Fujimorismo perde controle do Congresso em eleição no Peru, aponta contagem preliminar

Legislativo fragmentado deve dar força para pacote anticorrupção do presidente Martín Vizcarra

Lima | Reuters

Os peruanos elegeram, neste domingo (26), um Congresso fragmentado, com dez partidos e nenhum deles com maioria, segundo contagem rápida feita pelo instituto Ipsos em parceria com o canal América TV (a margem de erro é de 1 ponto percentual para mais ou para menos).

O Força Popular, legenda do fujimorismo, teve 7% dos votos (12 cadeiras) e, se os números se confirmarem, será a quinta força da Casa, junto com a Frente Ampla, perdendo maioria. O resultado seria uma grande derrota para o grupo, que teve 36,3% dos votos em 2016.

Em 2016, o partido liderado por Keiko Fujimori conquistou 73 assentos de 130, mas agora chegaria a menos de 20, segundo as projeções. 

Nesse caso, será uma minoria em um Congresso fragmentado, com domínio do Ação Popular (10,1% ou 24 cadeiras) e outras formações de centro que provavelmente negociarão com o presidente, Martín Vizcarra.

O popular presidente de centro-direita pediu "um relacionamento responsável [entre Executivo e legislativo], maduro, buscando consenso em benefício do Peru", depois de votar na cidade de Moquegua, no sul.

O pleito ocorre a 18 meses do fim dos mandatos atuais, incluindo o presidencial. A eleição antecipada ocorre devido à decisão de Vizcarra, em setembro, de diluir constitucionalmente o Congresso, argumentando que este bloqueava as reformas anticorrupção aprovadas num referendo em 2018. 

O resultado da eleição deve beneficiar o mandatário e seu pacote de projetos, incluindo as medidas anticorrupção aprovadas em referendo em 2018. 

As principais são a retirada de imunidade parlamentar para casos graves de corrupção e uma regulamentação mais restrita do financiamento de partidos, evitando doações ilegais de grandes empresas, como a Odebrecht, e facções do crime organizado.

Será a primeira vez em dois séculos que o Peru realiza apenas eleições legislativas, pois sempre coincidiram com a disputa presidencial.

As próximas eleições gerais serão em abril de 2021, sem possibilidade de reeleição de Vizcarra ou dos parlamentares que serão eleitos neste domingo.

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, vota neste domingo (26), em Moquegua, no sul do país
O presidente do Peru, Martín Vizcarra, vota neste domingo (26), em Moquegua, no sul do país - Agencia Peruana de Noticias Andina
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.