Em nova tradução, Púchkin narra desencontros amorosos em versos

Ateliê Editorial lança nova versão da obra-prima do russo em março

Alexander Púchkin

[SOBRE O TEXTO] O trecho nesta página é parte do romance em versos “Eugênio Onêguin”, obra-prima de Púchkin a respeito da vida tediosa e dos desencontros amorosos do personagem-título. A Ateliê Editorial lança a nova tradução da obra em março.

ilustração em azul, preto e rosa
Ilustração - Irena Freitas

14

— Mas não fui feito pra alegria;
O meu espírito é avesso;
Sua perfeição é sem valia;
De modo algum eu a mereço.
Creia (a consciência é que diz isso),
Bodas seriam um suplício.
Eu, mesmo tendo amor de fato,
Se afeito, iria esfriar no ato;
Você, chorar; suas copiosas
Lágrimas, sem me comover,
Iriam só me enfurecer.
Pondere, pois, sobre que rosas
Himeneu a nós dois apronta,
E —vai saber— pra dias sem conta.
 
15

— O que no mundo é pior de fato
Que um lar com a pobre da mulher
Aflita com o marido ingrato
E dias e noites sem o ver?
Onde anda amuado, a vendo linda
(Mas maldizendo a sorte ainda),
De cara feia, sem um pio,
Zangado e com um ciúme frio?
Sou desse jeito. E é isso enfim
O que buscava, pura e ardente,
Tão despojada e inteligente,
No instante em que escreveu pra mim?
Quinhão igual pode ser seu
Por obra de um destino cruel? 


Alexander Púchkin, escritor russo (1799-1837), é considerado o precursor da fase de ouro da literatura de seu país no século 19.

Tradução de Alípio Correia de Franca Neto, poeta com pós-doutorado em teoria da tradução pela USP; e Elena Vássina, doutora em história e teoria da arte e professora da literatura e cultura russa na USP.

Ilustração de Irena Freitas, ilustradora formada em design e jornalismo pela Ufam (Universidade Federal do Amazonas)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.