Descrição de chapéu
Cinema

Judy Garland centenária alcançou o arco-íris mesmo com vida trágica

Atriz de 'O Mágico de Oz' sofreu abusos nos bastidores, mas se tornou ícone gay e grande diva de Hollywood

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

0

A atriz Judy Garland Photo12/AFP

Em determinada cena de "Nasce uma Estrela", de 1954, Judy Garland cantava e dançava para explicar à plateia o árduo caminho que percorreu até ver seu rosto reluzir numa tela de cinema. A paixão foi instantânea e, de repente, sua personagem no filme virou queridinha de Hollywood. Mas, na vida real, a estrela nasceu bem antes.

Nesta sexta, 10 de junho, Garland completaria cem anos e, mesmo tendo vivido por breves 47 deles, ela continua uma das figuras que mais brilham na constelação de astros do showbiz. Como diz sua personagem em "Nasce uma Estrela", "eu não virei sensação da noite para o dia, tudo começou há muitos anos".

Judy Garland em cena do filme "Idílio em Do-Re-Mi", de 1942
Judy Garland em cena do filme 'Idílio em Do-Re-Mi', de 1942 - Divulgação

De fato, foi muito antes do papel que rendeu a ela a primeira indicação ao Oscar que Garland fixou seu rosto pueril e a voz potente no imaginário popular. Ela trabalhava nisso antes mesmo de ser tragada por um furacão, atropelar uma bruxa e conhecer uma cidade coberta por esmeraldas, como a inesquecível Dorothy de "O Mágico de Oz".

Judy Garland foi esculpida para ser uma sensação das telas desde cedo. Aos dois anos, ainda como Frances Ethel Gumm, fazia sua estreia no teatro de vaudeville ao lado das irmãs. Filha de artistas, ela passou a infância nos palcos até ser descoberta por Louis B. Mayer, cofundador da MGM e um dos nomes mais poderosos da era de ouro de Hollywood, que acelerou o desabrochar de uma garota banal das entranhas do estado de Minnesota em diva do celuloide.

Essa seria sua passagem para a fama, mas também para a danação. Enquanto fazia pequenas aparições em filmes da década de 1930, a garota de 13 anos era submetida a rotinas obscenas de exercícios e dietas, para se adequar aos padrões de beleza da indústria.

Próteses dentárias, placas no nariz e tinta nos cabelos fizeram de Garland uma bonequinha nas mãos de Mayer, que teria sido o responsável pelo vício em barbitúricos que a mataria —a atriz dizia que as crianças da MGM tomavam medicamentos pesados do despertar ao adormecer.

Garland seria uma das primeiras e mais notáveis vítimas mirins dos excessos de uma indústria que, até pouco tempo atrás, ainda não tinha encontrado uma forma saudável de lidar com suas crianças e adolescentes —o colapso de Britney Spears, o assédio sofrido por Anthony Rapp e a recusa de Mara Wilson em voltar às telas são provas disso.

Essa pressão apareceria em outra cena de "Nasce uma Estrela", filme que curiosamente encontra vários paralelos com a vida de sua protagonista. Nela, um grupo de maquiadores reclama do nariz, do queixo e de qualquer parte visível do corpo da atriz. A insegurança que isso gerou evoluiu para um comportamento autodestrutivo que acompanhou Garland ao longo da vida.

É curioso pensar que ela não foi a primeira escolha da MGM para "O Mágico de Oz". Com Shirley Temple e Deanna Durbin indisponíveis, o estúdio teve de testar sua inclinação para o protagonismo, e o resultado foi avassalador.

O filme não recuperou seu gordo orçamento no lançamento original de 1939, mas se tornou uma das mais preciosas joias do cinema mundial, criando os moldes para uma farta e bem-sucedida leva de musicais em technicolor que dominaria aqueles anos dourados. Em boa parte, graças à versatilidade de Garland.

Nos primeiros acordes de "Over the Rainbow", tema do filme e possivelmente a mais emblemática canção do cinema americano, ela hipnotizou o público não com beleza mas com um talento inegável.

Com 17 anos e 1,51 metro de altura, a americana soltou a voz e nunca mais se calou. Seu timbre desproporcionalmente marcante, mal sabia ela, encantaria todas as gerações subsequentes de cinéfilos. Com seu olhar doce e sonhador, Garland foi capaz de encapsular toda a inocência e fantasia inerentes a qualquer criança —e da qual ela própria foi precocemente privada.

O que ela faz com o espectador nesse comecinho de "O Mágico de Oz" é um dos melhores exemplos do que é a tal magia do cinema. E muita gente percebeu isso na época.

Garland venceu o extinto Oscar juvenil e emendou sucesso atrás de sucesso na década de 1940 —foram 20 longas em dez anos. Em alguns deles, deu voz a outras canções que se tornariam standards, como "The Trolley Song" e "Have Yourself a Merry Little Christmas", do musical "Agora Seremos Felizes", ou "Meet Me in St. Louis".

Trabalhou com Fred Astaire e Gene Kelly, se envolveu com os diretores Vincent Minnelli e Orson Welles, virou amiga de John Kennedy e foi se tornando uma figura indissociável da cultura americana, à medida que mergulhava no vício, na ruína financeira e na depressão, que a fez querer tirar a própria vida mais de uma vez.

Depois de gerar perdas consideráveis à MGM por causa de seus atrasos ou faltas nas filmagens, Garland foi liberada de seu contrato e, tão precoce quanto sua chegada ao estrelato, atingiu também o ostracismo, aos 28 anos.

Numa verdadeira relação tóxica com o showbiz, que ela tanto criticava, mas do qual era incapaz de se divorciar, decidiu pegar a estrada para uma série de shows e se reinventar. Garland esgotou as casas de espetáculos pelas quais passou, foi soterrada por elogios e voltou a Los Angeles.

Judy Garland e Liza Minelli em foto sem data
Judy Garland e Liza Minelli em foto sem data - Divulgação

Talvez por isso tenha se tornado, ainda em vida, um ícone gay. "Homossexuais entendem o que é sofrer, assim como Garland", publicaria a revista Esquire em 1969. "Ela é o Elvis dos homossexuais, um símbolo de liberdade emocional, uma mulher que lutou para viver e amar sem limites", diria ainda a The Advocate.

Cantando sobre um lugar além do arco-íris, de cores vibrantes que contrastam com a realidade insossa do preto e branco, ela compartilhava com o público LGBTQIA+ que lotava seus shows um sentimento de inadequação, uma resiliência de quem é vítima de uma sociedade impiedosamente patriarcal.

Ela também custou para achar o amor, que esteve presente de forma breve em seus cinco casamentos, alguns marcados por violência e mentiras. E seguia um estilo inegavelmente camp, sendo irônica e teatral mesmo fora das telas.

De quebra, deu à luz outra diva, Liza Minnelli, ajudou a batizar o maior dos discos de Elton John, "Goodbye Yellow Brick Road", foi imitada no reality show RuPaul’s Drag Race e inspirou a gíria "amigo de Dorothy", usada no mundo de língua inglesa para se referir a homens gays.

A vida de Judy Garland foi marcada por pontos altos e baixos, que se alternavam sem dar aviso prévio. Foi no período mais turbulento da carreira, aliás, que ela foi indicada a suas duas estatuetas do Oscar, por "Nasce uma Estrela" e "Julgamento em Nuremberg", se tornou a primeira mulher a vencer o Grammy de álbum do ano, com "Judy at Carnegie Hall", e foi indicada ao Emmy.

Eleita pelo American Film Institute a oitava maior estrela da história de Hollywood, Garland sobreviveu ao teste do tempo desbancando aquelas mesmas atrizes belas e altas que a deixaram insegura durante toda a vida. Alcançou status de diva como poucas foram capazes, em parte por sua figura trágica —ideia que detestava—, mas especialmente por sua complexidade.

Judy Garland morreu aos 47 anos, em junho de 1969, após uma overdose acidental daqueles mesmos barbitúricos. Viveu intensa e apaixonadamente e fez muito, e muito bem, para cinema, teatro, música e TV. Um século depois, a menina de vestido azul e sapatinhos de rubi, quem diria, brilha mais do que o arco-íris que queria alcançar.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.