Descrição de chapéu
Cinema Livros

Livro esmiúça como Hollywood colaborou com o regime nazista

Mais do que documentar funcionamento dos estúdios na Segunda Guerra, obra examina o poder da ganância

O Pacto Entre Hollywood e o Nazismo

  • Preço R$ 39,90 (502 págs.)
  • Autor Ben Urwand
  • Editora Ed. Leya
  • Tradutor Luis Reyes Gil

A palavra colaboração pode ter vários sentidos. Tanto designa, por exemplo, um trabalho conjunto em condições iguais, como a vergonhosa submissão de um país que disfarça a derrota militar propondo-se a colaborar com o vencedor: caso da França de Vichy durante a Segunda Guerra.

A colaboração entre os manda-chuvas de Hollywood e o governo nazista entre 1933 e a entrada dos EUA na Segunda Guerra não é tão mais coberta de honra que a de Vichy. Pelo contrário, a julgar pela documentação que o pesquisador Ben Urwand reuniu e interpretou em “O Pacto entre Hollywood e o Nazismo”, publicado aqui pela editora Leya.

A palavra “colaboração”, inscrita no título original, desapareceu na edição brasileira e deu lugar ao eloqüente subtítulo “como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler”.

O que vem no miolo não contradiz a afirmação. Apenas esclarece que a censura alemã aos filmes americanos começa alguns anos antes, mais precisamente em 1930, com a reação ao que os alemães viam como antigermanismo de certas produções, como “Nada de Novo no Front” e “Anjos do Inferno”. Se até ali o sentimento nacional prevalecia, as milícias nazistas já agiam de forma tradicional e ainda atual, promovendo tumultos nos cinemas que exibiam esses filmes.

Com a ascensão do nazismo ao poder, os métodos mudam, mas Hollywood, não. A Alemanha é o país de onde vêm as melhores receitas para seus filmes, tirando os EUA. E, com a notável exceção de Carl Laemmle, dono da Universal, e em parte da Warner, Hollywood inicia um período de estreita colaboração com o novo regime.

Ressalte-se: com raras exceções, os magnatas de Hollywood eram judeus e sabiam perfeitamente que o nazismo tinha os judeus na conta de inimigos do regime (junto com ciganos e, claro, comunistas).

Fred Zinnemann, para não ir longe, deixou a Alemanha assim que os nazistas se instalaram no poder. Laemmle não só tirou seus familiares do país de imediato como financiou a fuga de centenas de judeus para os EUA. É o único gesto de altivez hollywoodiano em meio a um quadro deplorável.

Os nazistas, a começar por Hitler, gostavam do cinema americano. Queriam mesmo imitá-los.

Necessitavam desses filmes para entreter suas plateias. No entanto, é nesse momento que ganha relevo a figura de Georg Gysling, cônsul alemão em Los Angeles e encarregado de vetar roteiros, atores, personagens e diretores judeus, além de negociar cortes com os produtores e com a própria censura americana.

As tentativas de fazer filmes antinazistas foram abortadas, todas, até o início da guerra. E Urwand nota que, durante esse período, não existe sombra de personagem judeu no cinema americano. Quando Chaplin se dispôs a fazer “O Grande Ditador”, relatórios constantes eram enviados ao governo alemão pelo seu cônsul. E mesmo ele pensou em engavetar sua demolidora sátira do hitlerismo.

Em 1939, apenas a Warner lançou seu “Confissões de um Espião Nazista”, apesar da oposição de outros estúdios (mas com a aprovação pessoal do presidente Roosevelt  —ah, a velha ladainha de que o cinema americano independe de ação estatal...). Nesse meio tempo, Fox, Metro, Paramount continuavam a colaborar com a Alemanha nazista, de onde United, Warner e Universal estavam banidas.

Homem de chapéu e casaco diante de uma bandeira nazista
Francis Lederer em imagem de divulgação do filme 'Confissões de um Espião Nazista' (1939) - Divulgação

Para não ir longe, quando Lubitsch lançou “Ser ou Não Ser”, comédia vigorosamente antinazista, com distribuição da United Artists, enfrentou críticas ferozes nos próprios EUA (outra lenda: a de que estúdios não influenciam a crítica nos EUA). Foi com o tempo que o filme se tornou um clássico.

Voz praticamente isolada em tudo isso, o roteirista Ben Hecht bateu-se como pôde desde 1939 para que fossem divulgadas as atrocidades nazistas contra os judeus.

A partir de notícias na imprensa da época, já sabia da morte de 2 milhões de judeus sob o nazismo em 1942. O Holocausto em plena marcha continuava a passar em branco para embaixadores (como Joseph Kennedy), para o Departamento de Estado e até para a maior dos grandes estúdios de cinema americanos, a poderosa MGM de Louis B. Mayer, cujo célebre leão miava bem baixinho diante das atrocidades hitleristas.

Ben Urwand produziu um livro fartamente documentado não apenas sobre o funcionamento dos estúdios de cinema como, sobretudo, a forma como a ganância afeta o juízo de homens em outras circunstâncias notáveis, mas capazes de se desinteressar, por dinheiro, da sorte de milhões de seres humanos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.