Em 'As Boas Maneiras', diretores põem lobisomem nas ruas de São Paulo

Filme que estreia nesta quinta (7) marca nova parceria de Juliana Rojas e Marco Dutra

Inácio Araujo Guilherme Genestreti
São Paulo

Um lobisomem que tivesse nascido em São Paulo teria que transpor a marginal Pinheiros em suas caçadas e encontraria nos vários shopping centers da cidade um abatedouro promissor.

Com o filme "As Boas Maneiras", a dupla de cineastas paulistas Juliana Rojas, 36, e Marco Dutra, 38, constrói uma fábula de terror sobre um menino-lobo, temperada pelas contradições sociais brasileiras. 

No longa, que estreia nesta quinta (7), a portuguesa Isabél Zuaa interpreta Clara, a babá que cria o garoto monstruoso na periferia paulistana. A mãe dele é Ana (Marjorie Estiano), caipira endinheirada com inclinação pelo sertanejo universitário e um apetite incontrolável por carne.

Essa é a segunda vez que os cineastas, dois aficionados pelo gênero do horror, dividem a direção. A primeira foi com a estreia de ambos, "Trabalhar Cansa" (2011). 

Mas, dentro do coletivo deles, o grupo Filmes do Caixote, sempre colaboram criativamente com os longas individuais um do outro, como "Sinfonia da Necrópole" (de Rojas), e "Quando Eu Era Vivo" e "O Silêncio do Céu" (de Dutra).

 


Como se constituiu o grupo Filmes do Caixote?"
Juliana Rojas-
 A gente se conheceu na faculdade de cinema, na USP. Marco, eu e Caetano [Gotardo, cineasta] somos da mesma turma. E a gente se aproximou desde o começo, unidos pela cinefilia. Temos uma amizade que já tem 18 anos. A gente não só se aproximou, mas descobriu filmografias juntos. O grupo não é uma empresa produtora, mas tem uma interlocução constante.
Marco Dutra- A gente está sempre ao redor do outro, e isso nos alimenta de uma forma não totalmente consciente. 

Desde "Trabalhar Cansa", em 2011, vocês passaram por uma transição dentro do gênero do terror. Como vocês definem a diferença entre os seus filmes? 
JR - O "Trabalhar Cansa" começa mais naturalista e vai ficando denso e assumindo linguagem de horror e suspense. Mas a gente sempre concebeu "As Boas Maneiras" como uma fábula. Queríamos trabalhar tanto a ideia da fábula dos filmes da Disney quanto com os elementos dos musicais e do terror. E com a nossa relação com a cidade de São Paulo.

O lobisomem no filme tem algo das tradições populares do Brasil. De onde o tiraram? 
JR - A lenda do lobisomem tem várias similaridades no mundo todo. No Brasil, ele tem uma influência forte da moral católica. Transgressões religiosas podem fazer com que você vire um lobisomem nessas histórias: se não for batizado, se cometer incesto, se fizer sexo com um padre...
Importava mostrar esse monstro que tem consciência. O mito dele é forte porque fala de dualidades, entre o instinto e a razão, por exemplo. A Clara [Isabél Zuaa] consegue ver esses dois lados, então precisa manter o bebê longe da sociedade.

Os diretores paulistas Marco Dutra e Juliana Rojas e Marco Dutra, de 'As Boas Maneiras', em São Paulo
Os diretores paulistas Marco Dutra e Juliana Rojas e Marco Dutra, de 'As Boas Maneiras', em São Paulo - Zanone Fraissat/ Folhapress

É um lobisomem rural na cidade.
MD- Gostamos das criaturas clássicas do cinema, como o Frankenstein e o Drácula. Mas, no caso do lobisomem, o interessante é que ele faz parte do folclore brasileiro, é essa figura da turma do Chico Bento. E isso permitiu incluir referências como o sertanejo universitário. Fomos até o Villa Country, na Barra Funda, para ver as coreografias.

De onde veio a ideia de dar um papel central no filme para a geografia social de São Paulo?
MD
- Na primeira versão, o universo gótico da Ana [Marjorie Estiano] era mais clichê. Ela vivia num prédio antigo e decadente, mas já tinha a ideia de trabalhar as diferenças entre o centro e a periferia. Conforme a gente foi desenvolvendo a ideia, pensamos que seria mais desafiador pensar nessa nova riqueza de São Paulo, essa coisa meio Dubai, da [avenida] Berrini, dos novos ricos.

Nos seus filmes sempre parece haver a ideia de um mundo doente, que neste é a cidade, quase como se o mal exalasse da própria terra. Vocês pensam em São Paulo como um mal, um equívoco?
JR- Não vemos São Paulo como um mal. Mas uma questão sempre foi as contradições sociais dela. É uma cidade viva, mas com energia agressiva. E ainda tem esse imaginário de ser a cidade do trabalho. Tudo tem a sua perversidade, seja a cidade ou os personagens. 

Mas também existe uma mensagem amorosa. Clara herda um filho e promove essa transferência amorosa, não?
JR - Mas o amor tem seu lado perverso, que é o apego. O amor materno é complexo por causa disso. Como lidar com essa dependência? Como amar o seu filho e permitir que tenha livre-arbítrio? Esse é um conflito que a Clara vive com o Joel. 

O gênero do terror passa por uma mudança de status. Ao menos, parte da crítica parece que redescobriu profundidade dramatúrgica em alguns desses filmes. Ao que vocês atribuem isso?
JR- A alta do terror tem a ver com o mundo estar na merda. O auge do terror e da ficção distópica acompanha momentos como a Grande Depressão, a Guerra Fria. É um reflexo do momento de hoje. 
MD-  A gente nunca criou uma hierarquia dentro do gênero. Fomos criados em videolocadora, onde a única divisão é a dos gêneros do filme. Mas dentro deles se achava tudo, desde filmes mais consagrados, como "O Bebê de Rosemary" e "O Exorcista", até do [diretor George] Romero. Para mim, não existe separar os vagabundos e os sofisticados.
JR- Até porque dá para aprender com alguns filmes ruins, que têm mais liberdade. 

Há um elemento novo na obra de vocês, que é a computação gráfica. Como foi trabalhar com essa técnica, pouco empregada no cinema brasileiro?
JR- O filme é uma coprodução com a França. Duas empresas criaram os efeitos especiais. Uma fez o lobisomem bebê, com efeitos mecânicos, um misto de animatrônica e marionete. Outra fez o lobisomem criança, que é todo em computação. Os efeitos que têm mais impacto são os mecânicos, mas eles têm limitações. Tem coisas que não se pode fazer com robô ou com uma pessoa vestida de lobisomem, foi um equilíbrio. 

Como é dirigir em conjunto?
MD- A gente aprendeu junto, isso trouxe naturalidade. A cada filme, a gente vai azeitando e diminuindo o atrito. Mas a gente nunca se divide, a gente gosta de todas as fases do processo, e é importante dialogar. É de fato uma discussão, não é um jogar a moeda.
JR- Há uma ideia de autoria que não faz muito sentido no cinema. O diretor é responsável pelas decisões finais, claro, mas o filme vai ser resultado do trabalho de uma equipe.

Vocês já têm novos projetos?
MD -
No segundo semestre, eu e Caetano Gotardo vamos filmar "Todos os Mortos", filme de época sobre uma família branca e negra lidando com os anos pós-Abolição em São Paulo. É um drama que tem uma sombra, mas não é fantástico. Vai ser muito doméstico, mas com coisas sombrias. 
JR- E eu e Marco estamos desenvolvendo um projeto juntos. Vai ser algo com a ideia de uma casa mal-assombrada.

 

Filme tem carreira premiada

‘As Boas Maneiras’ chega ao circuito nesta quinta (7 ) após carreira de festivais que lhe rendeu prêmios e atenção internacional. 

 —No 70º Festival de Locarno, na Suíça, realizado em agosto de 2017, levou o prêmio especial do júri.

 —No Festival do Rio, em outubro passado, foi eleito melhor longa de ficção segundo o júri e o melhor longa segundo a crítica; ganhou ainda os prêmios de melhor atriz coadjuvante (Marjorie Estiano), fotografia (Rui Poças) e o Felix, para obras de temática LGBT.

—A revista francesa ‘Cahiers du Cinéma’ resumiu o filme com a seguinte fórmula: “As Boas Maneiras” = Almodóvar + Jacques Tourneur + David Cronenberg + Marco Dutra-Juliana Rojas —e, chamando-o de ‘bela surpresa brasileira’, pedia sua estreia na França.

—Na Mostra de SP, em outubro de 2017, o crítico da Folha Inácio Araujo classificou o filme como ótimo. ‘Tão pouco preocupado com o Brasil, na superfície, esse filme tem a nossa cara’, escreveu.

—O filme estreia com uma minimostra na sede paulistana do Instituto Moreira Salles, de quinta a domingo (10), ao lado de ‘Trabalhar Cansa’, e ‘A Companhia dos Lobos’, de Neil Jordan; veja programação em ims.com.br

 

Outros filmes de terror que vem por aí

‘Vingança’
Após ser estuprada, uma mulher parte para a revanche num filme cuja exibição causou até convulsão
Quando: nesta quinta (7)

Hereditário
Os segredos de uma família vem à tona graças a uma adolescente que mantém uma ligação com a avó morta
Quando: 21/6

Unsane
Todo rodado com iPhone, o filme de Steven Soderbergh acompanha uma mulher internada compulsoriamente num manicômio
Quando: sem data

‘Unfriended: Dark Web’
Após se apossar de um laptop, um adolescente percebe que está sendo vigiado e que o ex-dono fará de tudo para tê-lo de volta
Quando: sem data

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.