase 3 (finais) no país, virou moeda corrente em Brasília que enfim havia chegado a "vacina do centrão".

O ex-deputado federal Rogério Rosso (PSD), diretor de Negócios Internacionais da União Química
O ex-deputado federal Rogério Rosso (PSD), diretor de Negócios Internacionais da União Química - Alan Marques - 10.jan.2017/Folhapress

A referência ao grupo político que sustenta o governo e ganhou a presidência da Câmara logo bateu em Rosso, que era próximo do cacique Eduardo Cunha e foi deputado pelo PSD, partido que não integra, mas está na mesma faixa do centrão.

Foi governador-tampão do Distrito Federal (2010-11) e presidiu a comissão que aprovou o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016.

Diretor de Negócios Internacionais da União Química, farmacêutica paulista que é parceira do governo russo, Rosso nega a associação. "A vacina é boa e tivemos uma grande coincidência em nosso favor."

O primeiro ponto teve a chancela da respeitada publicação britânica The Lancet, que publicou na terça (2) o estudo de fase 3 da vacina fabricada pelo Instituto Gamaleya e a apontou como segura e com eficácia de 91,6%.

O segundo é uma anedota pouco conhecida. Rosso foi derrotado na disputa pelo governo do Distrito Federal pelo PSD em 2018 e resolveu voltar ao setor privado. Foi contratado pela União Química para desenvolver uma estratégia internacional.

"Visitei mais de 15 países desde que comecei, em março de 2019. Um deles foi a Rússia, onde queríamos montar uma rede para nossos produtos veterinários", afirmou. Foram apresentadas as sete fábricas da empresa, inclusive o novo centro fabril de biotecnologia em Brasília, aberto em 2017.

"Quando veio a pandemia, lá para abril de 2020, o governo russo entrou em contato conosco. Tínhamos na fábrica de Brasília já pronta equipamentos idênticos aos do Gamaleya para produzir a vacina localmente. Era só uma questão de mudar parâmetros das máquinas, é uma chamada fábrica flex", disse.

Daí veio o acerto com os russos, por meio do hiperativo Kirill Dmitriev, o presidente do fundo soberano do país que bancou a Sputnik V e a promove como mascate pelo mundo —18 países já a autorizaram emergencialmente.

A fábrica já está em operação piloto, para testes, de produção do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo), a matéria-prima da Sputnik V. Se tiver uso aprovado, será a primeira do país a fazê-lo, antes do Instituto Butantan e sua Coronavac ou da Fiocruz com a vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford.

A diferença é de escala. Se for aprovada, sua produção em plena capacidade é de 8 milhões de doses por mês, bem menos que as rivais. Mas planos de expansão não são descartados.

A Rússia tem acordos semelhantes de produção local na Índia e na Coreia do Sul.

O trabalho burocrático, que envolve milhares de página de tradução de documentos, foi bastante acelerado pelo embaixador russo no Brasil, Serguei Akopov, um dos mais experientes diplomatas estrangeiros em Brasília.

Assim como os tradicionais institutos do Rio e São Paulo, a União Química conta com a entrega de doses prontas para formulação da Sputnik também. Dmitriev prometeu, caso saia a aprovação, 10 milhões até março e até 150 milhões no ano, número que parece otimista dada as dificuldades de produção na Rússia.

O presidente Vladimir Putin negocia com a chanceler Angela Merkel usar instalações na Alemanha para expandir a capacidade, caso a Sputnik V seja aprovada para uso na União Europeia.

O imunizante era visto com grande desconfiança devido ao anúncio algo marqueteiro de Putin de seu registro sem que houvesse sido realizada a fase 3, em agosto. Agora, com os dados preliminares de 20 mil voluntários revisados e com a chancela ocidental, a história muda.

No Brasil, as dúvidas eram múltiplas. Primeiro, pela presença de um nome com densidade política como Rosso na negociação. Segundo, porque havia resistência internas na Anvisa ao imunizante.

As primeiras trocas de mensagens entre o Gamaleya, que é quem faz o pedido oficialmente, foram desalentadoras para os russos.

Segundo a reportagem ouviu de pessoas com acesso à negociação em Moscou, tudo era rejeitado liminarmente, inclusive dados que agora foram chancelados pela Lancet. A suspeita era de sempre, a de russofobia.

Houve contrariedade quando a Anvisa disse que havia rejeitado o pedido de uso emergencial justamente pela questão da fase 3. Os russos divulgaram nota dizendo que apenas iriam mandar mais documentos.

Outro ponto era a própria União Química, empresa sem tradição alguma na área de vacinas humanas —o mercado é dominado pelo Butantan e pela Fiocruz no país. Fundada em 1936, ela faturou R$ 2,7 bilhões em 2020 e tem 7.000 funcionários.

Agora, a maré parece ter virado para Rosso e os russos. "Quanto mais vacinas, de qualquer lugar, melhor", diz o deputado tornado diretor.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.