Descrição de chapéu Venezuela

'Prisão de Guaidó seria um absurdo completo', afirma chanceler brasileiro

Após aceno de Bolsonaro, Ernesto Araújo disse que diálogo com Maduro não está em consideração

Juan Guaidó (à esq.) e o chanceler Ernesto Araújo, durante visita do líder opositor venezuelano à Brasília - Pedro Ladeira - 28.fev.2019/Folhapress
Gustavo Uribe
Brasília

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, avaliou nesta sexta-feira (1º) que seria "um absurdo completo" a prisão do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, pelo ditador Nicolás Maduro.

Ele disse que, após a visita na quinta-feira (28) do venezuelano a Brasília, o governo brasileiro está ainda mais confiante na capacidade de Guaidó de atuar para restituir a democracia e a liberdade no país sul-americano, que passa por uma crise política.

O presidente interino embarcou nesta sexta-feira para o Paraguai, e a previsão é de que ele retorne à Venezuela até segunda-feira (4). Ele afirmou que tem recebido ameaças, mas que elas não o impedirão de voltar ao seu país.

"Esperamos que não aconteça [uma prisão], seria um absurdo. Temos de ver qual seria a reação, mas seria um absurdo completo", disse o chanceler brasileiro.

 

Em entrevista à Folha, a secretária-adjunta para Assuntos do Hemisfério Ocidental dos Estados Unidos, Kimberly Breier, considerou uma eventual prisão um "erro terrível" do ditador.

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro ter indicado disposição em abrir diálogo com Maduro para solucionar o impasse, Araújo disse que o governo brasileiro só atuaria se houvesse uma solicitação de Guaidó.

"Se surgisse uma demanda do governo legítimo, examinaríamos. Mas, no momento, não está em consideração", disse. 

Em conversa com a Folha, na quinta-feira (28), Guaidó afirmou que sua proposta de anistia para os aliados do chavismo que contribuam para a transição de governo no país vizinho poderia incluir o ditador.

Ele ressaltou que a anistia não pode incluir funcionários do regime de Maduro que tenham violado direitos humanos.

Questionado se Maduro não teria cometido crimes de lesa humanidade ao bloquear a entrada de ajuda humanitária em seu país no último fim de semana, Guaidó disse que seria preciso "avaliar" o caso.

 "Eu não sou juiz. Eu sou deputado e presidente encarregado. Teria que avaliar se está contemplado ou não nos supostos dos direitos humanos", afirmou.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.