Descrição de chapéu
Diplomacia Brasileira

Irrelevância política do Brics se evidencia em cúpula esvaziada

Cada país do bloco tem sua agenda, e encontro acaba servindo a reuniões bilaterais

São Paulo

A reunião de cúpula dos países do Brics foi um retrato à perfeição da irrelevância política do bloco, composto por países díspares com agendas próprias, muitas vezes contraditórias.

Esse é um problema de origem do grupo, surgido em 2006 ainda sem o "tijolo" África do Sul, adicionado em 2011.

Sua inspiração foi um golpe publicitário do economista britânico Jim O´Neill, que em 2001 havia escrito um artigo entusiasmado sobre a ascensão de mercados fora dos eixos tradicionais de comércio, sugerindo a sigla ainda sem a participação de Pretória.

Unindo a potencialidade emergente dos países e características de tamanho (eram conhecidos como "baleias"), era colocada a possibilidade de novas cadeias produtivas nas trocas globais.

Não por causa da formalização do Brics, mas como motivo antecedente, o salto quântico que a China deu na época ajudou a puxar a sensação de que a ordem dominada pelos EUA estava questionada. O boom das commodities, que durou até a crise global de 2008, alimentou o crescimento brasileiro na década.

Isso dito, a China é incomparável mesmo com sua mais próxima rival econômica no grupo, a Índia. Militarmente, a Rússia de Vladimir Putin ainda é a força mais eficaz, não menos por ter herdado o arsenal atômico soviético da Guerra Fria.

A África do Sul é uma potência regional, assim como o Brasil, ambos na periferia mundial. Durante os anos dourados das commodities, o lulismo no poder em Brasília fez bom uso da retórica triunfalista de um mundo pós-EUA no qual seu lugar estaria garantido.

Era tudo retórica, como se sabe. A cúpula encerrada nesta quinta (14) demonstrou o limite daquele falatório: é preciso muito boa vontade para achar que um comunicado do Brics tem alguma "envergadura global" como os temas que o Itamaraty viu colocados nele.

A percepção atravessa fronteiras. "Sempre foi uma organização muito estranha para nós. Não é tão relevante, embora possibilite um fórum para encontros bilaterais frutíferos", diz o russo Ruslan Pukhov, do Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias de Moscou.

Há incongruências básicas. Moscou e Pequim, países com rivalidades estratégicas seculares, hoje são aliados no campo bélico e buscam uma voz unificada contra os EUA de Donald Trump —o modelo de país do anfitrião da festa atual, o presidente Jair Bolsonaro.

Com efeito, foi um balão de ensaio esvaziado de saída a única notícia importante que se insinuou nesse par de dias: a bobagem dita e desdita pelo ministro Paulo Guedes (Economia) sobre um onírico acordo de livre-comércio com a China.

Mesmo o instrumento mais prático do bloco, o banco de desenvolvimento NDB, é subutilizado no Brasil. Talvez isso mude com a abertura de um escritório dele no país, em São Paulo.

Avanços estão em curso, com o abandono da resistência ideológica à ditadura comunista por parte de Bolsonaro e os "cruzados" que dominam o Itamaraty, mas não é o caso de fantasiar demais.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.