Novidade deste século, hino nos estádios é ignorado por torcedores

Lei federal de 2016 obriga que ele seja tocado antes dos eventos esportivos em todo o país

Torcedores alviverdes trocam versos do hino nacional por "meu Palmeiras" - Eduardo Anizelli - 28.out.15/Folhapress
São Paulo

"A valorização dos símbolos nacionais" estabelecida como prioridade pelo Ministério da Educação anda distante dos gramados. Centro de polêmica nesta semana, a execução do hino brasileiro só teve em situações esporádicas, no futebol, o tratamento exigido na lei que trata desses símbolos nacionais.

Em carta enviada às escolas do país, o ministro Ricardo Vélez Rodríguez pediu que alunos, professores e funcionários fossem colocados em fila para cantar o hino em frente à bandeira do Brasil, cerimônia que deveria ser filmada e enviada ao MEC. Se recebesse vídeos dos estádios nesse momento solene, o titular da Educação não ficaria satisfeito.

 

Presente nos estádios brasileiros com frequência a partir do início deste século, o hino nacional não é respeitado com a reverência determinada na lei 5.700, de 1971, publicada no governo do presidente Emílio Garrastazu Médici. O artigo 30 estabelece que, durante a execução, “todos devem tomar atitude de respeito, de pé e em silêncio, os civis do sexo masculino com a cabeça descoberta”.

Quem já esteve no estádio cinco minutos antes de um jogo de futebol sabe que não é o que se vê. Os palmeirenses se divertem trocando cada conjunto de quatro sílabas por “meu Palmeiras”. Corintianos entoam “todo-poderoso Timão” e outros versos, impublicáveis. No Rio Grande do Sul, em várias ocasiões, a arquibancada prefere berrar o hino do estado no momento em que o sistema de som veiculava a canção símbolo do país.

Não é uma novidade. Desde que a apresentação se tornou obrigatória, sempre foi observada uma realidade distante da exigida em lei. Isso ficou claro a partir de 2001, quando lei estadual de São Paulo tornou compulsória a execução do hino, determinação que passou a ser copiada por outros estados. Roraima já exigia, desde 1997, que fosse tocada a introdução do hino em eventos esportivos.

Execução é obrigatória em São Paulo desde 2001, mas pouco respeitada pelo público - Joel Silva - 4.mar.09/Folhapress

Do início do século para cá, os torcedores se acostumaram a ver a cerimônia com algum desdém. A obrigatoriedade em competições esportivas virou lei nacional no final de 2016, sancionada pelo presidente Michel Temer, ganhando nova imposição: “em qualquer hipótese, o hino nacional será tocado ou cantado integralmente”.

Isso acarreta uma consequência negativa para os atletas, que veem atrapalhado seu processo de aquecimento. Entre a execução da canção —cuja versão oficial leva pouco mais de três minutos e meio— e o protocolo de cumprimento aos adversários e árbitros, perde-se parte do trabalho realizado.

"O ideal é que o intervalo entre o final do aquecimento e o início do jogo seja menor. Quanto menor o intervalo pré-jogo, menor o tempo de perda de calor do atleta para o ambiente externo. A grande preocupação é relacionada principalmente às lesões musculares, mas também podem ocorrer torções se os músculos não estiverem bem ativados", explicou Thiago Santi, fisiologista do Palmeiras, citando a interferência das condições climáticas nesse processo.

"Em um jogo no Rio de Janeiro, às 21h, no mês de julho, com uma temperatura média de 25ºC, a temperatura corporal vai ser mantida. Porém, nesse mesmo período, em Curitiba ou Porto Alegre, a temperatura pode ser de 10ºC, o que de fato torna mais perigosa a situação em relação às lesões", acrescentou Santi.

Em Curitiba, também é obrigatória a execução do hino estadual antes das partidas. O Paraná é um dos dez estados com legislação específica sobre a apresentação de sua própria canção símbolo.

Os jogadores estranharam quando o hino nacional passou a ser executado em sua versão integral, nos primeiros jogos de 2017. Em uma das primeiras partidas do Palmeiras daquele ano, os atletas foram "cumprimentar a arbitragem e os adversários ao final da primeira parte [do hino]", relatou o árbitro da partida na súmula.

A proposta da lei que obriga a execução completa foi apresentada em 2009, pelo senador Cristovam Buarque (PPS-DF). A relatora do projeto aprovado, Ana Amélia (PP-RS), celebrou a sanção, no fim de 2016, apontando os Estados Unidos como exemplo.

"Veja como o norte-americano canta seu hino. Ele bota a mão no peito e faz uma reverência. O Brasil está começando um pouco esses hábitos, mas nem todos cantam", disse a então senadora.

Houve um momento de exceção, antes mesmo da aprovação dessa lei. Na Copa das Confederações de 2013 e na Copa do Mundo de 2014, ambas realizadas no Brasil, ficou famoso o gesto de jogadores e torcedores, que continuavam cantando o hino quando a execução era interrompida.

Jogadores do Brasil cantam o hino em jogo da Copa das Confederações - Ricardo Nogueira - 26.jun.13/Folhapress

Por determinação da Fifa, a apresentação de cada hino deveria levar, no máximo, 90 segundos. E a versão entregue pela CBF tinha 65, bem menos do que os 215 da canção oficial do Brasil, com música de Francisco Manoel da Silva e poema de Joaquim Osório Duque Estrada.

"Nunca vi o hino cantado com tanto amor, com tanta emoção", disse José Maria Marin, à época presidente da CBF, que fez questão de passar aos jogadores da seleção brasileira o comportamento ditado pela lei de 1971.

"Você viu alguém mascando chiclete? Falei que não queria ver ninguém mascando chiclete, arrumando meia ou fazendo exercício durante o hino. Sabe por quê? Para mostrar que tem comando", afirmou Marin, hoje preso nos Estados Unidos por crimes de corrupção cometidos no comando da CBF.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.