Descrição de chapéu Venezuela

EUA impõem sanções contra número dois do chavismo e familiares

Diosdado Cabello é acusado de narcotráfico, lavagem de dinheiro, mineração ilegal e corrupção

Nicolás Maduro está de camisa amarela, segurando um microfone enquanto fala, e, de camisa azul, Diosdado Cabello aparece sorrindo; o porrete que os dois seguram é marrom e o fundo do cenário, vermelho
O número dois do chavismo, Diosdado Cabello, segura com Nicolás Maduro o porrete, símbolo de seu programa na TV estatal venezuelana - Juan Barreto - 6.abr.16/AFP
Estelita Hass Carazzai
Washington

Às vésperas das eleições na Venezuela, os EUA anunciaram nesta sexta-feira (18) uma sanção econômica contra o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv).

A medida integra um conjunto de sanções em vigor contra membros do regime de Nicolás Maduro, também incluído na lista, que tem a intenção de pressionar o governo a restaurar a democracia na Venezuela.

Cabello, 55, que foi ministro de Hugo Chávez, presidente da Assembleia Nacional e tenente do Exército, agora integra a “lista negra” do Departamento do Tesouro americano, acusado de tráfico de drogas, lavagem de dinheiro, exploração irregular de minas na Venezuela e corrupção.

Com as sanções, determinadas pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros, ou OFAC, os bens e ativos de Cabello nos EUA ficam bloqueados, e companhias americanas ou que operem no território do país estão proibidas de fazer qualquer tipo de transação com ele.

O relatório do governo americano acusa o ex-ministro chavista de exportar drogas à Europa via República Dominicana, usando um aeroporto estatal para despachar a mercadoria. Cabello ainda teria usado informações do governo para identificar outros traficantes, a fim de roubar suas mercadorias e minar a competição.

O ditador Nicolás Maduro, bem como seu vice, Tareck El Aissamijá incluídos na lista de sanções da OFAC–, dividiriam os lucros da empreitada, de acordo com os EUA.

“[Cabello] usou sua posição oficial para se envolver no narcotráfico, lavagem de dinheiro, apropriação indébita de fundos do Estado e outras atividades corruptas”, afirmou o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin.

O ex-ministro ainda é suspeito de explorar ilegalmente minas de ferro na Venezuela, por meio de uma associação com Francisco Rangel Gómez, ex-governador do estado de Bolívar, na fronteira com o Brasil.

Segundo o governo americano, Cabello atua por meio companhias estatais ou subsidiárias, com atividades legítimas, para facilitar a extração e exportação ilegal de ferro, desviando o dinheiro para a Costa Rica e a Rússia.

Os valores, bem como os minérios ilegalmente extraídos, teriam sido transportados em barcos até o Panamá e a Costa Rica.

Além de Cabello, foram incluídos na lista negra sua esposa Marleny Contreras de Cabello, seu irmão José David Cabello, e Rafael Sarria Diaz, apontado como “testa de ferro” do ex-ministro.

Três empresas pertencentes ou controladas por Sarria, com endereço na Flórida, também tiveram seus bens e ativos bloqueados nas sanções desta sexta.

Tanto José David quanto Marleny ocupam cargos oficiais no regime de Maduro. O primeiro é acusado de extorquir dinheiro de empresários e cidadãos venezuelanos e estrangeiros, no papel de chefe da administração aduaneira e tributária da Venezuela.

Cabello já havia sido sancionado recentemente pela Suíça, por seu papel na “violação de liberdades individuais na Venezuela”, e pelo Panamá, que o incluiu numa lista de alto risco para lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo.

O ex-ministro ainda não havia se manifestado sobre as sanções nesta sexta, assim como o regime de Maduro.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.