SoftBank investe R$ 250 milhões na Petlove, pioneira do ecommerce pet no Brasil

Companhia japonesa liberou US$ 2 bilhões a empresas latinas desde março de 2019

São Paulo

O SoftBank, conglomerado japonês e investidor de grandes empresas de tecnologia, anunciou nesta terça-feira (7) investimento de R$ 250 milhões na Petlove, primeiro petshop online do país, criado em 1999.

Os recursos são do fundo para investimentos em empresas da América Latina. Desde março de 2019, o SoftBank investiu US$ 2 bilhões em startups da região.

A pandemia do novo coronavírus não alterou a programação do aporte, que já estava previsto para este mês. A procura pelos serviços da marca subiram até 200% nos primeiros dias de confinamento no país, de acordo com Marcio Waldman, veterinário e fundador da empresa.

O capital será destinado à aceleração de uma plataforma tecnológica que reunirá serviços e produtos. Pet shops parcerias poderão vender, entregar e distribuir produtos por meio de um marketplace, que também oferecerá serviços veterinários.

A empresa não pode abrir dados sobre o capital societário, mas segundo Waldman, a distribuição fica igualitária entre os atuais sócios.

Logo do conglomerado SoftBank; grupo investiu em uma série de empresas brasileiras em 2019 - Issei Kato/Reuters

Em 2011, a empresa recebeu investimento dos fundos KasZek e Monashoes. Em 2019, a Tarpon, de private equity, também entrou no negócio, o que alavancou o programa de assinaturas de produtos para animais de estimação.

“Crescemos muito mais que o mercado pet, a cerca de 40%. São mais de 4 milhões de downloads nos aplicativos e uma base de clientes superior a 5 milhões de pessoas”, diz Waldman. O serviço de assinaturas tem 165 mil clientes, segundo ele, e a projeção de faturamento da empresa para 2020 é de R$ 440 milhões.

Dados da Euromonitor mostram que o mercado pet brasileiro faturou R$ 24 bilhões em 2019, o que o posicionou como um dos três maiores mercados de produtos para animais de estimação do mundo.

"O canal online ainda representa apenas 3,8% do total de vendas de suprimentos para animais de estimação no Brasil, mas é o que mais cresce; nos Estados Unidos, ultrapassa 18%”, disse Paulo Passoni, sócio-gerente da SoftBank, em comunicado.

Criada em 1999, ainda no início da internet comercial no Brasil, a Petlove tem 400 funcionários; 240 deles trabalham nos três centros de distribuição de produtos, localizados em São Paulo, Extrema (MG) e Recife (PE).

As assinaturas representam 65% do negócio e tiveram aumento na procura durante a pandemia de Covid-19. A crise também elevou o volume de vendas.

“O cliente escolhe o produto, a gente reserva para ele e entrega no prazo. Estamos atraindo clientes novos que estão aderindo à assinatura. Estamos dando o melhor serviço na época de restrição de movimentação”, diz o presidente da empresa.

Em 2019, o SoftBank investiu em startups brasileiras que se tornaram unicórnios (que passam a valer mais de US$ 1 bilhão), como Gympass, Loggi e QuintoAndar.

O fundo já colocou dinheiro em empresas internacionais como WeWork, Uber, Slack e Nvdia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.