Descrição de chapéu
Artes Cênicas

Em boa metáfora, 'Nina' questiona potencial criativo e destrutivo das utopias

Espetáculo do dramaturgo romeno Matéi Visniec cria uma sequência de 'A Gaivota', obra-prima de Anton Tchékhov

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Nina ou da Fragilidade das Gaivotas Empalhadas

Na cena final de "A Gaivota", de Anton Tchékhov, Treplev se suicida com um tiro, fora de cena. Antes de dizer a Trigorin o que aconteceu, Dorn afirma que um "frasco de éter" estourou em sua mala.

Considerando o potencial simbólico do texto tchekhoviano, parece não haver melhor maneira de explicitar o derradeiro ato de angústia do escritor frente ao confronto de suas utopias com a realidade.

Em "Nina ou da Fragilidade das Gaivotas Empalhadas", o dramaturgo romeno Matéi Visniec propõe o suicídio como mais um insucesso do jovem Treplev. Quinze anos se passaram desde esse momento; ele agora vive sozinho, sem criados, na casa de sua mãe.

Subitamente, Nina reaparece, fugindo da vida comezinha. Ela segue atriz, mas sem grande destaque; e já não suporta Trigorin, com quem permanece casada. Pouco depois, ele aparece a sua procura.

O procedimento central de Visniec é inserir esse triângulo amoroso em 1917, na Revolução Russa. Diferentemente de Tchékhov, que vivia na época em que suas histórias aconteciam, o romeno, 62, situa os personagens à distância: tendo ele próprio vivido sob a égide de uma ditadura, a de Nicolau Ceausescu, sua visão acerca do processo revolucionário e suas consequências futuras permeia a obra.

A encenação de Denise Weinberg propõe um diálogo interessante com a dramaturgia. Ela joga com a relação das personagens e sutilmente se aproveita da sugestão de Trigorin acerca da linguagem artística que lhe soa mais revolucionária: o dadaísmo.

A interpretação realista, presente na maioria dos diálogos, é suspensa e posta em xeque diversas vezes pelas ações dos atores. Para além do trabalho dramático, a direção de Weinberg explicita simbolicamente o estado interior das personagens.

O elenco se equilibra, tendo em Dinah Feldman a maior agitação. Sua Nina transita entre o deslumbramento e a lucidez; é dela que partem as metáforas mais preciosas. Edu Guimarães faz a angústia de Treplev pulsar, enquanto Francisco Brêtas surge como um Trigorin austero —ainda que por vezes bonachão.

Em cena também está Gregory Slivar, responsável pela concepção musical. Embora a encenação proponha imagens muito bem elaboradas a partir da luz, do espaço cênico e da movimentação, são as paisagens sonoras que sustentam e potencializam "Nina". Suas construções sugerem distintas atmosferas. Uma das matérias essenciais do espetáculo é o tempo, e sonoridade parece assumir sua condução.

Sobrepostos o tempo histórico e o do indivíduo, as personagens redescobrem seus afetos e anseios enquanto uma nova ordem eclode do lado de fora. Entre se tornar artigo de museu ou fantasma de uma revolução, "Nina" questiona o potencial criativo e destrutivo das utopias.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.