Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Olavo chama parlamentares do PSL de palhaços por ida à China e nega ser guru do governo

Escritor disse que políticos estão 'entregando o Brasil à China'

Anaïs Fernandes
São Paulo

O escritor Olavo de Carvalho criticou a ida de uma comitiva de parlamentares do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, à China para conhecer o sistema de reconhecimento facial do país e disse que, se fosse de fato guru do governo, isso não aconteceria.

"Instalar esse sistema nos aeroportos brasileiros é entregar ao governo chinês as informações sobre todo o mundo que mora no Brasil", afirmou Olavo em um vídeo postado no Twitter na noite desta quarta-feira (16).

O escritor, que é responsável pela indicação dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Vélez Rodríguez (Educação), chamou os parlamentares de caipiras e palhaços e disse que eles estavam fazendo uma loucura ao entregar o Brasil para o poder chinês. 

"Vocês são idiotas, meu Deus do céu? Vocês têm ideia da extensão da tecnologia chinesa de controle comportamental? Vocês não estudaram nada disso e nem querem estudar. Estão achando lindo que foram convidados para ir para a China. É um bando de caipiras", afirmou.

 
Retrato do escritor Olavo de Carvalho
Retrato do escritor Olavo de Carvalho - Vivi Zanatta/Folhapress

Segundo reportagem do portal UOL, uma comitiva de 12 membros do PSL embarcou para a China na terça-feira (15), a convite do governo chinês, que teria pago todas as despesas, para conhecer o sistema. 

A ideia é que os parlamentares apresentem no início do ano legislativo (fevereiro) um Projeto de Lei que obriga a implantação de tecnologia de reconhecimento facial em locais públicos, para auxiliar as forças de segurança no combate ao crime e na captura de suspeitos ou foragidos.

"Esses deputados não sabem absolutamente... Eu digo, o problema do Brasil é a ignorância, é o analfabetismo funcional, é a presunção dos semianalfabetos, e está aqui os semianalfabetos", continuou Olavo passando a ler uma lista de nomes, incluindo o da deputada federal eleita por São Paulo Carla Zambelli.

"Nunca vou te perdoar isso aí. Já te ajudei muito e já apoiei muito. Se você não sair desse negócio eu não falo mais com você", afirmou.

Em um vídeo de resposta, Carla disse que continua "fã de Olavo de Carvalho" e que não tira as razões de receio do escritor, "mas eu preciso despreocupar vocês: não existe qualquer possibilidade de os parlamentares fecharem um acordo com empresas de reconhecimento facial, não existe qualquer possibilidade de nós incentivarmos um BBB no Brasil", afirmou.

"Existe muito mais em jogo do que foi dito no vídeo do Olavo de Carvalho", disse a deputada eleita em referência à relação de balança comercial entre Brasil e China.  "Vamos dar um poquinho de mão à palmatória, professor? Eu sei que eu nem sempre estou certa e o senhor também nem sempre está certo."

Olavo cobrou ainda uma posição do governo: "Cadê o Executivo? O Executivo vai deixar esses caras irem para lá para entregar o Brasil ao poder chinês desta maneira?", questionou. Horas depois, fixou uma postagem em sua conta no Twitter, marcando o presidente Jair Bolsonaro: "@jairbolsonaro é um grande, honesto e leal presidente, mas cercado de falsos amigos".

Sem mencionar o caso, Bolsonaro afirmou em rede social nesta quinta que "para a infelicidade dos que torcem contra, medidas eficientes para segurança pública ainda serão tomadas e propostas."

Apesar das críticas, Carlos Bolsonaro, filho do presidente, saiu em defesa de Olavo de Carvalho. "A covardia que grande parte da imprensa vem fazendo com OdeCarvalho, seus seguidores e alunos é o sinal que estão no caminho certo", afirmou em rede social.

A China tem o maior e mais moderno sistema de vigilância do mundo, que usa o reconhecimento facial para identificar os cidadãos. No país, existem 170 milhões de câmeras com essa capacidade e outras 400 milhões serão instaladas, de acordo com informações divulgadas pelo governo.

Os equipamentos conseguem reconhecer o rosto das pessoas e fazer imediatamente a associação com suas informações registradas. Permitem também identificar o gênero e a idade dos cidadãos e associar seus rostos a informações como seu carro, suas rotas mais frequentes, seus parentes, dados tributários, profissionais e outros.

Críticos do sistema na China acusam o governo do Partido Comunista de usar a tecnologia para conseguir amplo controle social sobre seus cidadãos. O governo diz que só usa o sistema contra criminosos e não dissidentes políticos.

Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais, afirmou, também no Twitter, que qualquer empresa que tenha laços com governos estrangeiros que não atendam a critérios mínimos de transparência "deve ser impedida de conquistar ou ampliar posições de influência em setores estratégicos brasileiros."

A publicação foi replicada por Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, que, em seguida, publicou outra postagem afirmando que a vice-presidente de finanças da Huawei —gigante chinesa de tecnologia com desenvolvimento de sistemas para reconhecimento facial— fora presa porque autoridades americanas teriam descoberto que celulares vendidos pela Huawei poderiam vazar informações para o governo chinês.

Olavo também cita no vídeo a Huawei, mas a chinesa não é a única a trabalhar com reconhecimento facial —a Dahua Technology, por exemplo, é fornecedora do governo chinês.

"A firma que trata disso, a Huawei, é altamente suspeita, o representante dela já foi preso na Polônia, no Canadá e nos Estados Unidos por atividade de espionagem [...] não vão nem investigar, não estão sabendo de nada, pega uma porcaria de uma leizinha do governo Temer [Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, sancionada em agosto] e acha que isso vai nos defender contra o maior sistema de informação que tem no mundo. Vocês são uns palhaços mesmo", disse Olavo. 

Na semana passada, Wang Weijing, então diretor de vendas da Huawei, foi preso Polônia, em nome da China, por acusações de espionagem. A empresa demitiu Wang.

Em dezembro, Meng Wanzhou, filha do fundador e vice-presidente de finanças da gigante , foi detida no Canadá, a pedido dos Estados Unidos. O governo americano acusa a fabricante de smartphones de ter enganado bancos internacionais sobre transações ao Irã, violando regras de sanção ao país.

No vídeo, Carla Zambelli disse que a comitiva não visitará apenas uma empresa. "Estão insistindo nessa empresa que tem algum tipo de problema, mas essa não é a empresa que a gente vai visitar somente. Por mim tudo bem, a gente até tirar a visita dessa empresa do caminho."

CRÍTICA À IMPRENSA

Olavo afirmou que, caso ele fosse guru de Bolsonaro, a vinda da CNN para o Brasil também não aconteceria. 

"Está na cara que a mídia brasileira inteira é inimiga do governo", disse. "Não basta isso, precisa vir a CNN para contratar mais 400 jornalistas e o governo permite isso aí. E eu sou o guru dessa porcaria. Eu não sou o guru de merda nenhuma. Se eu fosse, as pessoas não teriam sequer a coragem de apresentar essas ideias", continuou.

Na segunda-feira (14), a rede de notícias americana CNN anunciou que fechou acordo com um grupo de mídia brasileiro para licenciar sua marca no Brasil. 

A CNN Brasil será programada e operada por uma nova empresa liderada pelo jornalista Douglas Tavolaro, que deixa a vice-presidência de jornalismo do Grupo Record, e pelo empresário Rubens Menin, fundador da MRV Engenharia, maior construtora do país.

À Folha a CNN internacional disse que as licenciadas que operam canais e plataformas da marca são editorialmente independentes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.