Descrição de chapéu Cinema

Elton John será tema de filme que coroa era de ouro das cinebiografias musicais

Cinco dos dez longas do gênero mais vistas da história foram lançados só nos últimos quatro anos

Taron Egerton em cena de 'Rocketman', de Dexter Fletcher

Taron Egerton em cena de 'Rocketman', de Dexter Fletcher Divulgação

Guilherme Genestreti
São Paulo

As batidas que abrem a música “Bennie and The Jets” pulsam enquanto Elton John, vestindo purpurinado uniforme de beisebol, divaga que há “momentos na vida de um rockstar que definem quem ele é”. E quando entoa seus clássicos, faz a plateia levitar. De forma literal.

Nas telas, a trajetória do compositor inglês, um dos maiores vendedores de discos da história, fará 2019 seguir a tradição de verter salas de cinema em arenas musicais. 

“Rocketman”, filme que reconta a sua carreira num tom fantástico, coroa o que parece ser a era de ouro do gênero. Cinco das dez cinebiografias musicais mais vistas de todos os tempos foram lançadas só nos últimos quatro anos.

A obra que encabeça a lista é “Bohemian Rhapsody”, que estreou em novembro e aborda de forma agridoce a vida e a carreira de Freddie Mercury. 

“As pessoas gostam de ver seus ícones transformados em gente comum, de ver o preço que pagaram pela fama”, diz à Folha o diretor Dexter Fletcher, que deve lançar “Rocketman” em maio deste ano. Na obra, o ator Taron Egerton, de “Kingsman”, é quem irá vestir o figurino extravagante de Elton John.

O cineasta toca o projeto com as credenciais de ter assumido “Bohemian Rhapsody” depois que o diretor original, Bryan Singer, foi demitido pela Fox por sua presença errática no set do filme.

Mas, tirando o fato de ambas as produções se voltarem a símbolos da música pop britânica, haverá pouca semelhança no tom dos dois longas. 

 

A cinebiografia do líder do Queen, interpretado por Rami Malek, segue a receita do gênero. Em ordem cronológica, mostra como o ex-carregador de malas do aeroporto Heathrow ascendeu ao panteão do rock, sem se deter em explicar o que o tornava alguém único.

Perpassa “highlights” de mais de 20 anos em ritmo de videoclipe, nunca dando qualquer tempo para aprofundar as tragédias privadas de Mercury. Os minutos finais são reservados para reproduzir, de maneira tecnicamente tosca, o show no Live Aid, em 1985, apelando para ganhar o público com a memória afetiva de canções manjadas.

Já “Rocketman” se anuncia como uma viagem lisérgica, e nada linear ou naturalista. 

Não é para menos. Graças às letras de Bernie Taupin, seu parceiro artístico, Elton John recheou sua obra de imagens —a estrada de tijolos amarelos do “Mágico de Oz”, bailarinas que dançam na areia e princesas empoleiradas em cadeiras elétricas.

“O que queríamos era usar as canções e reinterpretá-las como um recurso narrativo”, afirma Fletcher. “Eu poderia fazer uma biografia tradicional, mas a persona dele é um tanto fantástica por natureza.”

O diretor conta que a trama percorre quatro décadas do músico, desde que ele, nascido Reginald Dwight, tocava piano,ainda adolescente, em pubs da Inglaterra. Mostrará a sua parceria com Taupin (Jamie Bell) e ascensão como uma das maiores traduções dos exageros dos anos 1970.

Assim como em “Bohemian Rhapsody”, “Rocketman” também se equilibra na linha tênue entre ser um filme de homenagem e uma obra escancaradamente chapa-branca. 

Isso porque, nos dois casos, os músicos estão por trás dos projetos. O guitarrista Brian May e o baterista Roger Taylor vigiaram a produção nos seus mais de 10 anos. Talvez não seja à toa que ambos aparecem firmes e equilibrados no filme, enquanto Mercury se porta mais como uma diva.

Elton John também está por trás de “Rocketman”, no papel de produtor. “Mas ele não fica no meu pé”, diz Fletcher. 

“Ele me deu carta para branca para reinterpretar as canções dele. E nunca disse para  amenizar seus altos e baixos.”

Imagens do trailer mostram o protagonista embalado numa maca —referência, talvez, à sua tentativa de se matar no começo da carreira, após inalar o gás do forno. A experiência é descrita na música “Someone Saved My Life Tonight”.

Outro aspecto que, para alguns, maculou o retrato de Mercury e pode assombrar o novo filme é o retrato da vida sexual de seus protagonistas.

Parte da crítica encarou que  “Bohemian Rhapsody” era pudico demais ao mostrar as relações do vocalista do Queen com outros homens. Talvez para esfriar os ânimos, Taron Egerton, intérprete de Elton John, disse em entrevistas ter sido filmado em cenas “bem físicas” de sexo homoerótico e  que “gays ficarão orgulhosos”.

Fletcher confirma. “Não dá para inventarmos parceiras amorosas que simplesmente não existiram na vida dele. Isso nunca foi uma questão.”

Quando ficar pronto, “Rocketman” poderá colher os frutos da boa onda do gênero, que não vem escorada apenas nas bilheterias, mas em reconhecimento nas premiações. 

O filme sobre o Queen descolou duas indicações ao Globo de Ouro, que acontecerá neste domingo: melhor filme e ator. Mas ao contrário do que houve com cinebiografias anteriores (caso de “Ray” e “Johnny & June”), a disputa será em categorias dramáticas, e não de comédia ou musical.

É um sinal de que talvez haja um apreço maior a esse tipo de produção, já que, historicamente, filmes de drama sempre tiveram mais prestígio do que os cômicos ou musicais. “Nasce uma Estrela”, que não é cinebiografia, mas é igualmente carregada de cenas de shows, também disputa em categorias dramáticas.

Há um interesse renovado em obras musicais no geral. “Bohemian Rhapsody” é o 13º filme mais visto do ano, “Nasce uma Estrela” está na posição 11. Isso tem a ver, provavelmente, com o fato de serem filmes-evento, que se apoiam nas canções como chamariz aos cinemas numa era de luta inglória contra o streaming. 

Acontece que nem a Fox acreditava que o êxito do filme sobre o Queen seria tão grande. O estúdio se apressou em lançar uma versão em estilo karaokê do longa, aproveitando-se dos relatos de que o público estava cantando durante os números musicais.

O sucesso despertou um filão. Já neste ano chegará “The Dirt”, longa sobre a banda de heavy metal Mötley Crüe. 

E em 2020, a expectativa é que ganhe as telas uma cinebiografia sobre Amy Winehouse, capitaneada pelo pai da cantora. Ainda há dúvidas sobre o quanto ele permitirá mostrar os hábitos narcóticos de sua filha, morta aos 27. 

 

Biografias de músicos que vêm por aí

Mötley Crüe
O rapper Machine Gun Kelly e o ator Iwan Rheon, de ‘Game of Thrones’ se juntam para viver integrantes da banda de heavy metal que despontou nos anos 1980.Dirigido por Jeff Tremaine, de ‘Jackass’, o filme ‘The Dirt’ será lançado nos Estados Unidos em março

Amy Winehouse
A família da cantora inglesa, morta em 2011, está por trás desse projeto ainda sem título e que começará a ser filmado neste ano. Mitch Winehouse, pai de Amy, negou rumores de que Lady Gaga estava cotada para viver o papel principal e disse que buscam uma atriz londrina para o papel

Janis Joplin
Michelle Williams está confirmada no papel da cantora texana no longa que abordará o auge de sua carreira, em meio à cena hippie da Califórnia. A obra, que terá Sean Durkin na direção, ainda não tem data prevista de estreia

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.