Descrição de chapéu

Boicotes virtuais se descolam de atos concretos e alimentam a intolerância

Fruto do MeToo, cultura do cancelamento afeta de maneiras diferentes famosos e superfamosos

Se a geração millennial atualizasse Carlos Drummond de Andrade, seu famoso poema provavelmente se transformaria em “João cancelava Teresa, que cancelava Raimundo, que cancelava Maria, que cancelava Joaquim, que cancelava Lili, que não tinha Twitter nem Instagram e, por isso, não cancelava ninguém”.

Pode parecer estranho, mas a palavra “cancelar”, em geral associada a compromissos ou serviços, passou a ser usada na internet também para pessoas. Com isso, qualquer um pode ser cancelado —e, dessa forma, sofrer um boicote depois de ser condenado pelo tribunal das redes sociais. O motivo? Qualquer coisa que seja considerada uma pisada na bola.

Pessoas com artifícios de fumaça vermelha em protesto
Manifestantes protestam contra o diretor polonês Roman Polanski em frente ao cinema Le Champo, em Paris - AFP

O fenômeno tem sido tão comum que alguns acreditam que estejamos vivendo uma chamada cultura do cancelamento, conceito eleito pelo dicionário australiano Macquarie como o termo de 2019.

No Brasil, nomes como Fernanda Gentil, Paulo Gustavo, Anitta, Carlinhos Maia, MC Gui e Silvio Santos já foram cancelados. Lá fora, Ellen Degeneres, Miley Cyrus, Taylor Swift e Kanye West também já passaram por esse aperto.

E aí está a primeira característica do cancelamento —geralmente os alvos são pessoas públicas. Primeiro porque seus atos são notados e reverberam mais. Segundo porque estão vinculadas a atividades e produtos que podem parar de ser consumidos. Terceiro porque eles têm fãs —ou seja, uma massa sedenta por gerar um efeito manada com um clique.

E aí vem a segunda característica —a cultura do cancelamento só existe dentro de um comportamento de grupo, como atitude deliberada que começa em certa comunidade e, a partir de então, pode se expandir, ainda que, por vezes, não consiga sair da grita da internet.

A apresentadora Fernanda Gentil, por exemplo, foi cancelada pelo mundo LGBT porque deu a entender, em entrevista à coluna de Mônica Bergamo, neste jornal, em outubro, que preconceituosos deveriam ser respeitados.

Esse mesmo grupo cancelou, neste mês de dezembro, a escritora J. K. Rowling, autora da saga do bruxo Harry Potter, por ela ter usado uma hashtag de apoio a uma pessoa acusada de transfobia. Maya Forstater foi demitida depois de fazer postagens em suas redes sociais nas quais dizia que mulheres trans não podem mudar seu sexo biológico.

Silvio Santos foi cancelado diversas vezes neste ano por feministas e integrantes do movimento negro por causa de declarações preconceituosas feitas ao vivo no SBT.

Já o ginasta Diego Hypolito, meses após se assumir gay e logo depois de estrelar uma campanha publicitária de uma marca de  lubrificante íntimo, foi cancelado por pessoas ligadas à esquerda e pela comunidade LGBT por ter aparecido em uma fotografia ao lado de Jair Bolsonaro.

Depois das reações, a imagem do atleta deixou de aparecer na peça comercial. A empresa, porém, declarou em nota oficial que Hypolito continuaria na campanha.

Esse tipo de boicote existe desde que o mundo é mundo —os gregos inventaram o ostracismo, Stálin “apagava” (e matava) todo e qualquer desafeto que pudesse lhe fazer sombra. Mas o cancelamento tal e qual é praticado hoje começou há dois anos, com o movimento feminista MeToo.

Popularizado na forma de uma hashtag nas redes sociais com denúncias de assédio sexual na indústria cinematográfica de Hollywood, sobretudo com casos envolvendo o poderoso produtor Harvey Weinstein, o MeToo logo se tornou uma maneira de divulgar abusos sofridos por mulheres no mundo todo.

E cada homem público relacionado a um caso desses virava alvo de um boicote a seu trabalho —ou seja, ele passava a ser cancelado.

A prática então floresceu e se perpetuou entre grupos mais progressistas e ligados à pauta identitária, que levantam bandeiras contra homofobia, racismo e machismo.

Mas, como tudo o que se alastra sem controle na praça pública da internet, o cancelamento também foi aumentando as suas fronteiras e passou a respingar em opiniões e preferências. Com isso, não se cancela só quem se envolve em alguma polêmica. Também são canceladas pessoas das quais se discorda.

É o caso de Diego Hypolito e sua foto com Bolsonaro. Ou de Ellen Degeneres, cancelada por aparecer ao lado do ex-presidente americano George W. Bush (e, depois, descancelada pelos corações amolecidos que lembraram que ela sofreu ameaças de morte ao se declarar lésbica). Ou de Taylor Swift, cancelada por brigar com o rapper Kanye West.

O presidente Jair Bolsonaro posta foto com o ginasta Diego Hypólito, após encontro entre os dois
O presidente Jair Bolsonaro posta foto com o ginasta Diego Hypólito, após encontro entre os dois - Divulgação/Twitter @jairbolsonaro

Com o tempo, a cultura do cancelamento chegou a 2019 deixando de ser uma punição contra um ato concreto para se alimentar da intolerância e da não abertura ao contraditório. E, mesmo quando ganha os contornos de um castigo, corre o risco de se tornar um escracho público injusto, já que raramente abre espaço para a defesa do cancelado.

Mas, no fim, não costuma passar de um escracho, um “trending topic”, um zum-zum-zum online. Mesmo que o cancelamento de alguém se alastre por diferentes países, ele dificilmente evolui para um processo judicial ou para perdas materiais, por exemplo, e termina em nada mais do que perseguição, ameaças orquestradas, coleções de palavras mal educadas.

É claro que o escracho afeta diferentemente os mais e os menos famosos. Para aqueles que têm menos fãs e menos fama para armar uma defesa, fica mais difícil superar as perseguições, e a gritaria, ainda que não saia das redes, pode afetar sua imagem para sempre.

Não consta, pelo menos, que Anitta tenha perdido shows ou patrocínios depois de ter sido cancelada por não se posicionar na campanha eleitoral de 2018 —com um grande número de fãs LGBT, ela foi questionada depois de virem à tona declarações homofóbicas de Bolsonaro.

Os shows de Taylor Swift e Kanye West continuam lotados. Mesmo o último filme de Roman Polanski, diretor cancelado por várias acusações de estupro —além da que o mantém como foragido dos Estados Unidos desde 1978—, liderou bilheterias na França.

Polanski talvez tenha tido sorte. Em geral, quem sofre alguma consequência prática do cancelamento enfrenta acusações graves. Kevin Spacey, depois de ser ligado a escândalos sexuais, viu seu papel na série da Netflix “House of Cards” ser cancelado (de verdade) e seu rosto ser apagado digitalmente do filme “Todo o Dinheiro do Mundo”.

O MC Gui, que zombou de uma criança na Disney e a expôs em suas redes sociais, teve shows suspensos. Woody Allen, sobre quem voltaram à tona as acusações de abuso da filha de sua ex-mulher, teve rescindido um contrato com a Amazon que previa a produção de quatro filmes.

De qualquer forma, a disputa judicial de mais de US$ 68 milhões, ou R$ 275 milhões, envolvendo Allen e a Amazon terminou com um acordo. E Spacey vira e mexe aparece em vídeos na internet —no último deles, no Natal, desejava boas festas com uma mensagem enigmática, que pode ter a ver com o seu cancelamento. “Da próxima vez que alguém fizer algo de que não goste, você pode ir ao ataque, pode matá-lo com bondade.”

No ano que começa agora, o cancelado pode ser você.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.