Descrição de chapéu Venezuela

Jornalista é preso sob acusação de ajudar a causar apagão na Venezuela

Luís Carlos Díaz ficou desaparecido por horas, até ser levado por agentes para uma busca em sua casa

O jornalista venezuelano Luiz Carlos Díaz, preso pelo regime de Nicolás Maduro
O jornalista venezuelano Luis Carlos Díaz, preso pelo regime de Nicolás Maduro - Reprodução/Twitter
Fernanda Canofre Flávia Mantovani
Belo Horizonte e São Paulo

O jornalista venezuelano Luis Carlos Díaz, 34, foi capturado na noite de segunda-feira (11) por agentes do regime do ditador Nicolás Maduro, segundo sua mulher, Naky Soto. 

O sindicato de jornalistas da Venezuela acredita que Díaz seja uma das duas pessoas presas por terem sido relacionadas por Maduro aos apagões de energia dos últimos dias. 

O ditador diz que a falta de energia foi provocada por ataques de hackers, agindo junto com o governo de Donald Trump. O Grupo de Lima, que reúne 14 países das Américas, inclusive o Brasil, culpou Maduro pelo problema. 

Naky, que também é comentarista política e ativista de direitos digitais, fez o último contato com o marido às 17h30 desta segunda-feira. O jornalista avisou que estava a caminho de casa para descansar antes de apresentar um programa ao vivo na Unión Radio, das 22h às 5h. 

“Luis Carlos não chegou e não me preocupei, porque achei que ele havia preferido aproveitar a eletricidade e a conexão da rádio, ficando por lá, mas há meia hora me ligaram para avisar que o estavam procurando, porque ele não estava na emissora”, escreveu ela em uma rede social. 

Na madrugada de terça-feira (12), o sindicato de jornalistas publicou a informação de que agentes do serviço de inteligência do país, o Sebin, apreenderam computadores, pen drives, celulares e dinheiro da casa de Díaz. 

Em um vídeo, Naky diz que a casa foi revistada, que o jornalista estava presente e algemado e relatou que sofreu agressões físicas durante sua detenção. 

À Folha, Naky, 45, que está em tratamento contra um câncer de mama desde setembro do ano passado, relatou que também foi ameaçada de prisão. “Um membro da comissão [que prendeu seu marido] me disse que não fizesse barulho, que não me expusesse, porque havia uma ordem de apreensão contra mim também e só não me levaram agora por causa da minha condição.” 

Segundo ela, era "impressionante" a dimensão do grupo que foi até sua casa. "Tinha umas 16 a 18 pessoas e umas 11 ou 12 subiram, dois deles usavam armas grandes. Levaram não só os equipamentos, mas também o dinheiro que tínhamos", disse, enquanto se preparava para ir à procuradoria para pedir a libertação do marido.

"Ele é acusado de ser hacker, quando na verdade trabalha pelo contrário, pelos direitos digitais. Ele forma pessoas para usar as redes, não tem especialidade em mexer com códigos. Isso é uma loucura", afirmou. 

Naky ainda não sabia para qual prisão Díaz havia sido levado, mas uma das possibilidades é que ele esteja no Helicoide —edifício construído para ser um shopping center, em Caracas, que vem sendo usado como prisão de presos políticos e comuns pelo serviço de inteligência. Em uma reportagem do jornal The Guardian, de 2017, foi descrito por ex-presos como “inferno na terra”. 

Uma comitiva do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que chegou à Venezuela no mesmo dia da detenção, pediu às autoridades "acesso urgente a Díaz", segundo informou a alta comissária, Michelle Bachelet. 

"Estou profundamente preocupada com a suposta detenção do reputado jornalista Luis Carlos por parte dos serviços de inteligência venezuelanos, e com seu bem-estar", escreveu a ex-presidente do Chile em seu Twitter.

O grupo de cinco pessoas prepara, entre outros assuntos, uma possível visita de Bachelet ao país e deve continuar na Venezuela até o dia 22. A alta comissária foi convidada para a visita por Maduro, em novembro de 2018. 

Antes de Díaz chegar com a polícia à sua casa para a revista, a família e colegas buscaram informações sobre seu paradeiro durante horas. Uma campanha internacional, mobilizando seguidores, jornalistas e órgãos internacionais de direitos humanos e liberdade de imprensa, perguntava nas redes: "onde está Luís Carlos?".

Forças de segurança contatadas pelo sindicato chegaram a negar que soubessem do paradeiro do jornalista. Segundo a entidade, nos últimos dias, ele vinha recebendo ameaças nas redes sociais. 

Na sexta-feira (8), a conta no Twitter do programa “Con el Mazo Dando”, apresentado por Diosdado Cabello, número 2 do chavismo, publicou um vídeo editado de uma transmissão feita por Díaz e Naky. 

Na publicação, além de chamar o jornalista de “influencer fascistóide”, Cabello o acusa de ter participação nos blecautes e de ter organizado uma operação com “a direita local e a direita gringa” para colapsar o país. 

O vídeo de cerca de um minuto e meio mostra Díaz respondendo a uma pergunta de um seguidor sobre os efeitos que um apagão pode ter em um país em situação de crise. Em um dos cenários hipotéticos citados por ele, o jornalista fala que as pessoas podem sair às ruas para recuperar o “tecido social rompido”. 

“Eles fizeram uma tergiversação do conteúdo, selecionaram um trecho de uma gravação mais longa. Luis Carlos estava respondendo a uma pergunta de ouvinte sobre o que aconteceria em caso de um blecaute informativo”, afirma Naky Soto. 

O autodeclarado presidente interino e líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, também se manifestou sobre o desaparecimento do jornalista: “Atenção, continua a perseguição a jornalistas na Venezuela”. 

Díaz faz parte da equipe do programa de rádio Circuitos Éxitos, junto com um dos jornalistas mais respeitados do país, César Miguel Rondón. O programa foi encerrado no dia 15 de fevereiro, segundo Rondón, “porque se tornou um incômodo para o regime”. 

No final de janeiro, em entrevista, Rondón disse que foi censurado por reconhecer Juan Guaidó como presidente interino. Desde 2017, ele participava do programa à distância, fora da Venezuela, por perseguição. 

A última vez em que postou algo em sua conta no Twitter, na qual tem 329 mil seguidores, Díaz criticou a narrativa adotada pela ditadura de Nicolás Maduro para explicar as quedas de energia que causaram o maior apagão recente da história da Venezuela. 

“Já não dizem que foi um ataque. Tampouco que houve dois. Não. A nova cifra são cinco ataques consecutivos contra o sistema elétrico, segundo porta-vozes oficiais. É a hiperinflação das desculpas”, escreveu. 

Nas redes sociais, ele seguia denunciando a situação de falta de alimentos e remédios em vários pontos do país, além de criticar abertamente o governo. 

Díaz também colabora para um projeto internacional de ativismo pró-liberdade de expressão, o Advox-Global Voices. Segundo a editora desse site, Ellery Biddle, as acusações contra o jornalista são uma tentativa do regime Maduro de "semear a falta de confiança na mídia independente e na sociedade civil e de calar uma fonte crucial de notícias e comentários no momento em que a Venezuela mais precisa”. 

"Luís Carlos é um jornalista perspicaz e determinado que tem se dedicado à proteção dos direitos humanos na Venezuela por mais de uma década. E tem sido um professor e uma inspiração para muitos de nós na comunidade de direitos digitais", comentou Biddle, após a prisão do venezuelano.

No final de fevereiro, o regime de Maduro expulsou o jornalista Jorge Ramos e sua equipe da rede Univision do país. Os equipamentos e materiais de gravação da entrevista que Ramos fazia com o ditador foram apreendidos. 

A suspeita é que o segundo preso nesta segunda (11) pelo governo Maduro sob acusação de ter relação com a falta de energia seja Geovany Zambrano Rodríguez, trabalhador do setor elétrico, que participou de uma entrevista coletiva no dia 18 de fevereiro, denunciando a situação crítica do setor. 

Há relatos de testemunhas que viram Rodríguez ser abordado por pessoas em uma caminhonete Tucson por volta das 18h de segunda.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.