Descrição de chapéu Artes Cênicas

Grupo organiza aliança de trupes nordestinas para resistir a ataque à cultura

Companhia de João Pessoa encena 'Desertores', de Brecht, em meio a mobilização contra política cultural de Bolsonaro

Estreia do espetáculo 'Desertores', em João Pessoa

Estreia do espetáculo 'Desertores', em João Pessoa Divulgação

João Pessoa

A Casa Amarela, o pequeno teatro do grupo Alfenim, fica no centro histórico da capital paraibana.

“Encravado num beco da cracolândia”, como descreve o ator Adriano Cabral, que interpreta Johann Fatzer, o protagonista de “Desertores - Um Experimento”. A caminho da estreia, há duas semanas, o motorista do Uber relutou antes de entrar lentamente por aquela rua.

É o primeiro Brecht do diretor Márcio Marciano com o grupo que criou há quase 12 anos em João Pessoa, ao lado da atriz Paula Coelho.

Nascido no bairro paulistano da Mooca, ele foi um dos fundadores da Cia. do Latão e codirigiu as montagens brechtianas que estabeleceram a companhia de São Paulo, “Ensaio sobre o Latão” e “Santa Joana dos Matadouros”. Viajou com ambas para João Pessoa e diz que saiu pensando que um dia iria morar na cidade.

Logo que se mudou, ajudou a organizar um movimento no teatro nordestino, A Lapada. Reunia alguns dos coletivos mais significativos da região, como Piollin e Ser Tão Teatro, também de João Pessoa, Bagaceira, de Fortaleza, Clowns de Shakespeare, de Natal, e Angu, do Recife.

Sob impacto da política cultural de Jair Bolsonaro e do colega diretor Roberto Alvim, o Alfenim de Marciano e outras companhias voltaram a se mobilizar, agora para um encontro no Theatro José de Alencar, em Fortaleza.

Será no próximo fim de semana, e na pauta está, entre outras propostas, organizar um ato público simultâneo em todas as capitais e noutras cidades nordestinas. “Os nove estados já confirmaram presença”, diz Marciano.

O encontro é de certa maneira preparatório para uma reunião maior, nacional, que vem sendo articulada para 7 e 8 de dezembro em Brasília.

O diretor lembrou as mobilizações depois de uma pergunta sobre o poder do teatro hoje, três décadas depois da manifestação que, convocada por três grupos da Alemanha Oriental, inclusive o Berliner Ensemble, reuniu meio milhão de pessoas e deu o pontapé para derrubar o Muro de Berlim.

Marciano e o elenco não se mostram tão esperançosos. “O que é o teatro perto de um minuto de televisão? Perto dos WhatsApps da vida, das fake news?”, comenta Paula Coelho, a cofundadora do grupo paraibano.

Mas o diretor lembra a fala de uma personagem de outro espetáculo que eles fizeram, “uma sobrevivente que diz ‘é preciso agir sem esperança’”.

A nova encenação, cujo nome, “Desertores”, foi dado pela própria companhia, parte do chamado “Fragmento Fatzer” ou, como também é tratado, “O Declínio do Egoísta Johann Fatzer”. É uma coleção de escritos concentrados no final dos anos 1920, mas que teria sido mantida em aberto por Brecht por décadas.

Os atores contam uma história ou anedota que ouviram de José Antonio Pasta Júnior, professor da Universidade de São Paulo e autor de “Trabalho de Brecht”, lançado pela editora Ática, em 1987, que chamaram para o processo de criação do espetáculo.

Quando o autor alemão esteve em Paris com o Berliner Ensemble, em turnê histórica nos anos 1950, ele teria visto a montagem original de “Esperando Godot”, de Samuel Beckett, e comentado à saída “eu escrevi essa peça há 20 anos”. Ele se referia a “Fatzer”.

Para começar, diz Marciano, “o tema é o mesmo: a espera”. Em vez de dois mendigos, são quatro desertores que, na descrição de Paula Coelho, estão “num estado de suspensão do tempo, suspensão das transformações”.

Fugiram da guerra, esperam uma revolução, mas são incapazes de agir, como acontece hoje, acrescentam, no Brasil sem protestos, sem passeatas.

Nas indicações dos fragmentos brechtianos, seguidas no cenário na Casa Amarela, há até uma pequena árvore como em “Godot”, sem folhas. “É incrível”, diz o diretor. Em geral, o teatro de Beckett é visto como o oposto ou a recusa de Brecht, na dramaturgia do século 20.

A ideia original do Alfenim não era montar Brecht, mas seguir no aprofundamento do estudo de seu teatro épico. E então partir daí para escrever uma nova peça, sobre a história do Brasil.

Como “Fatzer” aborda o militarismo, pensaram inicialmente em abordar o período da Coluna Prestes, mas nas improvisações ficou evidente que era desnecessário um texto inédito, segundo Marciano, porque “estava pronto, falando de hoje”.

Como se viu na estreia, questões aparentemente inusitadas para Brecht e a Alemanha de um século atrás, como o papel da mulher, vêm do original. No caso, um fragmento tratado por Brecht como “Peça de Sexo-Fatzer”.

Na visão de Paula Coelho, “tem muita coisa que desde Brecht não está resolvida e, enquanto a gente não conseguir resolver, ele vai ser atual”.

Segundo Marciano, como o Brasil hoje, depois de três décadas de democracia, “parece um castelo de cartas caindo, a gente encontra em Brecht, que estava falando da Primeira Guerra Mundial, um diálogo com as contradições que se está vivendo aqui”. “É um clássico”, ele justifica.

O ator e também diretor paraibano Luiz Carlos Vasconcelos, do grupo Piollin e da recém-encerrada novela “A Dona do Pedaço”, acompanhou a estreia e, questionado, elogiou a “continuidade na atuação engajada” do Alfenim.

“Neste tempo sombrio de ascensão de atitudes fascistas no Brasil, montar Brecht é atitude necessária, refletindo sobre o egoísmo e sobre esses ‘tempos despidos de toda moral’”, acrescentou, citando um verso de Brecht para “Fatzer”.

De maneira geral, listando Ariano Suassuna, Luiz Mendonça e Paulo Pontes, “só para citar alguns”, Vasconcelos afirmou que “o teatro nordestino sempre foi foco de resistência a momentos como este que estamos vivendo, não se calou nem se calará”.

trecho

Em Mülheim, na Velha Alemanha/
No tempo da primeira Grande Guerra/
Contava-se a história de quatro homens/
Que acabaram em total declínio.

Em meio a assassinatos/
Perjúrio e depravação/
Mostravam os rastros sangrentos/
De um tempo despido de toda moral.

No terceiro ano da Grande Guerra/
Na cruenta batalha de Verdun/
Quatro homens sumiram de um tanque/
E foram tidos como mortos.

Os clandestinos lutaram/
Para conseguir comida/
Sobretudo por serem quatro/
Mesmo assim, decidiram nunca se separar.

Bertolt Brecht

O jornalista viajou a convite do Rumos Itaú Cultural, que contemplou o projeto do grupo Alfenim.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.