Rosalía atualiza o flamenco para as pistas e ambiciona o trono do pop nos EUA

Destaque da onda latina, espanhola fará parcerias com Pharrell e Almodóvar e sonha em cantar com Caetano

Rafael Gregorio
São Paulo

A mais promissora estrela da nova geração do pop internacional tem sotaque flamenco: é Rosalía, 25, do hit “Malamente”.

A cantora vem conquistando mercados com a mescla de R&B, eletrônica e o tradicional gênero andaluz de “El Mal Querer”, seu segundo álbum.

Encantou principalmente os Estados Unidos, onde o disco foi eleito pelo New York Times o sexto melhor de 2018.

Chama a atenção o contraste entre o trabalho —conceitual, inspirado em uma narrativa medieval sobre uma mulher aprisionada pelo marido— e a estreia da artista, “Los Ángeles” (2017), ainda próxima do som e da dramaticidade do estilo tradicional.

“A inspiração primeira vem sempre do flamenco, tudo se moldou a partir disso, mas minha musicalidade é livre, sem ortodoxias”, diz a espanhola.

Atualizando as raízes à luz dos mandamentos das paradas de sucesso, ela vem produzindo hits como a citada “Malamente”, agraciada com dois Grammy Latino (Melhor Fusão Urbana e Melhor Canção Alternativa) em novembro.

Para conquistar a América, a cantora segue as pegadas de Lauryn Hill, Björk e Kate Bush, a quem citou em discurso de tom feminista na premiação.

“A música ainda é uma indústria masculina, mas hoje há mais produtoras, instrumentistas, técnicas de som”, celebra Rosalía, cujo negócio é gerido pela mãe e pela irmã.

O sucesso da jovem se baseia em uma dualidade. De um lado, empréstimos do folclore espanhol: castanholas, violões, violinos, letras amarguradas e melismas vocais, as transições rápidas de notas durante uma mesma sílaba.

De outro, como que pixelando essas tradições, abundam batidas eletrônicas, sintetizadores e ornamentos comuns ao pop atual, como o uso de softwares de afinação na voz como recurso estético —adições do produtor El Guincho, que já trabalhou com Björk.

Tal dicotomia se equilibra na figura de Rosalía, que ignora as saias longas e os saltos altos das cantoras e dançarinas de flamenco e prefere tênis esportivos, maiôs e vestidos de cores berrantes.

Seu visual se consolida em videoclipes de atuações dramáticas e dançarinos em figurinos extravagantes desenhados por estilistas como Palomo Spain e Maria Escoté.

Críticos inserem a novidade no contexto de uma nova geração latina, capitaneada pelos colombianos J Balvin e Maluma e pela cubano-americana Camila Cabello —é a onda que Anitta ambiciona surfar.

“Rosalía pode vir a se tornar a Rihanna do flamenco”, diz Enric Palau, codiretor do festival de música Sónar.

Portas também vêm se abrindo entre colegas do meio artístico. A cantora fez parcerias recentes com J Balvin e Dua Lipa e, em 2019, vai lançar música com Pharrell Williams e aparecer no próximo filme de Pedro Almodóvar, “Dolor y Gloria”, com Penélope Cruz e Antonio Banderas.

Puristas, como de se esperar, torceram o nariz. Em seu país, Rosalía foi acusada de artificializar o flamenco, de miscigená-lo a estirpes menos nobres e de explorar estereótipos dos povos ciganos.

No outro extremo, há também na Espanha quem credite à cantora uma benfeitoria: ela estaria apresentando as tradições aos mais jovens.

“É uma honra. Se minhas canções puderem ser uma porta de entrada para algo tão lindo, darei minha missão como cumprida”, diz.

Nascida em uma cidade diminuta na província de Barcelona, distante da Andaluzia onde surgiu o flamenco moderno, no século 18, ela não foi apresentada ao gênero tradicional espanhol por familiares, mas pelos amigos.

“Na minha casa se ouvia Bob Dylan e Janis Joplin. Foi brincando nas ruas que descobri essa música.”

Aos 13 anos, quando conheceu artistas como Camarón de la Isla (1950-1992), começou a tocar violão e, depois, piano, no qual diz se sentir mais à vontade para compor —ao contrário de colegas no ramo, Rosalía escreve a maior parte de suas canções e estudou música na faculdade.

A espanhola também se distingue por explorar emoções e temáticas mais diversas que as usuais no pop de massa, como o ciúme de desfecho trágico da música “A Ningún Hombre (Cap. 11: Poder)”:

“Para nenhum homem eu consinto/ Que emita minha sentença/ Até você ser o carcereiro/ Eu era sua companheira.”

“Minha música perpassa a grande paleta emocional do flamenco: amor e desamor, morte, festividade”, ela afirma.

Profundidade dramática é também o que mais a encanta na música brasileira, cujas harmonias afirma ter estudado a fundo.

“Caetano Veloso é o maior artista que há. A forma como ele se arriscou ao longo de sua carreira me inspira. [Cantar com ele] seria um sonho! Eu morreria!”

Não é improvável: em março, Rosalía fará show na edição argentina do festival Lollapalooza, no qual Caetano também se apresentará em sua atual turnê com os filhos.

A cantora também espera se apresentar em breve no Brasil —quem sabe, em português.

“Não sei como aproximar o flamenco da música brasileira, mas a ideia me encanta. Um dia, quero cantar algo da Elis Regina.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.