Descrição de chapéu Coronavírus

Marina Silva lembra epidemia que matou suas irmãs e defende isolamento

Sinos ainda dobram por nós e simbolizam, no mundo todo, recomendação de ficar em casa

Marina Silva

[RESUMO]Ex-senadora rememora epidemia de sarampo e malária que matou seus familiares no Acre durante sua adolescência e condena governantes que investem no caos e se contrapõem ao isolamento social, medida para salvar vidas na atual pandemia.

Talvez você pense que há interesses políticos ou econômicos por trás das opiniões e ideias de uma pessoa. Sim, pode ser. Mas essas ideias —e até mesmo os interesses— expressam o sentimento da pessoa diante da vida, com base em suas memórias. Por isso, antes de tudo, gostaria que considerasse o que mais uma vez compartilho: minha dolorida experiência com uma epidemia, pela qual passei aos 14 anos.

Minha família morava no seringal Bagaço, no Acre, quando a região foi afetada pelas obras de alargamento da BR-364. À derrubada da mata seguiu-se uma epidemia violenta de sarampo e malária. Adoeceu ou morreu gente em quase todas as casas, em centenas de famílias.

Perdi um primo e meu tio Pedro Mendes, uma das pessoas mais importantes da minha infância. Morreram minha irmã de quase dois anos e, logo depois, outra irmã, com apenas seis meses de nascida. Seis meses depois, morreu minha mãe de aneurisma. Vizinhos, amigos, todos os que conhecíamos passavam pelos mesmos sofrimentos.

Marina Silva durante conferência em universidade em Bogotá - Juan Barreto - 22.ago.2019/AFP

Tudo era assustador. Uma dor enorme, extrema, que nunca passou. Tivemos que reconstruir todo o sentido da vida, aceitar o inaceitável e carregá-lo conosco para sempre. Ir em frente, enfrentar o duro cotidiano, sepultar os mortos, cuidar dos sobreviventes, compartilhar a dor dos outros. Por fim, viver —e dar muito valor à vida e a todas as pessoas.

Todas as cenas estão vivas em minha memória e hoje, mais uma vez, pesam em meu coração e me fazem entender o sentimento das pessoas que estão perdendo seus entes queridos na pandemia do novo coronavírus.

Percebo o significado de perdas tão súbitas em milhares de famílias que não podem sequer enterrar seus mortos ou dar um último adeus que ajude a aceitar a morte e a elaborar o luto.

Na Londres de 1624, os sinos da catedral de Saint Paul, onde o poeta John Donne era o deão, tocavam quase ininterruptamente anunciando as milhares de mortes causadas pela peste.

Atingido por grave enfermidade, Donne escreveu um de seus textos mais conhecidos, a “Meditação 17”: “Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; cada homem é parte do continente, parte do todo; se um seixo for levado pelo mar, a Europa fica menor, como se fosse um promontório, assim como se fosse uma parte de teus amigos ou mesmo tua; a morte de qualquer homem me diminui, porque eu sou parte da humanidade; e por isso, nunca mandes indagar por quem os sinos dobram. Eles dobram por ti”.

Hoje, no mundo inteiro, os sinos ainda dobram por nós. E como a velocidade da pandemia só pode ser reduzida pelo isolamento, o dobrar dos sinos pode simbolizar o repetido apelo das autoridades médicas, dos cientistas e das lideranças de bom senso: por amor à vida, fiquem em casa.

Não sei quais são as dores que alguns governantes do Brasil guardam na memória, nem de que modo compartilham a humanidade dolorosamente expressa por John Donne. O que neles questiono é a leviandade do interesse político que cria discórdia e confusão com comandos contrários aos da OMS e de líderes do mundo inteiro, à exceção do que vem sendo reiterado no Brasil pelo ministro da Saúde.

Horroriza-me a falta de compromisso com a estratégia de isolamento social, única que, neste momento, pode proteger a sociedade e o sistema de saúde do país. Indigna-me o argumento de que o Brasil não pode parar, pois implica parar o ciclo da vida de muitos brasileiros.

De fato, não podemos parar. Não nessa armadilha de polarizar até mesmo com o que não pode se opor: viver e comer. O isolamento é para proteger as pessoas e ganhar tempo. Tempo para organizar a solidariedade, reforçar os equipamentos de saúde pública, reunir recursos, distribuir ajuda, colocar todas as instituições a serviço das famílias e comunidades.

Um governante que demonstra desprezo pela dor humana e aposta no caos para esconder suas incompetências deve ser colocado no lugar que sua incapacidade lhe reservou: o isolamento político.

Governadores, prefeitos, Congresso, todos os que não se encolheram para ficar do tamanho do capitão do naufrágio devem continuar assumindo na prática o governo do Brasil, amparados pelas leis e pela Justiça, pelas autoridades médicas, cientificas e sanitárias, pelo sentido de humanidade que reconhece o valor incalculável da vida.

Como disse Gilberto Gil, “o povo sabe o que quer, mas também quer o que não sabe”. Na difusa indeterminação do desejo de viver, sem argumentos e racionalizações, o povo quer que a lucidez assuma o comando e lidere a sociedade, controle as instituições e coloque sob estrito e severo isolamento a infecção da irresponsabilidade.

Hoje conheço a história e, após muitos anos, consigo elaborar a dor que vivi e integrá-la na vida social. Aprendi no ensinamento bíblico que devo olhar de tudo e reter o bem (1 Tessalonicenses 5: 21). O conhecimento reforça minha fé e me livra do fanatismo em mitos produzidos pela desinformação e ídolos da mentira.

Sinto, principalmente, com meu coração dolorido por tantas perdas, que é inadmissível tomar decisões com o interesse ou o cálculo político-econômico acima da ética do cuidado e do serviço.

E é por isso que digo a você: fique em casa, ajude a quem precisar, peça ajuda a quem puder, faça tudo dentro das normas que diminuem a rapidez da pandemia. Salve a vida.


Marina Silva, ambientalista e professora de história, foi senadora (1995-2011), ministra do Meio Ambiente (2003-2008) e candidata à Presidência (2010, 2014 e 2018).

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do apontado pela autora em versão anterior deste texto, a mãe de Marina Silva morreu de aneurisma, e não em decorrência de uma epidemia. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.