Descrição de chapéu Caixin

Conheça o carro elétrico chinês que ultrapassou o Tesla Model 3 em vendas

Minicarro é popular em regiões mais pobres da China; governo faz investimentos para ampliar tipo de veículo em áreas rurais

Pequim | Caixin

Quando foi lançado, em abril, o Model 3 da Tesla Inc. era o veículo de nova energia (NEV na sigla em inglês) mais quente na China.

No mês passado, entretanto, um relatório mensal de vendas da Associação de Carros de Passageiros da China (CPCA) mostrou uma mudança. No topo da classificação dos NEVs, com 15 mil vendas em agosto, estava um minicarro de duas portas e quatro lugares movido a bateria, vendido por apenas um décimo do preço do Model 3 mais barato.

O minúsculo carro quadrado, conhecido na íntegra como Wuling Hongguang Mini EV, foi lançado em julho por um parceiro chinês da gigante americana General Motors.

O primeiro veículo elétrico da marca Wuling, o Hongguang Mini EV - Divulgação

O desempenho se repetiu nesta semana quando a CPCA divulgou seus números de vendas de setembro, mostrando que foram vendidos 20.150 Mini EVs, contra 11.329 Tesla Model 3.

Apesar de vender o dobro de veículos, o modelo de orçamento do Wuling não compete com marcas de ponta como Tesla ou suas imitadoras locais. Em vez disso, ele tem como alvo uma brecha no vasto mercado de EVs de baixo preço da China. E se beneficiou de uma confluência de fatores, como subsídios estatais generosos e controles mais rígidos sobre formas não licenciadas de transporte barato de curta distância.

O Mini EV —que pode ser licenciado para rodovias, o que é crucial— está se mostrando especialmente popular nas regiões menos ricas da China, de acordo com a joint venture da GM conhecida oficialmente como SAIC-GM-Wuling Automobile Co. Ltd. (SGMW) e localmente como Wuling.

Comparado com outras marcas de NEV como Tesla e a rival local BYD Co. Ltd., o Mini EV percorre uma distância muito menor, mas ainda respeitável, com uma única carga, viajando 120 quilômetros ou 170 quilômetros, dependendo do modelo. O BYD Qin EV pode rodar 421 quilômetros e o Model 3 pelo menos 468 quilômetros, de acordo com seus fabricantes.

Zhang Yiqin, relações-públicas da SGMW, disse que o Mini EV é normalmente usado por indivíduos para levar e buscar membros da família e se deslocar, ao contrário dos NEVs mais sofisticados, que costumam ser vendidos para locadoras. "A maioria dos (nossos) compradores são pessoas físicas", disse ele.

A empresa construiu mais de 10.000 estações de recarga para os modelos, a maioria localizada em regiões menos desenvolvidas como a região autônoma de Guangxi Zhuang e Henan, bem como a relativamente mais rica Shandong.

Vasto mercado 'low-end'

Fundada em 2002 como uma união entre a gigante automobilística estatal SAIC Motor Corp. Ltd., a General Motors e a popular fabricante de microvans Wuling Motor Co. Ltd., a SGMW há muito tem como alvo o mercado automotivo de baixo custo da China a partir de sua sede em Liuzhou, na região autônoma de Guangxi Zhuang.

Mas foi apenas neste ano que a empresa estendeu a estratégia ao negócio de EVs, lançando a linha Mini EV a partir de 28.800 yuans (cerca de R$ 24 mil), com um modelo mais sofisticado por 38.800 yuans (R$ 32.200)—ainda apenas um décimo do custo do Tesla Model 3 mais barato.

Esse nível de preço o torna acessível a uma parte da vasta população de baixa renda da China nas áreas rurais e do interior. Cerca de 600 milhões de pessoas no país têm renda mensal de aproximadamente 1.000 yuans (R$ 828,80), revelou o primeiro-ministro Li Keqiang em entrevista coletiva em maio, e uma pesquisa realizada por pesquisadores da Universidade Normal de Pequim confirma seus comentários.

A pesquisa, do Instituto de Distribuição de Renda da China, revelou que 42,9% de 70 mil famílias entrevistadas tinham uma renda familiar mensal por pessoa de não mais de 1.090 yuans (R$ 904) em 2019. Se essa estatística for válida para todo o país, seria responsável por mais de 599,9 milhões pessoas.

Mais da metade das famílias pesquisadas ganhavam entre 1.090 e 5.000 yuans por mês (R$ 904 e R$ 4.150).

De acordo com Zhang, os Mini EVs têm vendas mais fortes nas províncias de Shandong, Hebei e Henan, bem como na região autônoma de Guangxi Zhuang —que se classificaram em 9º, 17º, 23º e 25º lugares entre as regiões da China em termos de receita após impostos por pessoa no ano passado, de acordo com dados do Departamento Nacional de Estatísticas. Embora Shandong seja mais rica, a população das outras três regiões tinha uma renda disponível média anual de cerca de 20.000 a 25.000 yuans (R$ 16.600 a 20.750).

O apelo do Mini EV não é surpresa, disse Gu Zhihong, vice-presidente da fabricante rival de miniveículos Fulu Group.

"Como o QQ e o Alto antes dele, o Mini EV se tornará um meio de transporte para muitas cidades e vilarejos de nível inferior, o primeiro carro para jovens ou o segundo carro de famílias", disse ele, referindo-se a dois minicarros anteriores que também tiveram forte demanda.

Recuperação geral

As vendas do Mini EV da SGMW foram impulsionadas pela recuperação geral do mercado de EVs da China, que retomou o crescimento em julho, após uma queda drástica de 75% em fevereiro, quando o surto de coronavírus no país estava mais grave. Dados da Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis sugerem que um total de 138 mil veículos de energia nova (NEVs) foram vendidos no mês passado, um aumento de 67,7% em relação ao mesmo período de 2019.

A pressão do governo chinês para uma adoção mais ampla de NEVs no campo contribuiu muito. Um decreto de julho do Ministério do Comércio e de dois outros departamentos instruiu os governos locais a formular políticas de apoio aos NEVs nas áreas rurais.

Em abril, o governo central estendeu generosos subsídios estatais e incentivos fiscais aos fabricantes de NEVs —que enfrentavam a falência— por mais dois anos em uma tentativa de reduzir as consequências da pandemia de Covid-19.

Com todos esses incentivos em ação, a Wuling foi apenas uma das marcas que apresentou resultados brilhantes. A BYD Co. Ltd., sediada em Shenzhen, vendeu mais de 19 mil de seus modelos NEV em setembro, ultrapassando a Tesla e ocupando o segundo lugar na tabela de vendas do mês passado, de acordo com os números da CPCA. As vendas do Tesla Model 3 ficaram em cerca de 11 mil por mês desde julho, enquanto rivais chinesas como Nio Inc. e Xpeng Inc., listadas nos Estados Unidos, mais que dobraram suas vendas no mesmo período.

Nio, Xpeng e Li Auto, negociadas na Nasdaq, quebraram seus recordes de vendas mensais em setembro. A última entregou 3.504 NEVs, enquanto a Xpeng, com sede em Guangzhou, vendeu 3.478, um aumento de 145%. As vendas mensais da Nio aumentaram 133,2%, para cerca de 4.700.

Alternativas limitadas

O interesse crescente pelo Mini EV da SGMW também ocorre quando as autoridades chinesas visam seus concorrentes no espaço de veículos motorizados de baixo custo, como triciclos e quadriciclos fechados, citando questões de segurança. Esses veículos, com custos mais baixos e requisitos de licenciamento imprecisos, são usados há muito tempo como alternativa para carros de alto consumo de combustível.

Com uma variedade de formas e tamanhos, os rivais tradicionais do Mini EV normalmente custam entre 10.000 yuans e 30.000 yuans e rodam em velocidades de até 70 km/h. Eles viveram nas sombras regulatórias da China durante anos, nem estritamente legais nem ilegais, e não exigem placas de licenciamento, apesar de serem grandes e velozes o suficiente para causar muitos danos.

O primeiro veículo elétrico da marca Wuling, o Hongguang Mini EV - Divulgação

Dados do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação sugerem que cerca de 18 mil pessoas foram mortas e 186 mil ficaram feridas em acidentes relacionados com quadriciclos em cinco anos, terminando em 2018. Os veículos estiveram envolvidos em 830 mil incidentes de tráfego registrados durante o período.

Nenhuma licença é necessária para operar esses veículos, o que os torna atraentes, mas também um investimento arriscado se forem proibidos no futuro.

O Ministério de Segurança Pública da China, que tem jurisdição sobre o controle de tráfego, se opôs à ideia de legalizar esses veículos, mas não chegou a uma proibição total.

Algumas autoridades locais tomaram suas próprias medidas, no entanto. Várias cidades da província de Shandong proibiram os moradores de conduzir quadriciclos este ano.

Um membro da indústria disse que era inevitável que as mudanças regulatórias levassem as pessoas a comprar Mini EVs, que são legais nas estradas e podem obter licenças de veículos motorizados. Isso também pode atrair outras marcas a lançar modelos semelhantes para competir no mercado de baixo custo, disse essa pessoa.

"O Hongguang Mini EV reformulou o mercado de veículos de baixo custo com seus preços", acrescentou a pessoa. A montadora anunciou que vai aumentar sua capacidade de fabricação para esse modelo para 20 mil por mês, na tentativa de entregar os pedidos no prazo.

Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.