Open banking eleva demanda por desenvolvedores

Busca por mão de obra especializada em segurança cibernética, engenheiro de dados e de inteligência artificial aumenta

São Paulo

A implementação do open banking pode esbarrar na falta de mão de obra especializada, especialmente de desenvolvedores —profissionais responsáveis, entre outras coisas, por criar e integrar todos os sistemas.

esmo com os altos salários oferecidos —com iniciais de R$ 4.500 que podem chegar R$ 16 mil— e uma lista extensa de benefícios, empresas do setor têm dificuldades em encontrar profissionais capacitados para atuar no complexo sistema financeiro.

Há uma pressão generalizada. Além do open banking, neste ano entrou em operação o Pix, novo sistema de pagamento criado pelo BC, e a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), que também demandaram mais profissionais do setor de TI.

Implementação de novos sistemas tende a aumentar busca por profissionais especializados
Implementação de novos sistemas tende a aumentar busca por profissionais especializados - Joyfotoaliakid - 27.set.2019/Adobe Stock

“Precisamos de desenvolvedores em geral, profissionais focados em segurança cibernética, engenheiro de dados e de inteligência artificial”, diz Leandro Vilain, da Febraban. “O Brasil sofre com a falta dessa mão de obra.”

André Becker e Luciano Sobral, que são sócios da Capco (consultoria de negócios e TI com foco no setor financeiro), contam que sentem no dia a dia a dificuldade em encontrar profissionais especializados dispostos a ingressar no negócio.

A consultoria tem 200 vagas abertas para a função de desenvolvedor e não consegue encontrar profissionais capacitados para preencher esses postos de trabalho.

“Atrair desenvolvedores sempre foi um grande desafio, mas agora com o Pix, o LGPD e o open banking, é ainda mais desafiador encontrar profissionais, é uma busca diária”, afirma Becker.

Sobral comenta que a alternativa encontrada pela empresa para tentar preencher esses postos de trabalho tem sido a contratação de trainees.

Frederico Stockchneider, diretor de tecnologia da InfoWorker Tecnologia e Treinamento, também relata a dificuldade em achar esses profissionais qualificados.

“Hoje temos 20 desenvolvedores no quadro de funcionários e estamos com 20 vagas abertas desde julho que não conseguimos preencher”, afirma o executivo.

“Desenvolvimento é uma área com uma enorme demanda, e a busca por profissionais ligados a esse mercado está em alta no mundo inteiro”, diz Marcelo Alvares Cruz, da WSI, empresa especializada em marketing digital. “O open banking deve empregar muitos desses profissionais e aumentar ainda mais um mercado que já está muito aquecido.”

Na avaliação de Alexandro Barsi, sócio da Verity, empresa de transformação digital, chegou aquele momento em que a área de tecnologia está sobrepondo deficiências no que se refere à formação de mão de obra.

“O fato é que já não tínhamos profissionais suficientes para as antigas tecnologias e agora vão faltar pessoas capacitadas também para as novas necessidades do mercado”, diz o executivo.

Barsi conta que um dos desafios é driblar a obsessão dos jovens profissionais pelo novo. “As pessoas que estão hoje no mercado têm a ambição de trabalhar com tecnologias novas, só que muitas empresas precisam renovar legados”, afirma.

“Como se faz quando se tem de preservar um legado para renovar, mas a pessoa com você quer trabalhar com tecnologia nova? Isso é um dilema para as empresas: como dizer ao colaborador que ele é necessário para um projeto mais antigo”, conclui o sócio da Verity.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.