Descrição de chapéu Copa América

Organização vê como normal presença de Bolsonaro na Copa América

Argentinos reclamaram da presença do presidente na semifinal; político quer ir ao Maracanã

Diego Garcia
Rio de Janeiro

Após o presidente do Brasil Jair Bolsonaro manifestar que pretende ir ao Maracanã assistir a final da Copa América, entre Brasil e Peru, no próximo domingo (7), o Comitê Organizador Local (COL) da competição definiu como "normal" a vontade do político do PSL em comparecer às partidas da competição.

"No que diz respeito ao presidente, assim como outras autoridades e dirigentes, eles vão ao campo, isso é normal no pré-jogo, no intervalo, como aconteceu no caso do Mineirão", disse Thiago Januzzi, gerente-geral do Comitê Organizador Local da Copa América.

O presidente Jair Bolsonaro durante a partida entre Brasil e Argentina pela semifinal da Copa América
O presidente Jair Bolsonaro durante a partida entre Brasil e Argentina pela semifinal da Copa América - Luisa Gonzalez/Reuters

Sobre a decisão, a presença do presidente brasileiro é esperada pela organização. "A expectativa é que ele venha ao estádio, para, sim, acompanhar a partida”, continuou Januzzi.

O COL acrescentou que, até o momento, não existe nenhuma programação prevista para a final com o presidente do Brasil, como a entregar a taça, por exemplo. 

"[Sobre] A presença dele aqui no gramado [do Maracanã] ainda não tem nada programado", disse Thiago Januzzi.

Nesta sexta, Bolsonaro afirmou entrar no campo do Maracanã e diz que levará o ministro da Justiça, Sergio Moro. 

"Pretendo domingo não só ir assistir à final do Brasil com Peru. Bem como, se for possível, se a segurança permitir, irei com Sergio Moro junto ao gramado. O povo vai dizer se estamos certos ou não", afirmou.

Na Copa do Mundo de 2014, a então presidente Dilma Rousseff entregou troféus e medalhas na cerimônia após a final no Maracanã, entre Argentina e Alemanha. O mesmo ocorreu com Vladimir Putin na Rússia, em 2018.

Na semifinal, entre Brasil e Argentina, vencida pelo time da casa por 2 a 0, no Mineirão, em Belo Horizonte, Bolsonaro compareceu e deu até uma meia volta olímpica para cumprimentar o público, que se dividiu entre aplausos e algumas vaias.

Nesta quarta (3), a Argentina reclamou da presença de Bolsonaro no gramado da partida, por meio de carta enviada pela Associação de Futebol Argentino (AFA) à Conmebol.

“A imprudência da designação arbitral gerou inevitável ambiente antes do jogo, agravado pela presença do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no estádio, que não passou sem ser percebida por jogadores, dirigentes e público em geral, já que foram evidentes suas manifestações políticas durante o desenvolvimento do jogo, não podendo deixar de mencionar que no intervalo deu uma verdadeira volta olímpica pelo estádio”, diz o texto.

A arbitragem foi justamente outro tema abordado na coletiva de imprensa de encerramento da Copa América, realizada nesta sexta-feira (5), no Maracanã, foi sobre as reclamações dos argentinos sobre o uso do árbitro em vídeo (VAR). A Argentina se sentiu prejudicada por dois pênaltis supostamente não marcados na derrota contra o Brasil.

Apesar das críticas, a Conmebol isentou o árbitro em vídeo de culpa nos episódios.

"O VAR é uma ferramenta à disposição do árbitro pra melhorar seu desempenho e dar mais justiça. Em um balanço geral, temos mais pontos positivos do que negativos. O VAR é uma ferramenta pra o árbitro, a decisão final é do árbitro", disse Hugo Figueredo, diretor de competições da Conmebol.

A organização ainda apresentou alguns números sobre o torneio no Brasil. Por exemplo, 800 mil pessoas estiveram presentes até agora na Copa América, e a expectativa é chegar a 900 mil com a decisão e a disputa pelo terceiro lugar, em São Paulo. A média de público chegou a 32 mil pessoas por partida.

Na final, ainda está programada uma cerimônia de encerramento com duração de 10 minutos, em conexão com a entrada dos jogadores em campo. Serão cerca de 400 pessoas no palco, mais 1.500 envolvidas com o show, que terá apresentação da brasileira Anitta e de Pedro Capó, de Porto Rico.

A seleção brasileira, que disputara a final no domingo, no Maracanã, tenta se blindar de polêmicas críticas aos jogadores e comissão técnica. 

Nesta sexta-feira (5), o volante Casemiro se disse incomodado com as especulações sobre a possibilidade de Tite deixar a seleção brasileira ao fim da Copa América e disse não ter entendido as vaias de parte do público quando o nome do treinador foi anunciado, no Mineirão, antes do confronto semifinal com a Argentina.

“Tem que ter um mínimo de respeito. Os números falam por si. Um treinador que está há três anos no cargo e tem mais de 80% de vitórias merece um pouco de respeito. É um cara vitorioso, com títulos internacionais, títulos nacionais. Isso é o futebol. Cada um tem sua cabeça e pode falar o que quer, mas, como falei, ele é um cara vitorioso e merece um mínimo de respeito”, afirmou.

O volante colocou o comandante como grande responsável pela campanha que levou o Brasil à final, com vitória por 2 a 0 sobre a Argentina após as vaias –misturadas a aplausos. Não só pela parte tática da equipe mas pelo cuidado que o técnico vem tendo para que a equipe seja emocionalmente equilibrada.

“Ele fala para não entrar em catimba. É um cara que fica na sua cabeça: ‘Mentalmente forte, mentalmente forte, não se desestabiliza, não se desestabiliza’. Em todos os jogos, todos os treinos, está ele lá: ‘Mentalmente forte’. O grande êxito dele está sendo esse, não nos deixar cair em catimba”, disse Casemiro.

Sem o prestígio que tinha até o fracasso na última Copa do Mundo, o treinador sabe que uma derrota em casa aumentaria bastante a pressão em torno de seu trabalho –apesar de mais uma manifestação da CBF de que seu emprego está assegurado até 2022.

Colaborou Marcos Guedes, de Teresópolis (RJ)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.