Descrição de chapéu Venezuela

EUA conversam diretamente com militares da Venezuela para estimular deserções, diz agência

Maduro segue com forte apoio no Exército venezuelano, apesar dos apelos de Guaidó

Militares saúdam o ditador Nicolás Maduro durante cerimônia em base aérea de Maracay - Presidência da Venezuela - 29.jan.2019/AFP
Washington | Reuters

Os Estados Unidos estão conversando com membros do comando militar da Venezuela para convencê-los a abandonar o ditador Nicolás Maduro, segundo um funcionário da Casa Branca ouvido pela agência Reuters.

O governo de Donald Trump espera conseguir novas deserções, apesar de que poucos oficiais graduados tenham feito isso desde que Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional, declarou-se presidente encarregado do país, e foi reconhecido por EUA, Brasil e outras dezenas de países.

Segundo este funcionário, as conversas estão sendo realizadas com ex-membros do regime e militares na ativa, embora de forma limitada.

Ele não forneceu detalhes das conversas nem falou sobre o nível em que elas estão, de modo que não está claro como esses contatos podem levar a um racha entre os apoiadores de Maduro.

Francisco Yánez, do comando da Força Aérea venezuelana, foi o primeiro general da ativa a reconhecer Guaidó, mas foi apenas um entre cerca de 2.000 oficiais na mesma função. Yánez é general-de-divisão e diretor de Planificação Estratégica do Alto Comando da Aviação (equivalente a Força Aérea).

Há dúvidas sobre a capacidade do governo norte-americano de criar divisões entre os militares da Venezuela, pois muitos oficiais são suspeitos de se beneficiarem da corrupção e do tráfico de drogas.

Guaidó prometeu anistia a militares que deixem Maduro e o reconheçam como presidente. Nesta semana, Washington disse que poderia retirar sanções de oficiais venezuelanos que reconheçam o líder opositor como presidente. 

Apesar disso, Maduro ainda têm apoio do alto comando do Exército, e tem participado de vários eventos em bases militares, nos quais oficiais aparecem atrás dele e cantam refrões como "Lealdade sempre, traição jamais". 

O governo Trump estuda aplicar novas sanções ao regime de Maduro. Uma das possibilidades é aplicar sanções a agentes de Cuba acusados de ajudar Maduro a se manter no poder, segundo outro funcionário dos EUA ouvido pela Reuters. ​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.