R$ 25,5 por café e outros preços que tornam Hong Kong a cidade mais cara do mundo

Cidades com maior custo de vida foram listadas em levantamento; São Paulo é 138ª

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Curitiba

Hong Kong é a cidade com maior custo de vida para estrangeiros, segundo levantamento da empresa de mobilidade ECA International publicado nesta terça (7). Em seguida, estão Nova York (Estados Unidos), Genebra (Suíça), Londres (Reino Unido) e Tóquio (Japão).

Londres e Nova York se destacam por aumentos significativos no custo de vida, provocados principalmente pela elevação do aluguel —de 20% e 12%, respectivamente, em relação a 2021.

Os preços da gasolina e do óleo de cozinha também cresceram significativamente, entre outros produtos e serviços adquiridos no dia a dia.

Dois homens de máscara preta trabalham atrás de balcão de loja de café
Café no distrito de Cheung Sha Wan, em Hong Kong - James Pomfret - 17.fev.2022/Reuters

Em Hong Kong, que em 2021 também ocupou o primeiro lugar no ranking, os valores chegam a R$ 25,50 (US$ 5,21) por uma xícara de café, R$ 56,34 (US$ 11,51) por quilo de tomate, R$ 28,53 (US$ 5,83) por litro do óleo de cozinha e R$ 21,49 (US$ 4,39) por litro de leite.

A análise é de março de 2022, considerando 207 cidades espalhadas por 120 países e territórios. Em 207º lugar está Ancara, capital da Turquia.

CIDADES COM MAIOR CUSTO DE VIDA PARA ESTRANGEIROS

  1. Hong Kong, em Hong Kong

  2. Nova York, nos EUA

  3. Genebra, na Suíça

  4. Londres, no Reino Unido

  5. Tóquio, no Japão

  6. Tel Aviv, em Israel

  7. Zurique, na Suíça

  8. Xangai, na China

  9. Cantão, na China

  10. Seul, na Coreia do Sul

  11. São Francisco (Califórnia), nos EUA

  12. Shenzhen, na China

  13. Singapura, em Singapura

  14. Pequim, na China

  15. Jerusalém, em Israel

  16. Berna, na Suíça

  17. Yokohama, no Japão

  18. Copenhague, na Dinamarca

  19. Oslo, na Noruega

  20. Taipé, em Taiwan

GASOLINA AUMENTOU EM MÉDIA 37%

Entre as cidades pesquisadas, os preços da gasolina aumentaram em média 37%. O único local em que não houve alta foi Bamaco, capital do Mali, o que o gerente de produção na ECA International, Steven Kilfedder, associou a subsídios governamentais. Por outro lado, Beirute, capital do Líbano, observou alta de 1.128%.

Em Hong Kong, cidade com maior custo de vida, também se paga mais pelo litro do combustível: um total de 2,26 libras por litro, correspondendo a R$ 13,84.

A gasolina foi mais barata nas capitais de Angola, Luanda, e do Irã, Teerã.

Apesar das sanções econômicas aplicadas à Rússia, o fornecimento doméstico e refinamento do petróleo levaram São Petersburgo, sua segunda cidade mais populosa, ao menor aumento de preços de combustíveis entre os territórios europeus analisados.

Por outro lado, o custo de vida na capital Moscou aumentou 17%. A cidade ocupa a posição 62 no ranking.

POSIÇÃO DE CIDADES BRASILEIRAS NO RANKING

Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, cidades brasileiras incluídas no ranking, subiram de posição.

Cidade brasileira Posição no ranking de 2022 Posição no ranking de 2021 Diferença de posições
Rio de Janeiro 118 163 45
São Paulo 138 176 38
Brasília 173 201 28
Belo Horizonte 180 205 25

"Seguindo desafios em anos anteriores devido à covid e à agitação política que levaram o real a cair, a moeda brasileira passou por uma reviravolta, à medida que as taxas de juro crescentes para combater a inflação, os preços crescentes das commodities e a melhoria do cenário da covid fortaleceram o real, tornando o país mais caro para expatriados e visitantes do que no ano passado", afirma Kilfedder em comunicado à imprensa.

À Folha, Kilfedder complementou: "O Brasil sempre foi um país muito interessante em nossos rankings, porque subiu e caiu de forma regular ao longo dos anos, dependendo do quão bem o real estava em relação a outros países. Agora, como em toda parte, os preços subiram bastante significativamente, mas a moeda não esteve muito forte."

LEVANTAMENTO NÃO REFLETE SENSAÇÃO DE HABITANTES DO PAÍS

O levantamento é destinado a turistas e expatriados, com as mudanças na classificação informando estrangeiros sobre seu poder de compra em determinadas localidades e períodos. Assim, não refletem necessariamente as impressões que um habitante local tem sobre as mudanças em seu custo de vida.

Um exemplo é Santiago, capital do Chile. Apesar do aumento da inflação, a cidade caiu 21 posições em relação ao ranking de 2021, passando de 98ª para 119ª cidade mais cara.

"Um habitante local não reconhecerá a descrição de Santiago como mais barata, já que seus preços estão aumentando significativamente. Mas para pessoas de outros países, Santiago está um pouco mais barata do que outras cidades, já que agora seu dinheiro conseguirá comprar mais do que antes", explica Kilfedder.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.