Descrição de chapéu The New York Times

Biden revoga imposição de Trump por arquitetura clássica e não moderna

Arquitetos importantes haviam criticado a medida por buscar imposição de um estilo oficial ao país

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Zachary Small
The New York Times

Seria possível dizer que mais uma era clássica chegou ao fim —uma era muito curta.

Uma ordem executiva assinada pelo ex-presidente Donald Trump nos dias finais de seu governo, que buscava transformar a arquitetura clássica em estilo oficial de novas edificações federais, foi revogada nesta semana pelo presidente Joe Biden, como parte do desmonte pela Casa Branca das políticas adotadas sob o governo anterior.

Ainda que a ordem promulgada por Trump não chegasse a proibir que projetos em estilo mais moderno fossem considerados, ela foi fortemente criticada por diversos arquitetos e associações arquitetônicas importantes —como o Instituto Americano de Arquitetos e o Fundo Nacional de Preservação Histórica— por buscar impor um estilo oficial predeterminado.

O Congresso americano, em Washington - Tom Brenner - 4.dez.2020/Reuters

A ordem executiva de Trump, que ele assinou em dezembro depois de derrotado em sua tentativa de reeleição, tinha o título “promovendo uma arquitetura cívica federal bela” e elogiava a arquitetura greco-romana como “bela”, enquanto ao mesmo tempo definia projetos modernistas como “feios e incoerentes”.

Os defensores da ordem a saudaram como um retorno a uma era passada de estilo federalista. O Instituto Americano de Arquitetos, que havia se declarado “consternado” pela decisão de Trump, elogiou a decisão de revogar a medida.

O debate não girou exclusivamente em torno de estética.

“Ao revogar a ordem, o governo Biden restaurou a liberdade de escolha de design das comunidades, que é essencial para o projeto de edificações federais que sirvam melhor ao público”, afirmou Peter Exley, presidente do instituto, em comunicado. “Isso é fundamental para o processo de trabalho de um arquiteto e para obter edifícios da melhor qualidade possível."

Michael Kimmelman, crítico de arquitetura do The New York Times, havia condenado a medida quando ela foi debatida, em fevereiro do ano passado. “Ter de participar dessa discussão é degradante”, ele escreveu.

A ordem executiva do presidente Biden, assinada na quarta-feira, instrui as autoridades a “considerar prontamente medidas para rescindir quaisquer ordens, regras, regulamentos, diretrizes ou políticas, ou porções deles”, que possam ter implementado a ordem de Trump.

A ordem também determina a abolição de quaisquer “posições de trabalho, comitês, grupos de estudo ou outras entidades estabelecidas” para pôr a ordem em prática.

Não está claro que impacto mais amplo a revogação pode ter sobre o relacionamento entre o novo governo e os integrantes indicados por Trump que restam na Comissão de Belas Artes dos Estados Unidos.

Justin Shubow, indicado por Trump e eleito recentemente para a presidência da comissão, disse que era “decepcionante” ver revogada a ordem do ex-presidente, porque ele havia defendido sua adoção.

Como um dos maiores críticos da arquitetura moderna e presidente da Sociedade Nacional de Arte Cívica, Shubow desempenhou papel chave em levar a questão à atenção de Trump. Em seu site, a organização lastima estilos modernistas como o brutalismo e os define como “bolharquitetura” e “parasíticos”.

Shubow declarou em entrevista que a sociedade “pretende trabalhar com o governo Biden a fim de promover mudanças que construam uma arquitetura verdadeiramente democrática”.

Ao se opor à ordem proposta, no ano passado, o Fundo Nacional de Preservação Histórica divulgou um comunicado no qual afirmava que, embora apreciasse os edifícios tradicionais e clássicos, qualquer tentativa de “sufocar o registro pleno da arquitetura americana ao requerer que edificações sejam projetadas, ou mesmo alteradas, de forma a seguir uma lista estreita de estilos é incoerente com os valores da preservação histórica”.

Tradução de Paulo Migliacci

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.