Descrição de chapéu Guerra na Ucrânia Rússia

Alta do petróleo deve continuar com sanções à Rússia

Commodity ultrapassou os US$ 100 na semana passada pela primeira vez desde 2014

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Seher Dareen
Reuters

Um rali que elevou os preços do petróleo ao seu nível mais alto em quase uma década não dá sinais de arrefecimento, já que os suprimentos da grande exportadora Rússia são interrompidos por sanções após a invasão da Ucrânia, mostrou uma pesquisa da Reuters nesta sexta-feira (4).

O levantamento com 35 economistas e analistas previu que o petróleo Brent teria uma média de cerca de US$ 91,15 (R$ 460,06) por barril este ano, um salto em relação ao consenso de US$ 79,16 (R$ 399,54) de janeiro, e a estimativa mais alta para 2022 em todas as pesquisas da Reuters.

O petróleo dos EUA foi estimado com média de US$ 87,68 (R$ 442,54) em 2022, contra o consenso de US$ 76,23 (R$ 384,75) de janeiro.

Torre de gás da companhia Lukoil no mar Cáspio, na Rússia - Maxim Shemetov - 16.out.2018/Reuters

Entre as previsões mais altas, o JP Morgan espera petróleo a US$ 185 (R$ 933,75) até o final de 2022 se a interrupção nas exportações russas durar tanto tempo, embora sua média para o ano tenha sido de US$ 98 (R$ 494,63).

As previsões médias mais altas para 2022 foram de Rabobank e Raiffeisen, com US$ 111,43 e US$ 110 (R$ 562,42 e R$ 555,20), respectivamente.

"O prêmio de risco está aumentando", disse Christian Reuter, diretor sênior de estratégia setorial da NORD Landbk, com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados também incapazes de compensar adequadamente o déficit.

O petróleo Brent de referência ultrapassou os US$ 100 (R$ 504,73) na semana passada pela primeira vez desde 2014 e atingiu US$ 119,84 (R$ 604,87) na quinta-feira (3). O barril estava sendo negociado acima de US$ 112 (R$ 565,29) nesta sexta, apoiado por sanções à Rússia, que normalmente exporta mais de 7 milhões de barris por dia (bpd).

Embora o comércio de petróleo e gás não seja um alvo direto, os clientes hesitaram em comprar petróleo russo para evitar se envolver em sanções.

"Os preços podem subir para US$ 150 (R$ 757,09) o barril e ainda mais se os EUA e aliados tomarem medidas ainda mais agressivas para reduzir as exportações de petróleo da Rússia, já que não há capacidade ociosa suficiente para compensar uma redução significativa nas exportações russas", disse John Paisie, presidente do Advisor Stratas.

Estima-se que 8% do fornecimento global foi interrompido nos últimos dias. O déficit pode não ser compensado pela decisão da Agência Internacional de Energia de liberar 60 milhões de barris de reservas de emergência ou um provável retorno do suprimento iraniano, disseram analistas.

A liberação da AIE representou uma "compensação de um mês para uma possível interrupção de um terço dos 6 milhões de barris por dia dos fluxos de exportação de petróleo da Rússia", disse o Goldman Sachs.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.