Estado Islâmico reivindica ataque que matou 63 em casamento no Afeganistão

Explosão de homem-bomba ocorreu no sábado (17), deixando também 182 feridos

Cabul, Afeganistão | Reuters

Estado Islâmico afirmou ser responsável pelo atentado no qual um homem-bomba matou 63 pessoas e feriu outras 182 em uma festa de casamento na capital do Afeganistão, disse o Ministério do Interior do país neste domingo (18). 

O ataque suicida ocorreu no sábado (17), quando o Taleban e os EUA tentavam negociar um acordo sobre a retirada das tropas norte-americanas do país do Oriente Médio em troca de um compromisso do grupo islâmico com negociações de paz com o governo do Afeganistão, apoiado pelos americanos.

Apesar das negociações, a violência não mostra sinais de arrefecimento. 

O Taleban negou a responsabilidade pela explosão em um salão de casamento em Cabul, em um bairro de minoria xiita, lotado de pessoas.

Mulheres e crianças estavam entre as vítimas, disse o porta-voz do Ministério do Interior, Nasrat Rahimi, enquanto as famílias se aglomeravam nos cemitérios de Cabul. Os noivos sobreviveram.

"Nunca vou conseguir esquecer isso por mais que eu tente", disse o noivo, identificado como Mirwais.

Não é a primeira vez que acontece um atentado em uma festa do tipo. No mês passado, um garoto menor de idade fez um ataque suicida a bomba em um distrito a leste do país, deixando 14 mortos. 

Na semana passada, também na capital do país, um atentado com carro-bomba contra uma delegacia matou 14 pessoas e feriu 145, segundo o governo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.