Descrição de chapéu Venezuela

Novos protestos nesta quarta testam união da oposição contra Maduro

Marcha em Caracas é maior aposta para reacender onda de manifestações

Policiais atiram contra manifestantes contrários ao governo em Los Mecedores, em Caracas, na segunda (21) - Federico Parra/AFP
Sylvia Colombo
Buenos Aires

​Enquanto os congressistas da Assembleia Nacional da Venezuela, declarada nula pelo Supremo Tribunal de Justiça na segunda (21), se reuniam para debater o esboço de um plano de transição no caso de queda do ditador Nicolás Maduro, as ruas de Caracas já mostravam sinais de dias inquietos.

Depois da rebelião dos 27 oficiais da Guarda Nacional Bolivariana, também na segunda, que terminou com a prisão dos revoltosos, os “coletivos” (milícia civil de apoiadores de Maduro) passaram a vigiar os movimentos dos habitantes do bairro em que se deu o levante, Cotiza. 

Além de gás lacrimogêneo, usaram também armas de fogo e assassinaram uma mulher de 38 anos, Nicar Bermúdez, com um tiro na cabeça.

É neste cenário de tensão que vai ocorrer nesta quarta (23) uma marcha para pedir a renúncia de Maduro.

O ato, que sairá de distintos pontos de Caracas, foi convocado pela Assembleia Nacional, presidida por Juan Guaidó, 35. 

“Eu não tenho dúvida de que será um êxito, e que as forças de segurança já não são as mesmas de 2017, houve muitas baixas, e não poderão nos conter. De nossa parte, nós queremos que seja uma marcha pacífica”, disse Guaidó à Folha no último sábado (19).

Ele se referiu a onda de atos em 2017 que durante três meses tomou as ruas da capital para protestar contra a criação da Constituinte (inteiramente dominada pelo chavismo) e que deixou 130 mortos.

“Temos que sair, todos, basta de aguentar tudo isso, as crianças morrendo sem remédio. Essa marcha tem de ser um êxito”, diz a produtora Maria Carolina Ocque, sobre o ato desta quarta.

O governo, porém, promete responder a manifestação. Nesta segunda, o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, acusou o partido de Guaidó, o Vontade Popular, de estar por trás da rebelião militar de Cotiza —que classificou como terrorista. Ele disse ainda que o deputado “vem recebendo ordens diretamente do vice-presidente dos EUA, Mike Pence”.

O americano publicou um vídeo nesta terça no qual mistura palavras em inglês e em espanhol para declarar apoio a Guaidó e aos protestos. 

O chanceler brasileiro Ernesto Araújo também manifestou, de forma indireta, apoio a oposição ao chamar Maduro de “ex-presidente” nesta terça (22) —a Assembleia Nacional não reconhece o atual mandato do ditador.

Líderes opositores no exterior também se manifestaram a favor dos protestos, como Antonio Ledezma (ex-prefeito de Caracas) e Julio Borges (ex-presidente da Assembleia Nacional). 

Embora a manifestação desta quarta seja a de maior destaque, os protestos antiditadura já começaram na madrugada desta terça nos municípios de Libertador e Catia (no centro de Caracas). 

As duas regiões são tradicionalmente enclaves chavistas, diferentemente das áreas de classe média e alta no lado leste de Caracas, onde os atos anti-Maduro se concentraram nos últimos anos. 

Nos dois locais as forças de segurança e as milícias que apoiam Maduro reprimiram os atos com violência, mas não há informação de feridos graves.

Alguns, porém, têm medo de que as cenas de violência de dois anos atrás voltem a se repetir. “Nós também achávamos que as manifestações de 2017 iam colocar freios a esse governo ou até fazer Maduro renunciar. E o resultado, para mim, foi um sobrinho morto. Eu não sairei nem deixarei que meus filhos saiam”, afirmou Eulimar Gutiérres, 39.

O sucesso da marcha, assim, depende de como será a resposta a uma possível repressão do governo —e também se a oposição conseguirá se manter unida.

“A oposição venezuelana se desmoralizou diante da população depois do referendo de julho de 2017”, disse à Folha María Corina Machado, que lidera uma das alas da oposição, a Vente Venezuela. 

Na ocasião, afirma ela, a população votou massivamente na oposição para que esta lutasse por eleições diretas. “E o que esses líderes fizeram? Foram negociar com Maduro, e Maduro os enganou, prometeu coisas que não fez e roubou todas as eleições”, afirmou María Corina.

A opinião é compartilhada pela vendedora Yuli Ortíz, 25, uma dos milhões de  venezuelanos que fugiram do regime Maduro —ela mora em Buenos Aires.  “Ou muda tudo lá, inclusive a oposição, ou a gente não volta, e ainda vamos mandar trazer minha mãe, que ficou lá sozinha”, disse.

Juan Guaidó tem, assim, a chance de se consolidar como principal nome da oposição, sem a bagagem dos antigos líderes. 

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado, os municípios de Catia e Libertador ficam no centro de Caracas, e não próximos a Caracas. A cidade de Caracas é dividida em municípios. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.