Descrição de chapéu Argentina Maurício Macri

Banco central da Argentina sobe juros pela 3ª vez em uma semana e taxa vai a 40%

Medida foi adotada para tentar conter a forte desvalorização do peso em relação ao dólar

Homem segura nota de 500 pesos argentinos em Buenos Aires
Homem segura nota de 500 pesos argentinos em Buenos Aires - Martín Zabala/Xinhua
Sylvia Colombo
São Paulo e Buenos Aires

O banco central argentino anunciou nesta sexta-feira (4) o terceiro aumento de juros em uma semana para tentar conter a forte desvalorização do peso argentino em relação ao dólar e a inflação, que continua acima da meta estabelecida pelo governo para 2018 de 15% —está ao redor dos 20%.

A taxa de juros, que tinha sido elevada nesta quinta-feira para 33,25%, agora subiu para 40%.

Em comunicado, o banco central argentino diz que, diante da dinâmica verificada no mercado cambial, em que o peso se desvalorizou, nesta quinta-feira, em relação a outras moedas de emergentes, decidiu adotar uma série de medidas para estabilizar o mercado.

A divisa americana foi 20 para 22 pesos nesta semana. No ano, o peso argentino é a moeda que mais se desvaloriza em relação ao dólar, considerando uma cesta de 31 principais divisas do mundo. A queda é de 15,2%. O real aparece em quinto, com depreciação de 6,2%.

Nesta sexta, a moeda argentina se recuperou um pouco e fechou a 21,68.

O dólar mais forte aumentará o custo da dívida externa argentina. A dívida total do país subiu desde a posse do presidente Mauricio Macri, já que ele recorreu a esse método para financiar seu programa econômico "gradualista", cujo objetivo é reduzir o imenso déficit fiscal da Argentina.

Durante a semana, houve piquetes de sindicatos que cortaram vias das principais avenidas de Buenos Aires, pois as negociações paritárias encerradas no mês passado foram feitas com base na inflação prevista pelo governo, que economistas independentes afirmam que dificilmente será cumprida até o fim do ano. A Argentina tem hoje a segunda maior inflação da região, perdendo apenas para a Venezuela. 

Além do aumento da taxa básica para 40%, o banco central também anunciou aumentos em outras taxas de juros, como a de sete dias e a de um dia.

A partir de 7 de maio (segunda), os bancos terão que diminuir a posição máxima de dólares que podem manter em seu poder. A posição líquida de moeda estrangeira terá que passar de 30% para 10%, o que poderia levar os bancos a venderem divisas próprias para se adequar ao novo limite, segundo o jornal argentino Clarín.

O banco central disse ainda que vai continuar operando com todas as ferramentas de intervenção no mercado cambial. 

A autoridade monetária afirmou que tomou as decisões com o objetivo de evitar comportamentos instáveis no mercado cambial, "assim como para garantir o processo de desinflação". O banco central argentino disse ainda estar pronto para agir novamente se for necessário.

PIB

O ministro da Fazenda argentino, Nicolás Dujovne,  anunciou que a meta do déficit fiscal para este ano será de 2,7% do PIB, em vez do que havia sido projetado, 3,2%. Também, que haverá cortes no gasto social. O objetivo, explicou, é sinalizar ao mercado que “nossa política está orientada a transmitir tranquilidade”.  

Dujovne fez os anúncios acompanhado do ministro das Finanças, Luis Caputo, que afirmou que a alta do dólar “não nos pegou desprevenidos, o governo tem recursos para garantir a estabilidade do peso”.

Dujone afirmou que o governo irá “apertar mais o cinto” e que haverá um corte de 30 bilhões de pesos em obras de infraestrutura. “Esse tipo de corte nos dói porque sempre é o gasto que menos queremos tocar, mas é necessário atingir as metas diante da volatilidade externa.”

E acrescentou. “Subiu a taxa de juros nos EUA, e as moedas emergentes de desvalorizaram, além disso, temos mais incertezas domésticas, derivadas da eventual pressão fiscal de projetos irresponsáveis que pretendem modificar a política tarifária.”

A declaração de Dujovne é uma crítica à oposição, majoritária no Congresso e liderada pelo kirchnerismo, que vem tentando colocar obstáculos nos aumentos de tarifas de serviços que o governo vem promovendo, ao mesmo tempo que retira subsídios.

Dujovne foi questionado sobre o aumento das taxas por parte do Banco Central. “Isso afeta a atividade econômica, mas o que mais afetaria seria entrar em uma espiral de volatilidade. É mais recessivo não dar sinais contundentes”, afirmou. “Esperamos que o aumento das taxas seja transitório”.

O governo tinha previsto um crescimento do PIB neste 2018 de 3,5%, em parte alavancado pela melhora da economia brasileira. Uma produção agrária mais lenta causada pela seca, porém, segundo o ministro, ameaça essa meta no momento.

“Não alteramos nenhuma das nossas projeções ainda, nem de inflação nem de crescimento do PIB. É possível que os dados de maio não correspondam aos que imaginávamos, mas o segundo semestre deve apresentar melhoras significativas.” 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.