Descrição de chapéu greve dos caminhoneiros

Agronegócio reage a preço mínimo de frete e diz que não vai pagar conta da greve

Oito entidades se posicionaram nesta segunda-feira contra o preço mínimo

Fila de caminhões durante greve de caminhoneiros da rodovia Régis Bittencourt, próximo a Embu das Artes - Danilo Verpa/Folhapress
Raquel Landim
São Paulo

Oito entidades do agronegócio se posicionaram nesta segunda-feira (28) contra a tabela de preço mínimo para o frete rodoviário, estabelecida pelo governo Temer em medida provisória para tentar acabar com a greve dos caminhoneiros. 

A reclamação é que o tabelamento do frete pode acabar deixando a conta da paralisação dos caminhoneiros para as indústrias ligadas ao setor agrícola, que utilizam intensamente o transporte rodoviário. Estavam presentes representantes dos esmagadores de soja, da indústria de suco de laranja, dos fabricantes de ração, dos exportadores de café, entre outros. 

“Não acredito que a indexação seja o melhor caminho para resolver o problema. Estamos dispostos a colaborar com uma solução, mas esse custo não pode ser transferido totalmente para o setor produtivo”, disse Ibiapaba Neto, director-executivo da Citrus BR, que reúne os fabricantes de suco de laranja.

Para Roberto Betancourt, diretor-executivo do Sindirações, serápraticamente “impossível” estabelecer uma tabela de preço mínimo de frete, por conta dos diferentes tipos de carga (granel, refrigerada, líquida, perigosas, etc) e de estradas (asfaltadas e de terra). “Temos que ter liberdade na negociação ”, afirmou.

André Nassar, diretor-executivo da Abiove, que reúne as esmagadoras de soja, acredita que, ao estabelecer um preço mínimo para o frete, o governo tenta repassar para as indústrias e para os consumidores uma distorção que ele mesmo criou, quando elevou significativamente a carga tributária do óleo diesel, numa tentativa de reduzir o rombo das contas públicas.

Conforme levantamento da Abiove, os preços do frete da soja já subiram, em média, 15% neste ano, para cerca de R$ 200 por tonelada, e vinham se ajustando ao aumento da cotação do diesel, mas não conseguiram acompanhar também a elevação de tributos. “Por conta disso, o mercado não reagiu perfeitamente. Não podemos pagar a conta desse ajuste”, disse.

As entidades do agronegócio também reclamam que não foram chamadas pelo governo para discutir da tabela do frete, caso a criação de um preço mínimo seja inevitável. Conforme a medida provisória, a tabela, que deve ser divulgada em cinco dias e vai vigorar por um semestre, será definida pela ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), após consulta aos caminhoneiros, cooperativas e transportadoras. A MP não inclui os tomadores de frete no debate.

Embora entidades ligadas aos produtores rurais, como a Aprosoja, já tenham manifestado apoio à greve dos caminhões, as indústrias ligadas ao agronegócio são um dos segmentos mais afetados pela paralisação. Todas as esmagadoras de soja, que produzem óleo, farelo e biodiesel, estão paradas, porque não conseguem escoar a produção e não tem mais lugar para armazenagem.

Segundo a Abiove, as exportações de soja e derivados ainda não foram afetadas, porque havia bastante estoque nos portos, mas, a partir desta segunda-feira (28), acabaram os produtos para embarque. Se a greve persistir, as exportações do setor devem cair em junho, prejudicando a balança comercial brasileira.

As indústrias de suco de laranja também interromperam as atividades desde a semana passada. O prejuízo ainda é pequeno, porque o setor está no começo da safra, mas o fluxo de caminhões para os portos foi paralisado. Na safra, as indústrias de suco mandam, em média, um caminhão do interior de São Paulo ao porto de Santos a cada 10 minutos.

Sem receber o farelo de soja e outros insumos, as fábricas de ração também pararam e não conseguem enviar produto para as granjas de frangos e suínos, o que já provoca mortes de animais e problemas de sanidade, que podem favorecer a propagação de doenças.

Erramos: o texto foi alterado

O aumento do preço dos fretes subiu para cerca de R$ 200 e não US$ 200, como dizia versão anterior deste texto

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.