Descrição de chapéu Venezuela

Guaidó pede que venezuelanos não desistam de protestar contra Maduro

Ato foi 1ª grande manifestação organizada pelo líder opositor nos últimos seis meses

Caracas | AFP

O líder opositor Juan Guaidó chamou os venezuelanos a protestarem de maneira permanente até o ditador Nicolás Maduro deixar o poder na Venezuela.

"Hoje é o dia em que a Venezuela disse: até alcançá-lo. Temos que alcançar nosso objetivo", discursou o autoproclamado presidente interino no sábado (16), em Caracas.

Partidários de Guaidó se mobilizaram na capital e em outras cidades do país para exigir mais uma vez a saída do poder de Maduro, que também chamou seus apoiadores a marcharem.

Com bandeiras da Venezuela e de partidos opositores, milhares de apoiadores de Guaidó se concentraram na avenida Francisco de Miranda, em Caracas, onde ele discursou.

"Não sei se são 18 dias [de protesto]. Se é hoje, segunda ou amanhã. O que posso garantir é que teremos a liberdade de toda a Venezuela”, afirmou. Ele estava acompanhado por sua esposa, Fabiana Rosales, a segunda vice-presidente do Parlamento, Stalin González, e o vice Gilber Caro.

O dia é crucial para a liderança de Guaidó, que não conseguiu organizar nos últimos seis meses manifestações grandes como as que acompanharam sua autoproclamação, em janeiro, que contou com o reconhecimento de cerca de 50 países, entre eles Brasil e Estados Unidos.

"Se não acontecer nada extraordinário, a liderança de Guaidó pode ir para a geladeira", opinou o cientista político Jesús Castillo-Molleda.

A manifestação deste sábado ficou longe de reunir as dezenas de milhares de pessoas de atos anteriores. Seus 5.000 manifestantes, contudo, formam o maior protesto desde 1º de maio, um dia depois de um levante militar fracassado liderado por Guaidó.

O líder opositor renovou seu chamado às Forças Armadas para que deem as costas ao ditador, que tem seu principal apoio no Exército. "Estou pedindo que se coloquem ao lado da Constituição. Esse apelo pode parecer estéril, mas é necessário, o fator que falta deve tomar uma decisão", afirmou.

Guaidó foi estimulado a convocar as manifestações por causa da situação na Bolívia, onde Evo renunciou após pressão popular e de militares e se exilou no México. Após seu discurso, convocou uma caminhada simbólica em direção à embaixada boliviana em Caracas.

A presidente interina autodeclarada da Bolívia, Jeanine Añez —opositora que substituiu Evo após sua renúncia—, afirmou em uma ligação de vídeo transmitida ao país que deseja que Guaidó "liberte o povo venezuelano".

Na véspera das manifestações, Guaidó publicou um vídeo em uma rede social denunciando que a sede de seu partido, o Voluntad Popular, foi invadida.

Os invasores portavam capuzes e armas pesadas e, segundo o perfil oficial da legenda, 43 pessoas foram feitas reféns. Opositores suspeitam que o grupo faz parte das forças de segurança ou de milícias paramilitares de Maduro.

Centenas de chavistas de vermelho também se mobilizaram no centro de Caracas em apoio a Maduro e ao ex-presidente boliviano Evo Morares —que o líder venezuelano afirma ter sofrido um golpe.

Maduro afirma que a oposição planeja ações violentas com apoio dos Estados Unidos e da vizinha Colômbia para desestabilizá-lo. Seu regime deslocou o Exército e a polícia para as ruas.

O metrô de Caracas desativou algumas estações nas áreas das manifestações para reparos, segundo informou a companhia de transportes, mas críticos afirmam que o objetivo era enfraquecer os protestos.

O site Netblocks registrou bloqueios parciais nas redes sociais, o que seria uma tentativa de Maduro de esvaziar os atos, segundo diversos comentários de venezuelanos no Twitter. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.