Como o LSD marcou a contracultura, da geração beat à tropicália

Júlio Delmanto discute os primeiros usos medicinais e a repressão à substância

O convidado do novo episódio do Ilustríssima Conversa é Júlio Delmanto, doutor em história social pela USP e autor do livro "História Social do LSD no Brasil: Os Primeiros Usos Medicinais e o Começo da Repressão”, lançado nesta semana pela editora Elefante.

O podcast volta ao ar com episódios inéditos em parceria com o Itaú Cultural.

Na obra, resultado de sua tese de doutorado, Delmanto afirma que o LSD, sintetizado pela primeira vez em 1938, chegou ao Brasil e a outros países pela via medicinal, antes de seu uso se popularizar e a substância ser proibida.

O livro discute as primeiras pesquisas médicas sobre os efeitos do LSD e sua transformação em uma droga lendária para os movimentos de contracultura que se espalharam nos anos 1960.

Retrato de Júlio Delmanto
Retrato de Júlio Delmanto - Arquivo pessoal

Na conversa com o repórter Eduardo Sombini, o autor abordou a importância das drogas psicodélicas em movimentos culturais como a tropicália, os efeitos da proibição do LSD e de outras drogas e o renascimento do interesse pela substância por cientistas e usuários nos últimos anos.

Delmanto também narrou as linhas gerais do primeiro processo judicial por tráfico de LSD no Brasil, em 1970, que, para ele, mostram uma combinação de tortura de acusados, corrupção de policiais e moralismo do juiz, revelando mecanismos de ação da ditadura militar em questões relacionadas às drogas.

O Ilustríssima Conversa também pode ser acessado nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

Já participaram do Ilustríssima Conversa Elena Brugioni, que tratou de literaturas africanas e descolonização do imaginário; Marta Arretche, que discutiu desigualdade e políticas sociais no Brasil; Sérgio Augusto, que debateu os rumos do cinema em meio à pandemia de coronavírus; Sidney Chalhoub, que lembrou a politização de epidemias ao longo da história; Gilberto Nascimento, que abordou o crescimento da Igreja Universal e a ascensão política de Edir Macedo; Eliane Robert Moraes, que discutiu a censura ao sexo nas artes; Sueli Carneiro, que falou sobre a relação entre as questões de raça e gênero no Brasil; Sérgio Adorno, que tratou do surgimento do liberalismo no Brasil, entre outros.

A lista completa de episódios está disponível no índice do podcast.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.