Descrição de chapéu Coronavírus

Para afastar turista, São Sebastião, em SP, proíbe condomínios de abrir piscina

llhabela vai obrigar apresentação de exame negativo da Covid-19 para liberar entrada na cidade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Reginaldo Pupo
São Sebastião (SP)

As piscinas, churrasqueiras e áreas comuns de condomínios residenciais de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, estão proibidos pela prefeitura de funcionar. A medida tenta frear a ida de turistas à cidade litorânea com a proximidade do megaferiado de dez dias na capital paulista, em meio à alta de mortes pela Covid-19 —o país atingiu a marca de mais de 3.000 mortos em 24 horas pela primeira vez nesta terça-feira (23).

Em Ilhabela, a prefeitura vai exigir de turistas um exame RT-PCR para comprovarem que não estão com o coronavírus. O exame deverá ser feito até 48 horas antes do embarque nas balsas e nas lanchas. Moradores terão que comprovar residência fixa para acessar a cidade.

O decreto da Prefeitura de São Sebastião determina que sejam fechados de 26 de março a 4 de abril os espaços de churrasqueiras, piscinas, playground, salões de jogos, quadras de esportes e academias. O descumprimento poderá render multa, que segundo a administração, varia de R$ 145,45 a R$ 14.545.

Seguindo a decisão do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), cidades do Grande ABC também vão antecipar feriados na próxima semana, o que gerou preocupação em prefeitos de outros municípios.

Santos, que decretou lockdown, teve praias vazias e ciclistas nas ruas no primeiro dia da medida, nesta terça. Outras regras também foram adotadas pelas prefeituras, como testagem em massa, restrição de acesso às praias, rodízio de carros e limitação de vagas na rede hoteleira.

Entidades civis também se mostraram preocupadas com o próximo feriado. Na praia de Toque-Toque Grande, em São Sebastião, moradores até contrataram um segurança particular para controlar o acesso de turistas, que são orientados a não permanecer na praia.

“Estamos fazendo um trabalho de conscientização. Não podemos proibir ninguém de ir à praia, mas recomendamos aos banhistas que apenas deem uma caminhada, um mergulho, e depois retornem às suas casas”, diz a administradora Rosa Clara Bezerra Alves, 33, que em agosto do ano passado deixou o bairro de Pinheiros, em São Paulo, para morar na praia por causa da pandemia.

Segundo ela, a maioria dos banhistas acata a recomendação. “Distribuímos cópias do decreto para quem tiver dúvidas. As praias não têm vigilância e nenhum tipo de controle, apesar de a prefeitura dizer que o acesso está proibido”.

A decisão da Prefeitura de São Sebastião de proibir o uso das áreas de lazer dos condomínios encontrará dificuldades para ser aplicada, pois a medida vale apenas para os condomínios, deixando as casas de veraneio de fora. Hotéis voltam na sexta-feira a ter restrição de operar com máximo de 40% da capacidade.

A locação de residências aos finais de semana é uma saída mais econômica que a rede hoteleira, por comportar mais pessoas, que podem dividir os custos com a locação.

Desde o início da pandemia, esse mercado não parou no litoral norte. A cada fim de semana, centenas de residências são locadas, principalmente aos finais de semana, muitas para a realização de festas clandestinas.

Em sites especializados em locação de residências, imobiliárias e redes sociais, há diversos anúncios de casas disponíveis para o próximo feriado prolongado.

Algumas imobiliárias, no entanto, já vêm suspendendo locação de casas para finais de semana há alguns meses. “Entendendo a atual situação pela qual passamos, optamos por não criar atrativos que favoreçam a vinda de mais pessoas de fora, a não ser os proprietários dos imóveis”, diz Eliazar Angelo Simioni, proprietário da Imobiliária Padrão, que administra casas e condomínios.

Em São Sebastião, a testagem em massa desde segunda pelas blitze sanitárias provocou um grande congestionamento no trânsito na rodovia Rio-Santos, na altura da praia de Boraceia, que faz divisa com Bertioga.

De acordo com a prefeitura, caso algum turista tenha resultado positivo para Covid-19, será proibido de entrar na cidade. No segundo dia das blitze, 100 carros foram parados na barreira sanitária e os técnicos realizaram 202 testes rápidos em turistas. Ao menos 18 deles deram positivo. Eles foram orientados a retornar aos seus municípios de origem. ​

Além da decisão em Ilhabela de exigir testes de Covid-19 dos turistas, os vereadores também pediram o fechamento de praias e cachoeiras para evitar aglomerações, em especial sobre o turismo de um dia. O prefeito ainda não se manifestou. Em Ilhabela, até 50% dos quartos da rede hoteleira poderão ser ofertados durante o feriado prolongado.

RODÍZIO NO FERIADO

A Prefeitura de Ubatuba quer implantar um rodizio de automóveis durante o período do feriado prolongado. A medida, no entanto, depende de aval da Câmara.

O projeto prevê que a circulação de veículos em dias ímpares ficará permitida apenas para aqueles com placas de final ímpar (1, 3, 5, 7 e 9). Já nos dias pares ficará permitida apenas a circulação de veículos com placas de final par (0, 2, 4, 6, 8).

Segundo a prefeitura, o descumprimento do rodízio poderá render multa de R$ 500, além das sanções previstas no Código de Trânsito Brasileiro.

Estarão isentos do rodízio carros com placas de Ubatuba, Caraguatatuba, Ilhabela e São Sebastião, de abastecimento e entregas; transportes coletivo, motos e similares; táxis, transporte escolar, guinchos e veículos de emergência.

A prefeita de Ubatuba, Flávia Pascoal (PL), reforçou que turistas e veranistas não devem ir à cidade nesse período.

“As praias estarão fechadas. Fazemos isso em favor de nossa saúde, que é precária e também da saúde do turista. Temos 31 [pacientes] internados hoje, 21 na Santa Casa e 10 em outros municípios. Por favor, peço que respeitem essas regras. É hora de ficar em casa e com suas famílias”, afirmou a prefeita.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.