Descrição de chapéu Coronavírus

Lactantes sem comorbidades são vacinadas contra a Covid em posto em São Paulo

Prefeitura afirma que aplicação ocorreu por erro e que imunização foi suspensa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Doses da vacina da AstraZeneca foram aplicadas em lactantes que não pertencem aos grupos autorizados, no drive-thru do Parque Villa Lobos, na cidade de São Paulo.

A Folha ouviu quatro relatos de mulheres sem comorbidades, que não são profissionais da saúde, e que foram vacinadas ao apresentarem um atestado assinado pelo médico.

Questionados, os enfermeiros responsáveis disseram que as doses foram utilizadas em decorrência de um erro e que, assim que a Secretaria da Saúde tomou conhecimento, suspendeu a imunização. Outras lactantes foram até o local, mas a vacinação do grupo já estava suspensa.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, disse que os funcionários foram reorientados após a administração das doses e que “todas as lactantes vacinadas serão acompanhadas e monitoradas clinicamente”.

Gestante é vacinada contra a Covid-19 no Rio de Janeiro - Ricardo Moraes - 4.mai/Reuters

A imunização de lactantes foi anunciada pela médica pediatra Ana Escobar em seu perfil no Instagram, que conta com 540 mil seguidores. Em um vídeo, ela dizia que mulheres que amamentavam podiam ser vacinadas e, para isso, bastava um atestado médico. Ela não mencionou datas, cidades, estados ou passava detalhes.

À Folha Escobar disse que a postagem foi fruto de um mal entendido e que a apagou assim que soube que a vacina ainda não estava disponível para o grupo. Mas citou estudos que mostram que a vacina pode proteger a mãe e o bebê.

“Existem estudos que ainda serão revisados que mostram que os anticorpos podem ser passados por meio do leite materno. Serão suficientes para proteger o bebê? Ainda não sabemos. Mas é mais um motivo para reforçarmos a necessidade de vacinação.”

Na próxima segunda-feira (17), começa a imunização de gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto) com comorbidades no estado de São Paulo. Para serem imunizadas, as mulheres devem apresentar um atestado, laudo ou receita médica que comprove a condição de saúde.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.