Descrição de chapéu Folha Mulher

Futuro do feminismo depende de reinvenção de masculinidade, afirma autora

Para a francesa Olivia Gazalé, homem contemporâneo sofre por ter caído em armadilha machista

Fernando Eichenberg

[RESUMO] Em entrevista, a ensaísta francesa Olivia Gazalé discute a construção histórica de estereótipos femininos e masculinos e defende o enfrentamento da armadilha da virilidade, que, para ela, também oprime homens.​

 

O mal-estar masculino contemporâneo não é apenas consequência das diferentes formas de emancipação feminina ou dos abalos provocados pelo movimento #MeToo. A crise do homem neste início de século tem sua principal causa na erosão do mito da virilidade.

Essa é a tese desenvolvida em mais de 400 páginas pela pensadora francesa Olivia Gazalé, 54, em “Le Mythe de la Virilité - Un Piège pour les Deux Sexes” (o mito da virilidade - uma armadilha para os dois sexos, ed. Robert Laffont, sem previsão de lançamento no Brasil). A autora mostra como a dominação masculina foi construída nos campos político, filosófico, religioso, biológico e cultural, moldando o homem a uma postura viril e relegando a mulher a uma posição de inferioridade. O futuro do feminismo depende, segundo ela, da conscientização pelo homem de sua virilidade fabricada e da reinvenção de sua masculinidade.

Crítica das feministas radicais, ela acredita que o movimento #MeToo estabeleceu uma “mutação antropológica”, fundou um novo paradigma na relação entre os sexos e impulsou a reflexão masculina sobre a cilada da virilidade. Seu otimismo em relação à emancipação dos sexos é apenas nuançado pelas “reações hipervirilistas” nestes tempos de crise.

 

 

Você aponta um tabu em torno do mito da virilidade: projetada para encarnar a excelência da espécie humana, a masculinidade permanece, na sua opinião, pouco estudada. Até hoje, nos concentramos na perpetuação dos estereótipos sexuais femininos, e ao longo da minha pesquisa compreendi que se tratava também dos masculinos. Eles foram construídos em espelho, de forma simultânea. No século 17, as mulheres começaram a contestar a ideia do “eterno feminino” e todas as atribuições sexuais decorrentes dela. Já os homens sempre consideraram que seu status era natural. A questão da construção do estereótipo masculino não é pensada. Quantas vezes se diz: “Mas para o homem é normal, é a testosterona, os hormônios, o apetite sexual está inscrito na natureza” etc.? Quis compreender como essas duas figuras se construíram, com essa ideia de hierarquização desde o início.​

De que forma se manifesta, hoje, a crise da virilidade? O tema da crise da virilidade é tão antigo como a própria virilidade. A virilidade não é a masculinidade, mas um ideal normativo que se impôs a todos os homens. E que tentou uniformizar as masculinidades, ou seja, as diferentes formas com que os homens habitam o sexo masculino. Não é algo natural, mas um ideal de dominação pela força, pela demonstração de poder, pelo espírito de conquista, de competição e, sobretudo, pelo desprezo das emoções, do medo. Começando pelo medo de morrer. Formar soldados é fabricar pessoas que não têm medo da morte e que, inclusive, a desejam.

A virilidade é algo construído e também frágil, constantemente ameaçado. É um modelo que exclui todos os homens que não têm os atributos viris. A começar pelos homossexuais e os homens afeminados, mas também, historicamente, os estrangeiros. São recorrentes essas crises. Na Grécia Antiga, Aristófanes já dizia que os homens haviam se tornado mais afeminados, sem coragem. Houve uma crise da virilidade no momento da aparição do “honnête homme”, no século 17, o "homem honesto", civilizado, cortês, com espírito de fineza. Na Revolução Francesa, os rebeldes diziam que os cortesãos de Luís 16, com perucas e roupas rendadas, não eram homens. Não é algo novo.

Qual a especificidade da crise atual? Ela é mais profunda e mais durável. Há um movimento histórico por trás dela. Não há dúvida de que a emancipação feminina tem sua influência, principalmente em tudo relacionado à família. O “pater familias”, o poder do pai, não existe mais; hoje se fala em autoridade paternal compartilhada. Há o fato também de que a mulher controla a procriação, a contracepção está em suas mãos. No quadro da família e das relações sexuais, é evidente que a emancipação feminina abalou o lugar do homem e foi um progresso para a sociedade, com pontos positivos para o próprio homem. Mas a principal questão da crise da masculinidade atual está ligada a uma profunda transformação socioeconômica de mais de um século. O século 19 foi o do triunfo da virilidade, do heroísmo, da coragem. O século 20 foi o crepúsculo dessas certezas. Começou pelo colapso do mito guerreiro, que se seguiu às guerras coloniais.

No século 19, a sociedade europeia vivia no ritmo da guerra, na figura heroica do soldado que avança em pé no campo de batalha, enfrentando os tiros. Mas, na Primeira Guerra (1914-1918), o soldado tem medo, fome, frio.

E ocorreram também transformações no mundo do trabalho. No século 19, havia a imagem do proletário orgulhoso de sua ferramenta, da valorização do labor pela força e pelos músculos. Os dois totalitarismos, o comunismo da União Soviética e o nazismo da Alemanha, têm em comum esse culto do músculo. Vieram a burocratização das economias, a terceirização das profissões, a precariedade e o desemprego de massa. A imagem da força viril se depreciou muito. As profissões valorizadas hoje são aquelas em que se está sentado em uma poltrona, nas quais as mulheres são tão eficientes quanto os homens. A força se depreciou. E isso não é consequência das mulheres, mas de uma importante evolução social.

Por outro lado, a violência continua a ser valorizada. É algo ambíguo e paradoxal. Viver da força perdeu valor, mas as condutas viris, a luta, os combates esportivos, não. Mas mesmo isso está mudando, porque as mulheres também praticam esportes extremos. Tudo que era atributo exclusivo do sexo masculino agora deve ser partilhado.

De costas, de terno, robô humanoide Han é apresentado em conferência de tecnologia em Hong Kong
O robô humanoide Han é apresentado em conferência de tecnologia em Hong Kong - 12.jul.17/AFP

Você acusa um feminismo mais radical de não se interessar pelo homem, visto apenas como inimigo. Um certo feminismo, justificadamente, viu o homem como predador, culpado pela dominação. Mas esqueceu que os homens não são uma categoria homogênea. Nem todos os homens são maus, canalhas, e nem todas as mulheres são vítimas. Seria simples demais. O feminismo que mais faz barulho é o vitimário. E os raros homens que se exprimem sobre o tema são também vitimários. Na maioria dos casos são pessoas de extrema direita. Por trás disso, há um discurso bastante retrógrado, em torno da família tradicional, da mulher do lar, que cuida dos filhos etc. E há esta ideia de que a mulher é a culpada. Mas, se todo mundo é culpado, todo mundo é inocente. É preciso sair disso, acabar com esta guerra de sexos.

Os movimentos #MeToo e #BalanceTonPorc (“exponha seu porco”, mobilização francesa) tiveram um lado muito positivo, porque foi o fim da negação das violências cometidas contra as mulheres e da cultura do silêncio. Ao mesmo tempo, contribuíram para caricaturar a masculinidade como predação sexual. Todos são porcos. Isso me incomodou. Compreendi que havia uma ideologia dos sexos, global, que prefiro chamar de “viriarcal” em vez de “patriarcal”, que oprimiu os dois sexos. É uma ideologia da dominação do homem sobre a mulher, mas também do homem sobre o homem.

Por que você usa sistema “viriarcal” e não "patriarcal"? Na realidade, são os dois, mas prefiro o termo “viriarcal”. No sânscrito, “vir” significa “herói”. Define o homem como detentor do poder, seja pai ou não. A paternidade é um marco viril determinante, mas o patriarcado é apenas uma parte do “viriarcado”.

E por que o termo “masculismo”? Para mim, “masculismo” é similiar ao feminismo, ou seja, a luta contra os preconceitos sexistas masculinos. Não gosto desta ideia de que todos os homens são maus. Houve vários que lutaram e defenderam os direitos das mulheres —como Condorcet (1743-1794) e Diderot (1713-1784), para citar dois nomes do Iluminismo. O masculismo é um convite para que os homens a se apropriem dessas questões e a compreendam que os dois sexos são prisioneiros de preconceitos sexistas. Há uma frase do sociólogo Pierre Bourdieu (1930-2002) que diz que “a virilidade é ao mesmo tempo um privilégio e uma armadilha”. O problema é que, por muito tempo, os homens não enxergaram a armadilha.

A homofobia me parece uma violência insuportável. O feminino é desvalorizado, a afeminação incomoda e é julgada degradante. Há uma confusão entre sexualidade e afeminação: há homens afeminados que são heterossexuais e homossexuais que são muito viris.

A França —e a Europa em geral— é ainda um país muito homofóbico. Historicamente, a escravidão também é uma violência de homem a homem, com uns ontologicamente superiores a outros. Isso foi teorizado por Aristóteles, grande pensador do Ocidente, mas também bastante influente nos mundos árabe e persa. Se o cidadão desejar ter atividades nobres, como a guerra, a meditação filosófica e a política, é preciso que seres ontologicamente inferiores se coloquem a seu serviço, ou seja, as mulheres e os escravos. Essa é uma ideia que traçou seu caminho e que ainda está no espírito do racista, do antissemita, do xenófobo, do colonialista.

Temos os monoteísmos masculinos, com a ideia de um Deus masculino todo-poderoso e dominador que coloca a mulher a seu serviço. O Direito também vai internalizar essa inferioridade feminina nos textos da lei, com direitos diferentes. A medicina e a biologia idem, desde seus primórdios vão considerar que a excelência humana é o “vir”. A mulher é uma versão degenerada. Aristóteles, um dos primeiros anatomistas e um grande biologista, diz que um bebê do sexo feminino é uma anomalia da gestação.

Ainda temos sociedades em que se lamenta o nascimento de uma menina. A filosofia teve um papel central, modelando a palavra feminina. Quando se fala da mulher-objeto, não é apenas como objeto de desejo, mas também de pensamento. A mulher nunca é um sujeito de seu desejo e de sua definição. Quando era estudante de filosofia, sentia o fato de ser uma mulher como um detalhe. Havia cursos inteiros sobre o desejo, mas unicamente sobre o desejo masculino, de Epicuro etc. E achava isso normal. Acabava aceitando a ideia de que a feminilidade era algo marginal, secundário.

As mulheres podiam refletir, mas não pensar, o que não é a mesma coisa. Pensar o mundo, conceitualizar.  Como estudante [de filosofia], devia quase esquecer que era mulher, porque não era uma postura filosófica. Isso me perturbou muito. Era jovem, todos meus professores eram homens, era algo que não podia questionar. À parte Simone de Beauvoir, as mulheres filósofas, como Hannah Arendt, falaram pouco dessa questão, porque não era uma questão verdadeiramente filosófica, mas algo considerado menor.

Essas ideias todas puderam atravessar os séculos porque dispunham de um sólido bloco de sustentação: o direito, a medicina, a biologia, a filosofia, a mitologia, as religiões. Por isso o trabalho de desconstrução é muito complicado, porque não se trata de destruir, mas de enxergar como tudo foi construído.

Na sua opinião, muitas mulheres interiorizaram os preconceitos sexistas, o que revelaria a força dessa construção da virilidade. As críticas mais violentas que tive do meu livro vieram de mulheres. As feministas radicais não suportam que se fale do homem enquanto vítima. No outro extremo, havia as ultraconservadoras que pensam que perturbar a polaridade tradicional dos papéis sexuais e destronar a virilidade é fragilizar a família e a ordem simbólica da sociedade. E havia uma terceira categoria, a de mulheres me acusando de desmasculinizar os homens e dizendo que Olivia Gazalé precisava mesmo era fazer sexo de quatro de forma rude. Certamente, elas não leram o livro. Não me interessou ter uma posição ideológica, mas questionar, interrogar. Não podemos viver num universo completamente asséptico, em que homens e mulheres andam de mãos dadas e tudo está resolvido. A realidade é mais complexa do que isso.

Para você, o futuro do feminismo depende do “masculismo”. Poderia explicar? Apesar do fato de o feminismo ter vencido há décadas a batalha ideológica na maioria das grandes democracias ocidentais, há ainda um longo caminho a percorrer. Esse caminho, o futuro do feminismo, não está apenas nas mãos das mulheres. Já vimos os limites disso. O feminismo havia se tornado quase um palavrão antes do #MeToo. Felizmente, o espectro se ampliou, e os homens, aderindo ao combate, têm a oportunidade de provar que a luta é pela emancipação em seu conjunto. O problema é um só: o sexismo.

Você diz que vivemos, hoje, uma importante mutação antropológica. Em que sentido? A mutação antropológica se dá no fato de que pela primeira vez a palavra das mulheres foi ouvida. Saímos da culpabilização da vítima. Desde a origem da civilização, a palavra da mulher foi sistematicamente descreditada, e seu ventre foi considerado como algo que se pode apropriar livremente. Na origem, a mulher é a predadora, a demoníaca, a tentadora, e podemos remontar a Lilith, Eva, Pandora ou mesmo Helena, que provoca a Guerra de Troia. 

É uma mutação antropológica importante porque foi, enfim, o direito para as mulheres serem ouvidas sem serem acusadas, e encerrou com uma longa cultura do silêncio. Sófocles disse às mulheres: “O melhor ornamento de seu sexo é o silêncio”. E Péricles: “A maior honra para uma mulher é que não se fale dela”. A cultura do estupro está ligada também à representação do masculino, na ideia de que o homem faz a demonstração de sua força, seu poder —guerreiro, militar, financeiro—, pela potência sexual. Isso é uma verdadeira armadilha.

Para Harvey Weinstein ou Dominique Strauss-Kahn, a continuação normal da expressão do poder é a possessão do corpo das mulheres. E sempre foi assim. Todos os reis, todos os homens de poder sempre se autorizaram a tudo em questão sexual. Há uma mutação antropológica importante porque todas essas questões-tabu, que eram mal pensadas, finalmente são faladas. E a vergonha mudou de lado. A mulher agredida sexualmente, verbalmente ou fisicamente, se sente culpada. Eu tive essa experiência, como muitas mulheres, em momentos difíceis no metrô. Nunca falei em casa, porque me sentia suja. Só queria me lavar e me calar. É um reflexo. Serão necessárias ainda dezenas de anos para compreender o que há por trás desse silêncio. Todo esse ruído que fizemos foi a expressão de um longo silêncio. Há desvios, excessos, denúncias caluniosas, acusações infundadas, mas penso que isso é marginal. A imensa maioria das mulheres que falou, sofreu. E, enfim, leva-se em consideração esse sofrimento.

Os movimentos #MeToo e #BalanceTonPorc provocaram reações dos homens, mas também de mulheres, algumas denunciando exageros e reivindicando o direito de serem “importunadas”, como no manifesto publicado na França e assinado, entre outras, por Catherine Deneuve. Qual sua opinião sobre isso? Primeiro, houve um longo silêncio dos homens. E, de repente, alguns começaram a se exprimir. Alguns disseram que seria o fim da galanteio, que não se poderia mais seduzir. Eles confundem tudo. Nunca se proibiu a sedução, mas sim a violência. Não é a mesma coisa. É verdade que sedução é bastante ambivalente e que a sexualidade tem faces problemáticas. Georges Bataille mostrou que há sempre um certo coeficiente de violência e de selvageria que pode emergir. Mas isso entre relações consentidas e no quadro de um jogo erótico. Mas na violência em forma de agressão não há erotismo.

A carta assinada por Catherine Deneuve e outras signatárias dizia que as mulheres podiam gozar durante o estupro. Talvez em filmes pornôs ou na literatura. O estupro é um crime, não se pode esquecer que se faz com golpes e violência, não há nada de prazeroso para as mulheres. Fiquei um pouco incomodada, porque aqui na França há esta tradição de galantaria, que teria nascido nas cortes aristocráticas. Há uma ideia bastante romanesca e literária de que, se um cavalheiro for paciente e persistente, a fortaleza acabará por ceder, como se o amor fosse uma guerra. É a ideia de que o “não” significará, mais tarde, um “sim”, se você insistir. É a ideia de uma rendição inelutável da mulher, e que pode induzir a confusões. Não se pode esquecer que a galantaria aristocrática era reservada às mulheres da alta sociedade. No meio popular, as mulheres sempre foram maltratadas.

Era normal violar a doméstica que dormia no sótão —pelo pai, o filho, o padre, todo mundo. Acho uma pena que todo esse debate, que era indispensável e que trouxe uma palavra inédita e importante, tenha sido esvaziado por polemistas sob o pretexto de que a sedução e a paquera iriam desaparecer.

Seu ensaio é um convite para que os homens se juntem à causa feminina? Durante muito tempo, as feministas viram sua luta como um combate contra os homens. Hoje, penso que deve ser um combate com os homens. É preciso comprometê-los neste embate, mas para que isso ocorra é preciso que entendam que essa situação os oprime também. O fato é que toda essa questão passou a ser tratada diferentemente depois de #MeToo. É neste sentido que falo de uma mutação antropológica. Num primeiro momento, os homens se sentiram acusados. E veio o segundo tempo, o da reflexão: não somos todos culpados, mas há algo de errado com a virilidade e é preciso mudar. Por isso que este movimento é fundador e importante.

Para você, o feminismo é um humanismo. Em que sentido? É a emancipação do gênero humano em seu todo. É um humanismo porque os homens também têm a ganhar com isso. Não falo dos feminismos radicais, mas enquanto luta contra os preconceitos sexistas, pela igualdade etc. Se as novas gerações forem criadas por homens e mulheres pró-feministas, penso que teremos uma humanidade melhor. A homofobia é um anti-humanismo. Trata-se de uma luta de liberação contra coisas que são alienadoras e injunções mutiladoras. Um homem que interdita a expressão de sua sensibilidade, seu sofrimento, seu medo, se priva de uma grande parte de sua humanidade. O mesmo para uma mulher que se priva de seu gosto pela coragem, pelo desafio, por tudo que é identificado como masculino.

Ao mesmo tempo, você nota uma forte reconquista virilista por meio de movimentos de homens que se estimam vítimas de uma feminização da sociedade, e cita a contribuição da revolta do “angry white man” na eleição de Donald Trump, “um falocrata assumido”, nos Estados Unidos. Há também o “incel” ["celibatário involuntário", em geral integrante de grupos misóginos e de extrema direita], como aquele implicado na matança de Toronto, em 23 abril de 2018. Existem movimentos com posições quase caricaturais. A cada vez que a virilidade é ameaçada, ela reage de forma extrema, com representações e símbolos fortes, e manifestações de hipervirilidade exacerbada.

Esse jovem que investiu com sua caminhonete contra pedestres em Toronto (Alek Minassian, estudante de 25 anos) foi aclamado como um herói na internet. É uma utopia querer acabar com a estupidez. Isso é uma forma de ignorância, de preconceitos, de simplificação das coisas e de total ausência de perspectiva histórica. Quando os virilistas falam que “antes era melhor”, se referem ao século 19, quando se tinha uma sociedade inteira virilista. Mas se esquecem de todos os sobressaltos dessa construção dos sexos, que não foi linear, mas completamente errática, com avanços e recuos em diferentes sociedades.

Sou bastante otimista. Penso que essas reações hipervirilistas são minoritárias em relação à onda do progresso e da emancipação dos sexos. Mas há também fontes de inquietações. Quando alguém que se diz poderoso por “agarrar as mulheres pela buceta” é eleito presidente de uma das grandes potências mundiais, isso faz questionar. Muitas mulheres que estão nessa cultura virilista consideram Trump o arquétipo do verdadeiro homem.

O livro aborda também as artes como elemento fundador dessa virilidade. O pintor Rubens (1577-1640) falava que nos homens há um triângulo isósceles, perfeito pela igualdade de seus lados, em referência à Trindade. Ele mostra que todas as formas nas mulheres não são perfeitas. Somos saídas da costela de Adão, quase um acidente de percurso. O paradoxal na história da arte é que sempre o homem é o padrão da perfeição. Ao mesmo tempo, temos imagens da mulher idealizada, como a Vênus de Botticelli, mas que nunca são consideradas perfeitas, e sim tentadoras.

No homem, a perfeição física é o reflexo de sua perfeição moral. Isso é o que diz Rubens. Deus é viril. A deusa da fecundidade e da fertilidade foi destronada no fim do neolítico pela figura do deus homem. Antes da Antiguidade, existiram sociedades matrilineares. Não era matriarcado, o que seria um patriarcado invertido, nunca houve isso. Eram sociedades em que havia um melhor equilíbrio de poder, principalmente entre os celtas, etruscos e egípcios. Não se conhecia a função fecundadora do esperma, e a maternidade era vista como um poder sobrenatural da mulher. As divindades eram femininas. A mulher era venerada, havia sacerdotisas e mulheres profetas. Quando o homem compreendeu o mecanismo da procriação, colocou toda a origem do nascimento no esperma, líquido mágico e divino, e a mulher foi definida apenas como um receptáculo passivo. A mulher foi destronada de seu poder e surgiu um deus masculino todo-poderoso, guerreiro.


Fernando Eichenberg é jornalista em Paris e autor de “Entre Aspas: Vol. 2”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.