Descrição de chapéu Venezuela

Constituinte de Maduro anula oposição, mas não evita o colapso econômico

Em um ano, Casa também não cumpre finalidade prevista em lei, que é escrever a nova Carta Magna

Folhetos estão em cima da mesa. Em cima de um deles um homem que veste casaco preto e laranja apoia um celular e um bloco de papel. Ao lado, aparece o braço de outra pessoa de camiseta branca.
Folhetos com a foto do líder venezuelano, Nicolás Maduro, são vistos em um dos postos do censo de veículos automotores nesta sexta-feira (3) em Caracas - Marco Bello - 3.ago.2018/Reuters
Diego Zerbato
São Paulo

Em seu primeiro ano, a Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela conseguiu cumprir a primeira promessa de seu idealizador e mandatário do país, Nicolás Maduro: trazer a paz, como se referia a acabar com os protestos de sua oposição.

Tendo um plenário que avaliza todos os seus projetos, o autocrata neutralizou os rivais e os dissidentes chavistas. Porém, não usou essa vantagem para tirar o país do colapso econômico e humanitário.

A intenção política da Constituinte seria concretizada em uma sessão em seu segundo dia, 5 de agosto, um sábado. O primeiro decreto foi a destituição da procuradora-geral, Luisa Ortega Díaz, chavista que decidiu investigar as 125 mortes dos quatro meses de manifestações anti-Maduro.

Em cinco meses, a Casa usaria os poderes plenos outorgados pela Constituição para anular a Assembleia Nacional opositora, instalar uma comissão que levou ao indiciamento de seus principais rivais e ordenar uma revalidação de partidos que cassou as duas maiores siglas adversárias.

Também não cumpriu até o momento a finalidade prevista por lei: escrever a nova Carta Magna. Os únicos registros da discussão de artigos são as instalações de comissões, que ainda estão em fase de audiências públicas.

Por outro lado, fez 57 decretos parlamentares e leis, função que seria da Assembleia Nacional, seguindo as instruções do Executivo. Um dos exemplos é a Lei Constitucional contra o Ódio, pela Convivência Pacífica e a Tolerância, aprovada em novembro.

Um dos artigos prevê penas de 10 a 20 anos de prisão para quem "fomente, promova e incite o ódio, a discriminação e a violência" por razões políticas. A punição era um desejo de Maduro manifestado na época das manifestações.

Situação semelhante aconteceu após a eleição para prefeitos, em 10 de dezembro. Ao votar, o líder disse que os partidos que não participaram do pleito deveriam ser punidos por pregarem a abstenção.

Um mês depois, a Constituinte obrigaria as três maiores siglas opositoras —Ação Democrática (centro), Primeiro Justiça (centro-direita) e Vontade Popular (direita)— a uma revalidação do registro. Apenas a primeira sobreviveu.

A unanimidade é outra característica comum. Foi o que aconteceu na quinta (2), quando o regime despenalizou as transações cambiais entre pessoas físicas e jurídicas.

A sessão começou às 8h30 com o vice-presidente econômico, Tareck El Aissami, apresentando o projeto, seguiu com falas do presidente da Constituinte, Diosdado Cabello, e de dois outros constituintes. A medida seria aprovada pelos 545 membros da Casa por volta de 13h.

"A Assembleia Constituinte funciona quase como um politburo russo. O governo faz o que quer. Nem sequer há um debate das medidas", disse o presidente do Instituto Datanálisis, Luis Vicente León.

Quanto à questão econômica, a Constituinte só havia aprovado até esta semana a Lei de Orçamento, medidas de controles de preços e a criação do petro, a moeda virtual com a qual o chavismo tenta driblar as sanções dos EUA.

Além da liberação parcial do câmbio, a Casa também aprovou o corte de cinco zeros do bolívar e a nova política de preços da gasolina, que inclui um censo de veículos que começou nesta sexta-feira (3).

A intenção do regime é atrelar o subsídio ao combustível, um dos mais baratos do mundo, à Carteira da Pátria, documento usado para o controle de programas sociais e da distribuição de alimentos.

Para León, as iniciativas econômicas são uma forma de amenizar a insatisfação popular com o colapso econômico e a hiperinflação, que deve chegar a 1.000.000% neste ano, segundo o FMI.

"Ele está anunciando aos poucos as medidas para não dizer que se articula um plano de ajuste neoliberal, mas há pouca possibilidade de sucesso. A proposta não é liberar o preso, mas permitir que ele tenha comida, visita íntima e possa ficar mais tranquilo e até aplaudir, mas não o solta."

Membro da Comissão de Economia da Assembleia Nacional, José Guerra considera que o regime não sabe o que fazer com a economia.

"O problema é o fracasso do modelo econômico socialista que eles se negam a mudar e por isso é que querem introduzir mudanças sem mudar a essência do modelo", disse ele, para quem a crise não tem solução com Maduro no poder.

"Ninguém confia nele porque é muito contraditório e, além disso, não tem ideias modernas do que é uma economia competitiva."

 

Constituinte fez duas declarações sobre Lula

Entre as 40 declarações e designações feitas pela Assembleia Constituinte, os membros criticaram duas vezes a prisão do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. A última delas foi em 11 de julho.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.