Consumo consciente é filosofia para toda a família

Mães contam como educam filhos para comprar menos e escolher melhor

São Paulo

Na casa de Cecilia Hineraski Mendes, 5, os cuidados com o planeta sempre foram assunto. Junto com os pais, ela cuida de separar o lixo, evitar o desperdício de água, e de separar brinquedos para doação. Mas a tarefa em que ela é mais craque envolve o guarda-roupa: Cecilia já sabe que repetir roupas pode ser o maior barato.

Seu vestidinho amarelo, por exemplo, que desde que chegou em casa, em novembro passado, virou o favorito, é usado com frequência e sem drama. “Acho legal repetir. Meus vestidos são bonitos e confortáveis”, explica. “E, quando não servem mais, eu dou para a minha prima Alice.”

De acordo com a mãe de Cecilia, a empresária Daniela Hineraski, 41, a ideia foi um movimento natural. “Consumo consciente por aqui é filosofia de vida, uma virtude necessária. Aprendi com meus pais. Minha mãe guardou meu vestido de um aninho e a Cecilia depois usou no seu primeiro aniversário”.

Na quarentena, a família fez duas faxinas gerais no armário e nos sacos de brinquedos. “Reiteramos a importância de não acumular. Mantemos apenas aquelas coisas preferidas. Ceci precisa escolher entre duas peças que ela gosta, e uma pode ir para outras crianças”.

Mãe loira de óculos está sentada em uma poltrona e tem um bebê no colo - a filha mais velha está em pé ao lado, de vestido amarela, sorrindo
Daniela Hineraski, 41, e os filhos Cecilia, 5, e Heitor, de oito meses - Arquivo Pessoal

Daniela e o marido Israel são pais também de Heitor, oito meses. Quando ele estava para nascer, ao contrário do que aconteceu na primeira gestação, o foco foi comprar roupinhas com melhores fibras, tecidos e modelagens, para que durassem mais. A mãe explica que não se preocupou com supérfluos nem objetos de decoração.

“Abri mão da idealização do quartinho e dos detalhes de Pinterest escandinavo. Já tinha aprendido que um bebê precisa de algumas roupinhas confortáveis e amor. E ponto”, conta.

Daniela é sócia na Jolie Ceci, marca de roupas infantis slowfashion que trabalha com o linho para que as roupas durem mais. “Isso faz a Cecilia reconhecer que roupa é para durar, para usar e repetir, e que não são descartáveis. A ideia é ter peças de qualidade para passar por gerações e peças especiais para momentos como aniversários e festas.”

“Consumo consciente é comprar menos, escolher melhor e tentar estender ao máximo a vida útil das peças que já temos. Todos nós precisamos conhecer as etapas do processo produtivo de uma peça para fazermos melhores escolhas”, avalia a estilista e consultora de moda Alessandra Ponce Rocha, 42.

Ela é autora do livro “Alinhavos – O Futuro do Planeta Está no seu Guarda-Roupa” (ed. Panda Books), que, além de contar um pouco da história da moda, também instiga os pequenos a se perguntarem sobre a origem e o destino das roupas que usamos.

Mãe de João, 14, e Luisa, 11, ela costuma fazer um exercício com os filhos sempre que um deles pede para comprar coisas novas. “Uso três perguntas. Primeiro, se eles realmente precisam ou se somente querem. Segundo, se o valor cabe no bolso dos pais. Terceiro, caso eles decidam comprar, se acreditam que a peça foi produzida de maneira ética”, exemplifica.

“O isolamento social imposto pela pandemia nos mostrou que não precisamos mesmo de muitas coisas. E as crianças acabam percebendo que o ato de consumir por consumir quase sempre está relacionado com suprir outras demandas, que não de fato repor ou adquirir uma peça por necessidade.”

Para ela, desejar e atender às vontades também é saudável, mas é preciso refletir. A estilista sugere, por exemplo, que as famílias aproveitem a quarentena para, em conjunto, organizar o armário separando itens para doação, outros para trocas entre amigos, e alguns para venda. O dinheiro arrecadado pode ir para uma poupança.

“Educar para consumir com consciência é investir em uma melhor qualidade de vida para todas as pessoas que habitam o nosso planeta e para as gerações que estão por vir”, resume. “Já temos uma crise climática, estamos sofrendo as consequências do consumo desenfreado, e só com informação e atitude poderemos reverter esse quadro.”

“Alinhavos – O Futuro do Planeta Está no seu Guarda-Roupa”
Alessandra Ponce Rocha , Ed. Panda Books, 48 páginas
R$28,42

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.